Corpo de Paulo Silvino é velado no Memorial do Carmo, Rio

silvinoParentes, amigos e fãs do ator Paulo Silvino participam, desde o início da manhã desta sexta-feira (18), do velório do humorista no Memorial do Carmo, na Zona Portuária do Rio. A cerimônia foi aberta ao público às 9h e está prevista até as 12h. Às 14h, o corpo será levado para cremação. Silvino morreu na quinta-feira (17), após luta contra um câncer.
Segundo a família, Silvino chegou a ser submetido a uma cirurgia no ano passado, mas o câncer se espalhou e a opção da família foi que ele fizesse o tratamento em casa.
Giseli Silvino, casada com o ator nos últimos 14 anos, contou que ele deu o último suspiro em seus braços. A viúva disse que Paulo Silvino começou a passar mal por volta das 7h e que foi orientada pelo médico a fazer massagem cardíaca. Antes de a ambulância chegar, no entanto, o ator morreu.
“Até ali [no caixão], ele está bem. Parece que toda hora vai fazer uma brincadeira, como ele fez comigo. Pra mim, foi muito traumático tudo. Ele morreu nos meus braços. Às 7h ele começou a passar mal, ligamos pro medico e ele mandou botar ele no chão e fazer massagem cardíaca. Eu tentei até chegar a ambulância. Ele deu o último suspiro no meu braço”, contou a viúva.
Em redes sociais, o filho mais novo do ator, João Paulo Silvino, lamentou a morte do pai. “Que Deus te receba de braços abertos meu pai amado”.
“Esses últimos dias o médico falou: ‘cuidado para ele não bronquioaspirar’. Então eu passava no quarto, ele estava com o olho fechado, aí ele: ‘estou bem’. Eu levava um susto e eu falava ‘ah, que bom!’. E aqui, quando eu entrei, a impressão que dá é que ele vai fazer isso toda hora, e não vai”, disse a viúva Giseli.
A filha Isabela lembrou dos últimos momentos do pai. “Ele estava muito fraco, não estava se sentindo muito bem, falava muito que estava cansado. O câncer é uma doença que devasta não só o paciente, ele devasta todos nós. Eu fiquei e estou muito mal de cansada. Mas a parte boa é que ele trouxe muita coisa bonita, muito resgate nosso de amor, de carinho. Trouxe cada mensagem tão linda sobre Deus, o universo e que isso aqui é mesmo uma passagem. A gente precisa aproveitar isso aqui. Como é bom viver”, afirmou.
“A perda é enorme, mas graças a Deus meu pai era uma pessoa pública e todo o trabalho dele ficou registrado. Ele não foi apenas mais um cara que passou por aqui, os grandes momentos dele vão ficar”, disse Flávio Silvino, o filho mais velho.
“Ele lutou bastante. Fez uma cirurgia não tem muito tempo e, graças a Deus, conseguiu ficar um pouco mais com a gente. Ele foi tudo na minha vida e na vida dos meus irmãos”, lamentou o filho mais novo, João Paulo.
Os amigos também lamentaram a morte de Silvino. “Um dia triste. O Paulo Silvino é um super artista. A gente falando aqui nesses tempos de Pop Star (programa dominical da TV Globo), é bom lembrar que o Paulo Silvino foi um dos primeiros pop star do Brasil, um dos primeiros atores que cantava, teve disco gravado na época da Jovem Guarda, foi roqueiro, quer dizer, foi um homem de mil facetas. E pra mim, em especial, ele foi uma espécie de padrinho porque minha primeira aparição na TV foi junto dele no Balança Mais Não Cai e eu tinha só oito anos de idade. Quero mandar meus sentimentos para a família”, disse o amigo e também ator Lúcio Mauro Filho.
O artista estreou na TV Globo em 1966, apresentando o Canal 0, programa humorístico que satirizava a programação das emissoras de TV.
Paulo Ricardo Campos Silvino cresceu nas coxias do teatro e nos bastidores da rádio. Isso porque seu pai, o comediante Silvério Silvino Neto, conhecido por realizar paródias de figuras públicas no Brasil dos anos 1940 e 1950, levava o menino para acompanhar seu trabalho. Paulo Silvino também mostrava talento para a música, revelado durante as aulas que tinha com a mãe, a pianista e professora Noêmia Campos Silvino.
“Eu nasci nisso. Com seis, sete anos de idade, frequentava os teatros de revista nos quais o papai participava. Ele contracenava com pessoas que vieram a ser meus colegas depois, como o Costinha, a Dercy Gonçalves.”, disse o ator em entrevista ao Memória Globo.
