Representante da CTB faz balanço positivo da mobilização realizada dia 30

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio de Campina Grande e Região e também representante da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB/PB), José do Nascimento Coelho, fez uma avaliação positiva da manifestação contra as reformas da Previdência e Trabalhista, realizada no último dia 30 em todo o país. Em Campina Grande as ações foram centradas na Praça da Bandeira, onde houve discursos dos sindicalistas e apresentações culturais, satirizando o momento político atual.
Coelho ressaltou que apesar da categoria comerciária de Campina Grande ter sido proibida de participar do mobilização, em cumprimento a uma liminar, o resultado das ações foi satisfatório, destacando o esforço e organização das centrais para mobilizar os trabalhadores. “Esta greve foi construída por varias categorias, não obtivemos o mesmo êxito da realizada no dia 28 de abril, mas a consideramos uma vitória, pois foi um momento em que os trabalhadores e trabalhadoras expressaram seu sentimento, e nós, entidades, fomos solidários com aqueles que não puderam se engajar no movimento”, assinalou.
Apesar da decisão judicial, que proibiu o Sindicato dos Comerciários fazer qualquer tipo de manifestação nos locais de trabalho, Coelho disse que a determinação não intimidou os dirigentes do sindicato. “Não é o momento de recuar. Esse movimento foi construído pela CTB e pelo nosso sindicato. Estamos aqui com os trabalhadores e solidários com aqueles que não puderam aderir à greve”, enfatizou Coelho durante discurso na Praça da Bandeira, no último dia 30.
Em todo o país, o movimento foi organizado pelas nove centrais sindicais, sindicatos filiados e movimentos sociais. “A nossa vontade era que Campina tivesse obtido o mesmo sucesso do dia 28 de abril, mas não foi possível. O Momento difícil foi marcado pela humildade dos trabalhadores, e nós, sindicalistas precisamos ser humildades e termos a hombridade para ficarmos solidários com as categorias que não puderam participar da greve”, assinalou Coelho, lembrando que a decisão da justiça não o amedrontou e nunca irá amedrontá-lo. “O sindicato tem historia. Temos que respeitar a dificuldade de cada um”, finalizou.
Texto: Ascom/Sindicomerciários

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio de Campina Grande e Região e também representante da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB/PB), José do Nascimento Coelho, fez uma avaliação positiva da manifestação contra as reformas da Previdência e Trabalhista, realizada no último dia 30 em todo o país. Em Campina Grande as ações foram centradas na Praça da Bandeira, onde houve discursos dos sindicalistas e apresentações culturais, satirizando o momento político atual.
Coelho ressaltou que apesar da categoria comerciária de Campina Grande ter sido proibida de participar do mobilização, em cumprimento a uma liminar, o resultado das ações foi satisfatório, destacando o esforço e organização das centrais para mobilizar os trabalhadores. “Esta greve foi construída por varias categorias, não obtivemos o mesmo êxito da realizada no dia 28 de abril, mas a consideramos uma vitória, pois foi um momento em que os trabalhadores e trabalhadoras expressaram seu sentimento, e nós, entidades, fomos solidários com aqueles que não puderam se engajar no movimento”, assinalou.
Apesar da decisão judicial, que proibiu o Sindicato dos Comerciários fazer qualquer tipo de manifestação nos locais de trabalho, Coelho disse que a determinação não intimidou os dirigentes do sindicato. “Não é o momento de recuar. Esse movimento foi construído pela CTB e pelo nosso sindicato. Estamos aqui com os trabalhadores e solidários com aqueles que não puderam aderir à greve”, enfatizou Coelho durante discurso na Praça da Bandeira, no último dia 30.
Em todo o país, o movimento foi organizado pelas nove centrais sindicais, sindicatos filiados e movimentos sociais. “A nossa vontade era que Campina tivesse obtido o mesmo sucesso do dia 28 de abril, mas não foi possível. O Momento difícil foi marcado pela humildade dos trabalhadores, e nós, sindicalistas precisamos ser humildades e termos a hombridade para ficarmos solidários com as categorias que não puderam participar da greve”, assinalou Coelho, lembrando que a decisão da justiça não o amedrontou e nunca irá amedrontá-lo. “O sindicato tem historia. Temos que respeitar a dificuldade de cada um”, finalizou.
Texto: Ascom/Sindicomerciários