Sindicato pede ao MPT para intermediar situação dos trabalhadores demetidos das farmácias populares

O Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Campina Grande e Região, solicitou ao Ministério público do Trabalho (MPT), uma mediação para resolver a situação trabalhista dos funcionários que perderam seus empregos nesta cidade, quando o governo decidiu fechar as farmácias do programa popular que são mantidas com recursos federais.

De acordo com o presidente do Sindicato, José do Nascimento Coelho, os trabalhadores, que tinham 11 anos no respectivo emprego, foram demitidos sem receber qualquer direito trabalhista, num total desrespeito à Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Esta mesma situação, conforme Coelho, aconteceu com os trabalhadores do Programa  Fome Zero, que ainda hoje esperam uma solução por parte do poder público  municipal, no que diz respeito ao recebimento de suas verbas rescisórias.
Texto: Ascom  Sindicomerciários

O Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Campina Grande e Região, solicitou ao Ministério público do Trabalho (MPT), uma mediação para resolver a situação trabalhista dos funcionários que perderam seus empregos nesta cidade, quando o governo decidiu fechar as farmácias do programa popular que são mantidas com recursos federais.

De acordo com o presidente do Sindicato, José do Nascimento Coelho, os trabalhadores, que tinham 11 anos no respectivo emprego, foram demitidos sem receber qualquer direito trabalhista, num total desrespeito à Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Esta mesma situação, conforme Coelho, aconteceu com os trabalhadores do Programa  Fome Zero, que ainda hoje esperam uma solução por parte do poder público  municipal, no que diz respeito ao recebimento de suas verbas rescisórias.
Texto: Ascom  Sindicomerciários