Assembleia comemora 30 anos do Programa de Aleitamento Materno da Paraíba

A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) realizou, nesta sexta-feira (18), Sessão Especial em comemoração aos 30 anos do Programa de Aleitamento Materno da Paraíba. A deputada Estela Bezerra, autora da propositura, disse que a comemoração desses 30 anos fortalece um ato natural e de preservação à saúde da criança.
Os bancos de leite, de acordo com a deputada Estela Bezerra, surgiram com o intuito de reduzir a mortalidade infantil no país e fortalecer o vínculo entre as mães e seus filhos. “O banco de leite é uma estratégia de enfrentamento da mortalidade infantil. O Brasil tinha indicadores muito altos de mortalidade materna e baixa cobertura de amamentação. Muitas vezes as mães tinham bastante leite e outras não tinham ofertas de leite, por isso começou a idéia deste banco, que é um banco de solidariedade”, disse Estela. A deputada destacou que o Banco de Leite da Paraíba possui a rede mais estruturada do Nordeste, e a terceira maior do Brasil, resultando na maior redução de mortalidade infantil da região. “Os 30 anos do Banco de Leite da Paraíba precisam ser celebrados, pois dentre outras coisas, é o vetor principal dos fortalecimentos dos melhores indicadores do nosso país e a mortalidade infantil é um indicador agregado de desenvolvimento”, explicou a deputada.
A diretora do Banco de Leite da Paraíba, Thaís Ribeiro, declarou que a homenagem, além de justa, é o reconhecimento do trabalho e do esforço para incentivar o aleitamento materno. “Mesmo com todas as dificuldades e preconceitos com as mulheres, os bancos de leite da Paraíba se esforçaram para incentivar o aleitamento materno nas comunidades, nos locais de trabalho, com a população indígena e com a população carcerária feminina”, disse Thaís. A diretora acrescentou ainda que, através do empenho dos profissionais e da solidariedade das doadoras, o programa fez com que os índices de aleitamento materno crescessem no estado, diminuindo a mortalidade infantil. “Foram mais de 11 mil visitas domiciliares, através da Rota Domiciliar. Só no ano de 2016 foram mais de 11 mil casas visitadas e mais de 90 mil mulheres assistidas pelos equipamentos de bancos e coletas do estado”, declarou Thaís Ribeiro.
Roseane Mendes Tavares, mãe da Paloma Daniele, de apenas 9 meses, é doadora do Programa de Aleitamento Materno. Ela classificou o ato de doar como nobre e ressaltou que é um privilégio ajudar outras mães e suas crianças. “Fico maravilhada com esse simples ato de poder doar o leite. É muito bom ajudar crianças que estão com baixo peso, ou prematuras, e vê-las crescendo de forma saudáveis”, afirmou.
Maria Cilene Gomes de Sá é uma das mães beneficiadas com o leite doado através do programa. Ela disse que este ato de solidariedade foi de extrema importância para o seu filho André Luís, de 2 anos, que por complicações durante o parto, foi direto para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI). “Ele nasceu praticamente sem vida e foi direto para UTI. Devido a esta tensão, não produzi o leite suficiente para ele. Graças a esse serviço de aleitamento materno na Maternidade Frei Damião, as mães podem ir até lá doarem seus excessos de leite, que foram de extrema importância para a vida dele”. André ficou entubado durante 47 dias, recebendo leite de outras mães.
A Sessão Especial contou também com a presença da vereadora de João Pessoa, Sandra Marrocos; da coordenadora do Banco de Leite de Cajazeiras, Maria do Socorro Guedes; da gerente executiva de Atenção à Saúde, Patrícia de Melo Assunção; da diretora geral do Hospital de Belém, Ildevânia de Souza Rodrigues; da diretora geral do Hospital de Itapororoca, Thaís Mendes; da coordenadora da Maternidade Cândida Vargas, Daniele Maciel; do coordenador de Saúde da Pessoa com Deficiência, Hélio Soares; da diretora Geral do Hospital de Queimadas, Samara Farias Aguiar; do diretor Geral do hospital de Serraria, Antônio Rocha da Fonseca; e da diretora geral do Hospital de Itabaiana, Gilvânia Alves.