G1
silvinoParentes, amigos e fãs do ator Paulo Silvino participam, desde o início da manhã desta sexta-feira (18), do velório do humorista no Memorial do Carmo, na Zona Portuária do Rio. A cerimônia foi aberta ao público às 9h e está prevista até as 12h. Às 14h, o corpo será levado para cremação. Silvino morreu na quinta-feira (17), após luta contra um câncer.
Segundo a família, Silvino chegou a ser submetido a uma cirurgia no ano passado, mas o câncer se espalhou e a opção da família foi que ele fizesse o tratamento em casa.
Giseli Silvino, casada com o ator nos últimos 14 anos, contou que ele deu o último suspiro em seus braços. A viúva disse que Paulo Silvino começou a passar mal por volta das 7h e que foi orientada pelo médico a fazer massagem cardíaca. Antes de a ambulância chegar, no entanto, o ator morreu.
“Até ali [no caixão], ele está bem. Parece que toda hora vai fazer uma brincadeira, como ele fez comigo. Pra mim, foi muito traumático tudo. Ele morreu nos meus braços. Às 7h ele começou a passar mal, ligamos pro medico e ele mandou botar ele no chão e fazer massagem cardíaca. Eu tentei até chegar a ambulância. Ele deu o último suspiro no meu braço”, contou a viúva.
Em redes sociais, o filho mais novo do ator, João Paulo Silvino, lamentou a morte do pai. “Que Deus te receba de braços abertos meu pai amado”.
“Esses últimos dias o médico falou: ‘cuidado para ele não bronquioaspirar’. Então eu passava no quarto, ele estava com o olho fechado, aí ele: ‘estou bem’. Eu levava um susto e eu falava ‘ah, que bom!’. E aqui, quando eu entrei, a impressão que dá é que ele vai fazer isso toda hora, e não vai”, disse a viúva Giseli.
A filha Isabela lembrou dos últimos momentos do pai. “Ele estava muito fraco, não estava se sentindo muito bem, falava muito que estava cansado. O câncer é uma doença que devasta não só o paciente, ele devasta todos nós. Eu fiquei e estou muito mal de cansada. Mas a parte boa é que ele trouxe muita coisa bonita, muito resgate nosso de amor, de carinho. Trouxe cada mensagem tão linda sobre Deus, o universo e que isso aqui é mesmo uma passagem. A gente precisa aproveitar isso aqui. Como é bom viver”, afirmou.
“A perda é enorme, mas graças a Deus meu pai era uma pessoa pública e todo o trabalho dele ficou registrado. Ele não foi apenas mais um cara que passou por aqui, os grandes momentos dele vão ficar”, disse Flávio Silvino, o filho mais velho.
“Ele lutou bastante. Fez uma cirurgia não tem muito tempo e, graças a Deus, conseguiu ficar um pouco mais com a gente. Ele foi tudo na minha vida e na vida dos meus irmãos”, lamentou o filho mais novo, João Paulo.
Os amigos também lamentaram a morte de Silvino. “Um dia triste. O Paulo Silvino é um super artista. A gente falando aqui nesses tempos de Pop Star (programa dominical da TV Globo), é bom lembrar que o Paulo Silvino foi um dos primeiros pop star do Brasil, um dos primeiros atores que cantava, teve disco gravado na época da Jovem Guarda, foi roqueiro, quer dizer, foi um homem de mil facetas. E pra mim, em especial, ele foi uma espécie de padrinho porque minha primeira aparição na TV foi junto dele no Balança Mais Não Cai e eu tinha só oito anos de idade. Quero mandar meus sentimentos para a família”, disse o amigo e também ator Lúcio Mauro Filho.
O artista estreou na TV Globo em 1966, apresentando o Canal 0, programa humorístico que satirizava a programação das emissoras de TV.
Paulo Ricardo Campos Silvino cresceu nas coxias do teatro e nos bastidores da rádio. Isso porque seu pai, o comediante Silvério Silvino Neto, conhecido por realizar paródias de figuras públicas no Brasil dos anos 1940 e 1950, levava o menino para acompanhar seu trabalho. Paulo Silvino também mostrava talento para a música, revelado durante as aulas que tinha com a mãe, a pianista e professora Noêmia Campos Silvino.
“Eu nasci nisso. Com seis, sete anos de idade, frequentava os teatros de revista nos quais o papai participava. Ele contracenava com pessoas que vieram a ser meus colegas depois, como o Costinha, a Dercy Gonçalves.”, disse o ator em entrevista ao Memória Globo.
G1