Jovem tem cabelo cortado, é espancada e baleada na mão em João Pessoa

Uma mulher de 20 anos ficou ferida após ser agredida, ter o cabelo cortado com um estilete e depois ser baleada na mão, no bairro do Muçumagro, em João Pessoa, na noite de quarta-feira (28). Segundo informações da Polícia Civil, a jovem foi encaminhada para o Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa.
Segundo informações do delegado de homicídios, Pedro Ivo Soares, a vítima foi ouvida no hospital e contou uma versão diferente da que havia sido repassada à polícia por meio do Centro Integrado de Operações Policiais (Ciop). “No primeiro momento, fomos informados que o agressor teria sido o ex-marido, mas no hospital, ela negou que fosse o ex-marido e acrescentou que não conhecia o agressor”, comentou o delegado.
Ainda de acordo com relato da vítima, o crime pode ter algum tipo de relação com o tráfico de drogas. Embora a versão da jovem agredida seja diferente da relatada inicialmente à polícia, o delegado explicou que vai investigar as duas versões.
“É muito comum, em casos de violência doméstica, a vítima mudar a versão para resguardar o companheiro ou por pressão da família”, explicou Pedro Ivo Soares. Até o início da manhã desta quinta-feira (29), a polícia seguia investigando o caso, mas nenhum suspeito tinha sido preso.
A mulher agredida passou por cirurgia e, de acordo com o boletim médico do Hospital de Trauma, seguia internada em estado de saúde estável e regular até o início da manhã desta quinta-feira (29).
G1 PB

Uma mulher de 20 anos ficou ferida após ser agredida, ter o cabelo cortado com um estilete e depois ser baleada na mão, no bairro do Muçumagro, em João Pessoa, na noite de quarta-feira (28). Segundo informações da Polícia Civil, a jovem foi encaminhada para o Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa.
Segundo informações do delegado de homicídios, Pedro Ivo Soares, a vítima foi ouvida no hospital e contou uma versão diferente da que havia sido repassada à polícia por meio do Centro Integrado de Operações Policiais (Ciop). “No primeiro momento, fomos informados que o agressor teria sido o ex-marido, mas no hospital, ela negou que fosse o ex-marido e acrescentou que não conhecia o agressor”, comentou o delegado.
Ainda de acordo com relato da vítima, o crime pode ter algum tipo de relação com o tráfico de drogas. Embora a versão da jovem agredida seja diferente da relatada inicialmente à polícia, o delegado explicou que vai investigar as duas versões.
“É muito comum, em casos de violência doméstica, a vítima mudar a versão para resguardar o companheiro ou por pressão da família”, explicou Pedro Ivo Soares. Até o início da manhã desta quinta-feira (29), a polícia seguia investigando o caso, mas nenhum suspeito tinha sido preso.
A mulher agredida passou por cirurgia e, de acordo com o boletim médico do Hospital de Trauma, seguia internada em estado de saúde estável e regular até o início da manhã desta quinta-feira (29).
G1 PB