MPF diz que Cabral recebeu quase R$ 145 milhões de propina em esquema no transporte do RJ

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral foi denunciado mais duas vezes pelo Ministério Público Federal por centenas de crimes de lavagem de dinheiro, contra o sistema financeiro e organização criminosa. De acordo com o órgão, há provas de que, a partir da “caixinha de propina”, 26 empresas de ônibus fizeram repasses a políticos de mais de R$ 250 milhões entre janeiro de 2013 a fevereiro de 2016. Além de Cabral, outras 23 pessoas também foram denunciadas.
As investigações apontaram que a propina da Fetranspor destinou R$ 144,7 milhões para Cabral entre julho de 2010 e outubro de 2016, além de R$ 43,4 milhões de julho de 2010 a fevereiro de 2016 ao ex-presidente do Departamento de Transportes Rodoviário do Estado do Rio de Janeiro (Detro) Rogério Onofre.
De acordo com a denúncia, os crimes contaram com a participação decisiva da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado, que reúne 10 sindicatos, como o Rio Ônibus.
Para o Ministério Público, já ficou comprovado que o dano causado pela organização criminosa liderada pelo ex-governador é enorme. “Desde a Calicute, nós avançamentos muito nessa definição da extensão do dano causado pela organização criminosa chefiada por Cabral. De fato, fica difícil imaginar o final. Basta ver no organograma da administração pública. Nós fizemos a Operação Fratura Exposta, da Secretaria de Saúde, agora na Secretaria de Transportes, de Obras, a administração como um todo parece que a ainda há muita coisa a ser feita”, afirmou o procurador da república Leonardo de Freitas.
Agora, o ex-governador já é denunciado em 14 processos, sendo que em um deles, já foi condenado a 14 anos e 2 meses de prisão. As outras 13 denúncias ainda serão julgados.
A Força-Tarefa da Lava Jato ainda pediu que, junto com a condenação dos denunciados, a Justiça determine o bloqueio de pelo menos R$ 520 milhões para reparar os danos causados pela organização com esses crimes.
Com os repasses, empresários como José Carlos lavouras, Jacob Barata Filho, Lélis Teixeira, Marcelo Traça e João Augusto Monteiro garantiam a hegemonia no setor de transportes, benefícios na política tarifária e de gestão desse serviço público.
Ainda de acordo com a denúncia, para desviar recursos e remetê-los ao exterior, a organização se estruturou em quatro núcleos interdependentes: econômico (donos de empresas de ônibus à frente da Fetranspor); administrativo (gestores do Estado que pediam vantagens indevidas pagas por empresários); financeiro-operacional (responsáveis por operações para lavar ativos); e político (ex-governador e líder da organização).
A propina era recolhida nas garagens das empresas de ônibus e, muitas vezes, guardadas em transportadoras de valores. Entre os fatos narrados na denúncia estão a concessão do aumento das passagens de ônibus intermunicipais em 7,05% e o desconto de 50% no IPVA das empresas de ônibus em janeiro de 2014.

Confira a lista dos denunciados:
• Sérgio de Oliveira Cabral Santos Filho
• José Carlos Reis Lavouras
• Jacob Barata Filho
• Lélis Marcos Teixeira
• Marcelo Traça Gonçalves
• João Augusto Morais Monteiro
• Álvaro José Galliez Novis
• Edimar Moreira Dantas
• Rogério Onofre de Oliveira
• Cláudio Sá Garcia de Freitas
• Dayse Deborah Alexandra Neves
• Alexsander Luiz de Queiroz Silva
• Bernardo Lederman Zajd
• Carlos Emanuel de Carvalho Miranda
• Luiz Carlos Bezerra
• Márcio Marques Pereira Miranda
• David Augusto da Câmara Sampaio
• Eneas da Silva Bueno
• Octacílio de Almeida Monteiro
• Carlos Roberto Alves
• Regina de Fátima Pinto Antonio
• Eni da Silva Gulineli
• Claudia da Silva Souza Ferreira
• Francisca da Silva Medeiros

