Renan Calheiros anuncia que deixa liderança do PMDB no Senado

renanO senador Renan Calheiros (AL) anunciou nesta quarta-feira (28) em plenário que decidiu deixar a liderança do PMDB no Senado. A escolha do novo líder será no próximo dia 4.
Segundo a colunista do G1 Andréia Sadi, o líder do governo na Casa, Romero Jucá (PMDB-RR), articula para o senador Garibaldi Alves (RN) assumir o posto. Garibaldi, porém, nega interesse na vaga e defende que Raimundo Lira (PB) substitua Renan.
Ex-presidente do Congresso Nacional, Renan passou a ocupar a função no início deste ano e, desde então, tem adotado postura contrária ao governo do presidente Michel Temer, criticando, principalmente, as reformas da Previdência Social e trabalhista.
Na sequência do discurso, Renan fez duras críticas ao governo e afirmou que não serve para ser “marionete”.
Ao plenário, o senador acrescentou que, se permanecesse na função, isso significaria que ele havia decidido ceder às exigências de um governo que trata o PMDB como um “departamento” do Poder Executivo.
‘Vocação para marionete’
Ao dizer que não tem “a menor vocação para marionete”, Renan Calheiros afirmou que o governo do presidente Michel Temer não tem credibilidade para conduzir as reformas propostas ao Congresso Nacional.
Para o senador, as reformas sacrificam os mais pobres e discriminam regiões e, por isso, ele decidiu “ficar com a sociedade”.
“Estamos diante da degradação do bicameralismo, com a imposição da vontade de uma Casa à outra, sobretudo quando essa vontade é contrária aos direitos das pessoas mais pobres. Cabe-nos aceitar a situação ou reagir a ela. De minha parte, não tenho a menor vocação para marionete. O Governo não tem credibilidade para conduzir essas reformas exageradas, desproporcionais, que, antes de resolverem o problema, agravam a questão social.”

Postura ‘covarde’ de Temer
No discurso, de pouco mais de 15 minutos, Renan Calheiros disse, ainda, que não “detesta” Michel Temer, mas não “tolera” a postura “covarde” do presidente de “desmonte” das leis trabalhistas.
Ao avaliar que a situação política do país é “gravíssima”, o senador acrescentou, na sequência, que a crise tem se aprofundado todos os dias e, por isso, cabe ao Congresso Nacional defender os interesses do país, sem que os parlamentares se apeguem a cargos no governo.
O Palácio do Planalto informou à TV Globo que não comentará as declarações de Renan.
Em outro momento, durante entrevista a jornalistas, o senador disse, ainda, que o governo “é como cobra, até morto faz medo”.
Influência de Cunha
No pronunciamento desta quarta, Renan voltou a dizer, como tem feito desde o início do ano, que o governo de Michel Temer é influenciado pelo ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso em Curitiba.
Renan, então, se referiu às delações de executivos da JBS segundo as quais Temer deu aval para pagamentos de propina a Cunha para evitar que o ex-deputado feche acordo de delação – o presidente nega.
Na sequência, o senador disse que o líder do governo na Casa, Romero Jucá (PMDB-RR), aliado de Temer, cometeu “ledo engano” ao dizer em Cunha estava “politicamente morto”. Os “últimos acontecimentos”, acrescentou Renan, mostram que o deputado, mesmo preso, nomeou ministros e deu ordens ao governo.
G1

renanO senador Renan Calheiros (AL) anunciou nesta quarta-feira (28) em plenário que decidiu deixar a liderança do PMDB no Senado. A escolha do novo líder será no próximo dia 4.
Segundo a colunista do G1 Andréia Sadi, o líder do governo na Casa, Romero Jucá (PMDB-RR), articula para o senador Garibaldi Alves (RN) assumir o posto. Garibaldi, porém, nega interesse na vaga e defende que Raimundo Lira (PB) substitua Renan.
Ex-presidente do Congresso Nacional, Renan passou a ocupar a função no início deste ano e, desde então, tem adotado postura contrária ao governo do presidente Michel Temer, criticando, principalmente, as reformas da Previdência Social e trabalhista.
Na sequência do discurso, Renan fez duras críticas ao governo e afirmou que não serve para ser “marionete”.
Ao plenário, o senador acrescentou que, se permanecesse na função, isso significaria que ele havia decidido ceder às exigências de um governo que trata o PMDB como um “departamento” do Poder Executivo.
‘Vocação para marionete’
Ao dizer que não tem “a menor vocação para marionete”, Renan Calheiros afirmou que o governo do presidente Michel Temer não tem credibilidade para conduzir as reformas propostas ao Congresso Nacional.
Para o senador, as reformas sacrificam os mais pobres e discriminam regiões e, por isso, ele decidiu “ficar com a sociedade”.
“Estamos diante da degradação do bicameralismo, com a imposição da vontade de uma Casa à outra, sobretudo quando essa vontade é contrária aos direitos das pessoas mais pobres. Cabe-nos aceitar a situação ou reagir a ela. De minha parte, não tenho a menor vocação para marionete. O Governo não tem credibilidade para conduzir essas reformas exageradas, desproporcionais, que, antes de resolverem o problema, agravam a questão social.”

Postura ‘covarde’ de Temer
No discurso, de pouco mais de 15 minutos, Renan Calheiros disse, ainda, que não “detesta” Michel Temer, mas não “tolera” a postura “covarde” do presidente de “desmonte” das leis trabalhistas.
Ao avaliar que a situação política do país é “gravíssima”, o senador acrescentou, na sequência, que a crise tem se aprofundado todos os dias e, por isso, cabe ao Congresso Nacional defender os interesses do país, sem que os parlamentares se apeguem a cargos no governo.
O Palácio do Planalto informou à TV Globo que não comentará as declarações de Renan.
Em outro momento, durante entrevista a jornalistas, o senador disse, ainda, que o governo “é como cobra, até morto faz medo”.
Influência de Cunha
No pronunciamento desta quarta, Renan voltou a dizer, como tem feito desde o início do ano, que o governo de Michel Temer é influenciado pelo ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso em Curitiba.
Renan, então, se referiu às delações de executivos da JBS segundo as quais Temer deu aval para pagamentos de propina a Cunha para evitar que o ex-deputado feche acordo de delação – o presidente nega.
Na sequência, o senador disse que o líder do governo na Casa, Romero Jucá (PMDB-RR), aliado de Temer, cometeu “ledo engano” ao dizer em Cunha estava “politicamente morto”. Os “últimos acontecimentos”, acrescentou Renan, mostram que o deputado, mesmo preso, nomeou ministros e deu ordens ao governo.
G1