Seca obriga Vaticano a cortar água das fontes da praça de São Pedro

criseHO Vaticano decidiu cortar a água das suas fontes, tanto na Praça de São Pedro como no resto do pequeno estado, devido à seca que afeta a Itália, segundo informou a Rádio Vaticano na terça-feira (24).
A administração da cidade do Vaticano cortou a água de todas as fontes luminosas, “tanto as externas localizadas na Praça de São Pedro como as internas dos Jardins Vaticanos e no território do Estado”.
A rádio da Santa Sé afirmou que a decisão está “em sintonia com as doutrinas do Papa Francisco, que na encíclica ‘Laudato Si’ lembra que o costume de esbanjar e jogar fora alcançou níveis inauditos”.
A água potável e limpa, segundo lembra a rádio citando o papa nesse documento, “representa uma questão de importância principal, porque é indispensável para a vida humana e para sustentar os ecossistemas terrestres e aquáticos”.
O anúncio do Vaticano foi feito após a decisão de restringir o fornecimento de água a Roma a partir do lago de Bracciano, ao norte da capital, devido à queda em seu nível de abastecimento.
A falta de água já afeta dois terços da superfície cultivável da Itália, onde dez regiões pediram o reconhecimento do “estado de calamidade” e as perdas em agricultura e gado já alcançam 2 bilhões de euros, segundo dados oficiais divulgados na terça.
G1

criseHO Vaticano decidiu cortar a água das suas fontes, tanto na Praça de São Pedro como no resto do pequeno estado, devido à seca que afeta a Itália, segundo informou a Rádio Vaticano na terça-feira (24).
A administração da cidade do Vaticano cortou a água de todas as fontes luminosas, “tanto as externas localizadas na Praça de São Pedro como as internas dos Jardins Vaticanos e no território do Estado”.
A rádio da Santa Sé afirmou que a decisão está “em sintonia com as doutrinas do Papa Francisco, que na encíclica ‘Laudato Si’ lembra que o costume de esbanjar e jogar fora alcançou níveis inauditos”.
A água potável e limpa, segundo lembra a rádio citando o papa nesse documento, “representa uma questão de importância principal, porque é indispensável para a vida humana e para sustentar os ecossistemas terrestres e aquáticos”.
O anúncio do Vaticano foi feito após a decisão de restringir o fornecimento de água a Roma a partir do lago de Bracciano, ao norte da capital, devido à queda em seu nível de abastecimento.
A falta de água já afeta dois terços da superfície cultivável da Itália, onde dez regiões pediram o reconhecimento do “estado de calamidade” e as perdas em agricultura e gado já alcançam 2 bilhões de euros, segundo dados oficiais divulgados na terça.
G1