G1

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral foi denunciado mais duas vezes pelo Ministério Público Federal por centenas de crimes de lavagem de dinheiro, contra o sistema financeiro e organização criminosa. De acordo com o órgão, há provas de que, a partir da “caixinha de propina”, 26 empresas de ônibus fizeram repasses a políticos de mais de R$ 250 milhões entre janeiro de 2013 a fevereiro de 2016. Além de Cabral, outras 23 pessoas também foram denunciadas.
As investigações apontaram que a propina da Fetranspor destinou R$ 144,7 milhões para Cabral entre julho de 2010 e outubro de 2016, além de R$ 43,4 milhões de julho de 2010 a fevereiro de 2016 ao ex-presidente do Departamento de Transportes Rodoviário do Estado do Rio de Janeiro (Detro) Rogério Onofre.
De acordo com a denúncia, os crimes contaram com a participação decisiva da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado, que reúne 10 sindicatos, como o Rio Ônibus.
Para o Ministério Público, já ficou comprovado que o dano causado pela organização criminosa liderada pelo ex-governador é enorme. “Desde a Calicute, nós avançamentos muito nessa definição da extensão do dano causado pela organização criminosa chefiada por Cabral. De fato, fica difícil imaginar o final. Basta ver no organograma da administração pública. Nós fizemos a Operação Fratura Exposta, da Secretaria de Saúde, agora na Secretaria de Transportes, de Obras, a administração como um todo parece que a ainda há muita coisa a ser feita”, afirmou o procurador da república Leonardo de Freitas.
Agora, o ex-governador já é denunciado em 14 processos, sendo que em um deles, já foi condenado a 14 anos e 2 meses de prisão. As outras 13 denúncias ainda serão julgados.
A Força-Tarefa da Lava Jato ainda pediu que, junto com a condenação dos denunciados, a Justiça determine o bloqueio de pelo menos R$ 520 milhões para reparar os danos causados pela organização com esses crimes.
Com os repasses, empresários como José Carlos lavouras, Jacob Barata Filho, Lélis Teixeira, Marcelo Traça e João Augusto Monteiro garantiam a hegemonia no setor de transportes, benefícios na política tarifária e de gestão desse serviço público.
Ainda de acordo com a denúncia, para desviar recursos e remetê-los ao exterior, a organização se estruturou em quatro núcleos interdependentes: econômico (donos de empresas de ônibus à frente da Fetranspor); administrativo (gestores do Estado que pediam vantagens indevidas pagas por empresários); financeiro-operacional (responsáveis por operações para lavar ativos); e político (ex-governador e líder da organização).
A propina era recolhida nas garagens das empresas de ônibus e, muitas vezes, guardadas em transportadoras de valores. Entre os fatos narrados na denúncia estão a concessão do aumento das passagens de ônibus intermunicipais em 7,05% e o desconto de 50% no IPVA das empresas de ônibus em janeiro de 2014.

Confira a lista dos denunciados:
• Sérgio de Oliveira Cabral Santos Filho
• José Carlos Reis Lavouras
• Jacob Barata Filho
• Lélis Marcos Teixeira
• Marcelo Traça Gonçalves
• João Augusto Morais Monteiro
• Álvaro José Galliez Novis
• Edimar Moreira Dantas
• Rogério Onofre de Oliveira
• Cláudio Sá Garcia de Freitas
• Dayse Deborah Alexandra Neves
• Alexsander Luiz de Queiroz Silva
• Bernardo Lederman Zajd
• Carlos Emanuel de Carvalho Miranda
• Luiz Carlos Bezerra
• Márcio Marques Pereira Miranda
• David Augusto da Câmara Sampaio
• Eneas da Silva Bueno
• Octacílio de Almeida Monteiro
• Carlos Roberto Alves
• Regina de Fátima Pinto Antonio
• Eni da Silva Gulineli
• Claudia da Silva Souza Ferreira
• Francisca da Silva Medeiros

G1