Fórum Borborema em Defesa dos Direitos e da Democracia é instalado em Campina

Foi instalado na noite desta terça-feira, 13, no auditório do Sindicato dos Bancários de Campina Grande e Região, o Fórum Borborema em Defesa dos Direitos e da Democracia, evento que contou com as presenças de representantes de significativas entidades do movimento sindical e o dos movimentos sociais da região.
Durante a instalação do Fórum, cada representante dos Sindicatos ou representante dos movimentos sociais teveram direito à fala, para exposição de ideias, avaliação da greve geral do dia 28 de abril passado e os rumos para a próxima paralisação nacional, programada para o dia 30 deste mês.
O Fórum não é apenas uma preparação para a greve geral, mas estará permanente sendo acionada para discutir e combater projetos do Governo Federal que destruam a vida dos brasileiros, como as Reformas da Previdência, Trabalhista, Terceirização ilimitada e tantas outras que certamente virão pela frente.
Usaram da palavra, Hermano Nepomuceno, um dos coordenadores do Fórum; Wilton Maia Velez, presidente do Sindicato dos Urbanitários; José do Nascimento Coelho, dos Comerciários; além de dirigentes de entidades diversas: Sindicato dos Bancários; dos Motoristas de ônibus; Sintep; SindsPrev; MAB; MST; Centrac; Clube de Mães Marisa Letícia; SindJuf; CUT;CTB; Nova Central Sindical; Presidente do PT municipal, Márcio Canielo; Coordenação das Pastoraisda diocese de Campina ,Sindicato Rural de Lagoa Seca e o Polo Sindical da Borborema, entre outros.
Além da preparação para a greve geral do dia 30, a instalação do Fórum serviu para congregar as instituições e movimentos sociais em um só espaço e num só discurso, facilitar o diálogo e cultivar a unidade sindical e popular.
O Fórum está reunindo cerca de 37 Sindicatos do Polo Sindical da Borborema, ligados aos trabalhadores em geral, movimento dos atingidos pelas barragens, o sem- terra, associações diversas, etc.
O professor Hermano Nepomuceno informou que o Fórum vai agregar mais força às lutas populares contra os projetos destruidores dos direitos sagrados dos trabalhadores por parte do Governo Federal.

Foi instalado na noite desta terça-feira, 13, no auditório do Sindicato dos Bancários de Campina Grande e Região, o Fórum Borborema em Defesa dos Direitos e da Democracia, evento que contou com as presenças de representantes de significativas entidades do movimento sindical e o dos movimentos sociais da região.
Durante a instalação do Fórum, cada representante dos Sindicatos ou representante dos movimentos sociais teveram direito à fala, para exposição de ideias, avaliação da greve geral do dia 28 de abril passado e os rumos para a próxima paralisação nacional, programada para o dia 30 deste mês.
O Fórum não é apenas uma preparação para a greve geral, mas estará permanente sendo acionada para discutir e combater projetos do Governo Federal que destruam a vida dos brasileiros, como as Reformas da Previdência, Trabalhista, Terceirização ilimitada e tantas outras que certamente virão pela frente.
Usaram da palavra, Hermano Nepomuceno, um dos coordenadores do Fórum; Wilton Maia Velez, presidente do Sindicato dos Urbanitários; José do Nascimento Coelho, dos Comerciários; além de dirigentes de entidades diversas: Sindicato dos Bancários; dos Motoristas de ônibus; Sintep; SindsPrev; MAB; MST; Centrac; Clube de Mães Marisa Letícia; SindJuf; CUT;CTB; Nova Central Sindical; Presidente do PT municipal, Márcio Canielo; Coordenação das Pastoraisda diocese de Campina ,Sindicato Rural de Lagoa Seca e o Polo Sindical da Borborema, entre outros.
Além da preparação para a greve geral do dia 30, a instalação do Fórum serviu para congregar as instituições e movimentos sociais em um só espaço e num só discurso, facilitar o diálogo e cultivar a unidade sindical e popular.
O Fórum está reunindo cerca de 37 Sindicatos do Polo Sindical da Borborema, ligados aos trabalhadores em geral, movimento dos atingidos pelas barragens, o sem- terra, associações diversas, etc.
O professor Hermano Nepomuceno informou que o Fórum vai agregar mais força às lutas populares contra os projetos destruidores dos direitos sagrados dos trabalhadores por parte do Governo Federal.