Aluno que deu soco em professora já tinha agredido a mãe

A Promotoria de Justiça de Indaial informou que o aluno de 15 anos suspeito de dar um soco na professora Marcia Friggi, de 51 anos, tem histórico de violência doméstica e envolvimento com drogas, bem como passagens por agressão.
“O Ministério Público avalia que, confirmada essas acusações [agressão a professora e histórico de violência], seja possível postular uma internação”, disse a promotora de Justiça de Indaial, Patrícia Tramontim.
Na segunda-feira (21), dia da agressão, a professora fez boletim de ocorrência contra o estudante. Ela disse à polícia que o caso ocorreu na sala da direção de uma escola municipal de Indaial após ela chamar a atenção do aluno. Segundo ela, o soco foi forte o suficiente para jogá-la contra a parede.
Ainda segudo a promotora, para a solicitação de internação é preciso aguardar que a Polícia Civil repasse as informações finais do caso. Na terça (22), o delegado responsável pelo caso, José Klock, afirmou que quer concluir o inquérito até o final da semana.
De acordo com o Ministério Público, o adolescente já teve que prestar serviços a comunidade e teve outros atos infracionais.
“Em casos de lesão corporal costuma-se por padrão nessa promotoria pedir a prestação de serviço comunitário. O que temos como agravante neste caso é a reincidência, esse histórico de desrespeito tanto na família, como no colégio”, diz a promotora.
G1

A Promotoria de Justiça de Indaial informou que o aluno de 15 anos suspeito de dar um soco na professora Marcia Friggi, de 51 anos, tem histórico de violência doméstica e envolvimento com drogas, bem como passagens por agressão.
“O Ministério Público avalia que, confirmada essas acusações [agressão a professora e histórico de violência], seja possível postular uma internação”, disse a promotora de Justiça de Indaial, Patrícia Tramontim.
Na segunda-feira (21), dia da agressão, a professora fez boletim de ocorrência contra o estudante. Ela disse à polícia que o caso ocorreu na sala da direção de uma escola municipal de Indaial após ela chamar a atenção do aluno. Segundo ela, o soco foi forte o suficiente para jogá-la contra a parede.
Ainda segudo a promotora, para a solicitação de internação é preciso aguardar que a Polícia Civil repasse as informações finais do caso. Na terça (22), o delegado responsável pelo caso, José Klock, afirmou que quer concluir o inquérito até o final da semana.
De acordo com o Ministério Público, o adolescente já teve que prestar serviços a comunidade e teve outros atos infracionais.
“Em casos de lesão corporal costuma-se por padrão nessa promotoria pedir a prestação de serviço comunitário. O que temos como agravante neste caso é a reincidência, esse histórico de desrespeito tanto na família, como no colégio”, diz a promotora.
G1