A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) realizou, nesta sexta-feira (18), Sessão Especial em comemoração aos 30 anos do Programa de Aleitamento Materno da Paraíba. A deputada Estela Bezerra, autora da propositura, disse que a comemoração desses 30 anos fortalece um ato natural e de preservação à saúde da criança.
Os bancos de leite, de acordo com a deputada Estela Bezerra, surgiram com o intuito de reduzir a mortalidade infantil no país e fortalecer o vínculo entre as mães e seus filhos. “O banco de leite é uma estratégia de enfrentamento da mortalidade infantil. O Brasil tinha indicadores muito altos de mortalidade materna e baixa cobertura de amamentação. Muitas vezes as mães tinham bastante leite e outras não tinham ofertas de leite, por isso começou a idéia deste banco, que é um banco de solidariedade”, disse Estela. A deputada destacou que o Banco de Leite da Paraíba possui a rede mais estruturada do Nordeste, e a terceira maior do Brasil, resultando na maior redução de mortalidade infantil da região. “Os 30 anos do Banco de Leite da Paraíba precisam ser celebrados, pois dentre outras coisas, é o vetor principal dos fortalecimentos dos melhores indicadores do nosso país e a mortalidade infantil é um indicador agregado de desenvolvimento”, explicou a deputada.
A diretora do Banco de Leite da Paraíba, Thaís Ribeiro, declarou que a homenagem, além de justa, é o reconhecimento do trabalho e do esforço para incentivar o aleitamento materno. “Mesmo com todas as dificuldades e preconceitos com as mulheres, os bancos de leite da Paraíba se esforçaram para incentivar o aleitamento materno nas comunidades, nos locais de trabalho, com a população indígena e com a população carcerária feminina”, disse Thaís. A diretora acrescentou ainda que, através do empenho dos profissionais e da solidariedade das doadoras, o programa fez com que os índices de aleitamento materno crescessem no estado, diminuindo a mortalidade infantil. “Foram mais de 11 mil visitas domiciliares, através da Rota Domiciliar. Só no ano de 2016 foram mais de 11 mil casas visitadas e mais de 90 mil mulheres assistidas pelos equipamentos de bancos e coletas do estado”, declarou Thaís Ribeiro.
Roseane Mendes Tavares, mãe da Paloma Daniele, de apenas 9 meses, é doadora do Programa de Aleitamento Materno. Ela classificou o ato de doar como nobre e ressaltou que é um privilégio ajudar outras mães e suas crianças. “Fico maravilhada com esse simples ato de poder doar o leite. É muito bom ajudar crianças que estão com baixo peso, ou prematuras, e vê-las crescendo de forma saudáveis”, afirmou.
Maria Cilene Gomes de Sá é uma das mães beneficiadas com o leite doado através do programa. Ela disse que este ato de solidariedade foi de extrema importância para o seu filho André Luís, de 2 anos, que por complicações durante o parto, foi direto para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI). “Ele nasceu praticamente sem vida e foi direto para UTI. Devido a esta tensão, não produzi o leite suficiente para ele. Graças a esse serviço de aleitamento materno na Maternidade Frei Damião, as mães podem ir até lá doarem seus excessos de leite, que foram de extrema importância para a vida dele”. André ficou entubado durante 47 dias, recebendo leite de outras mães.
A Sessão Especial contou também com a presença da vereadora de João Pessoa, Sandra Marrocos; da coordenadora do Banco de Leite de Cajazeiras, Maria do Socorro Guedes; da gerente executiva de Atenção à Saúde, Patrícia de Melo Assunção; da diretora geral do Hospital de Belém, Ildevânia de Souza Rodrigues; da diretora geral do Hospital de Itapororoca, Thaís Mendes; da coordenadora da Maternidade Cândida Vargas, Daniele Maciel; do coordenador de Saúde da Pessoa com Deficiência, Hélio Soares; da diretora Geral do Hospital de Queimadas, Samara Farias Aguiar; do diretor Geral do hospital de Serraria, Antônio Rocha da Fonseca; e da diretora geral do Hospital de Itabaiana, Gilvânia Alves.