Corregedoria da polícia apura morte de homem em cela de delegacia do DF

A Corregedoria da Polícia Civil do Distrito Federal instaurou um inquérito para apurar a morte de um homem de 48 anos dentro de uma cela da 13ª Delegacia de Polícia, em Sobradinho. O caso ocorreu na última sexta-feira (14).
Em entrevista ao G1, o primo da vítima, Eduardo Feitoza, contou que após ter se desentendido com um policial militar, próximo a uma distribuidora de bebidas em Sobradinho, Luis Cláudio Rodrigues foi levado para a 13ª DP. No local, Rodrigues fez o teste do bafômetro e foi constatado que ele havia ingerido bebida alcoólica. O exame indicou 1,35 miligrama de álcool por litro de ar expelido.
“A nossa família foi chamada. Só após o pagamento da fiança, de R$ 1,2 mil, recebemos a notícia de que o meu primo teria se matado dentro da cela”, disse Eduardo Feitoza. Segundo o parente, os agentes da delegacia informaram que Rodrigues se enforcou com a camisa que estava usando no momento da prisão.
Em nota enviada à TV Globo, às 13h30, a Polícia Civil informou que Luis Cláudio Rodrigues foi levado à 13ª DP, na sexta, por volta das 15h, depois de se envolver em um acidente de trânsito. Após o resultado do teste de alcoolemia, a “autoridade policial o autuou em flagrante por crime de embriaguez ao volante (art. 306, CTB), tendo sido arbitrada fiança de R$ 1,2 mil”.
A corporação afirmou também que a família da vítima foi “devidamente comunicada” e, por volta das 19h, os policiais encontraram Rodrigues no interior da cela “enforcado com a própria camisa”. “Foi providenciado imediato socorro a Luis, através do Corpo de Bombeiros Militar, mas infelizmente não foi possível evitar o óbito.”
Peritos do Instituto de Criminalística periciaram o local. O laudo será concluído no prazo de 30 dias. Até as 11h50 deste sábado (15), a polícia havia apenas informado ao G1 que “foi instaurado procedimento que será apurado na Corregedoria Geral de Polícia Civil”.
Feitoza informou que um advogado da família pediu para acompanhar a perícia, mas não foi autorizado. “A própria Polícia Civil vai fazer a perícia. A gente fica preocupado. Não há esclarecimentos sobre os fatos.”
De acordo com Feitoza, Luis Cláudio Rodrigues completaria 49 anos neste sábado. A vítima era motorista da Caixa Econômica Federal. Separado, Rodrigues deixa um filho e dois netos.
A reportagem perguntou à Secretaria de Segurança Pública sobre a responsabilidade do estado neste caso. Até as 11h50, o órgão não tinha se posicionado.
G1

A Corregedoria da Polícia Civil do Distrito Federal instaurou um inquérito para apurar a morte de um homem de 48 anos dentro de uma cela da 13ª Delegacia de Polícia, em Sobradinho. O caso ocorreu na última sexta-feira (14).
Em entrevista ao G1, o primo da vítima, Eduardo Feitoza, contou que após ter se desentendido com um policial militar, próximo a uma distribuidora de bebidas em Sobradinho, Luis Cláudio Rodrigues foi levado para a 13ª DP. No local, Rodrigues fez o teste do bafômetro e foi constatado que ele havia ingerido bebida alcoólica. O exame indicou 1,35 miligrama de álcool por litro de ar expelido.
“A nossa família foi chamada. Só após o pagamento da fiança, de R$ 1,2 mil, recebemos a notícia de que o meu primo teria se matado dentro da cela”, disse Eduardo Feitoza. Segundo o parente, os agentes da delegacia informaram que Rodrigues se enforcou com a camisa que estava usando no momento da prisão.
Em nota enviada à TV Globo, às 13h30, a Polícia Civil informou que Luis Cláudio Rodrigues foi levado à 13ª DP, na sexta, por volta das 15h, depois de se envolver em um acidente de trânsito. Após o resultado do teste de alcoolemia, a “autoridade policial o autuou em flagrante por crime de embriaguez ao volante (art. 306, CTB), tendo sido arbitrada fiança de R$ 1,2 mil”.
A corporação afirmou também que a família da vítima foi “devidamente comunicada” e, por volta das 19h, os policiais encontraram Rodrigues no interior da cela “enforcado com a própria camisa”. “Foi providenciado imediato socorro a Luis, através do Corpo de Bombeiros Militar, mas infelizmente não foi possível evitar o óbito.”
Peritos do Instituto de Criminalística periciaram o local. O laudo será concluído no prazo de 30 dias. Até as 11h50 deste sábado (15), a polícia havia apenas informado ao G1 que “foi instaurado procedimento que será apurado na Corregedoria Geral de Polícia Civil”.
Feitoza informou que um advogado da família pediu para acompanhar a perícia, mas não foi autorizado. “A própria Polícia Civil vai fazer a perícia. A gente fica preocupado. Não há esclarecimentos sobre os fatos.”
De acordo com Feitoza, Luis Cláudio Rodrigues completaria 49 anos neste sábado. A vítima era motorista da Caixa Econômica Federal. Separado, Rodrigues deixa um filho e dois netos.
A reportagem perguntou à Secretaria de Segurança Pública sobre a responsabilidade do estado neste caso. Até as 11h50, o órgão não tinha se posicionado.
G1