Morre vigilante baleado em assalto na porta de escola em João Pessoa

fabioO Hospital de Emergência e Trauma confirmou na tarde deste sábado (2) a morte do segurança Fábio Alves de Lima, de 38 anos, que foi baleado ao tentar impedir um assalto em frente a uma escola no Bairro dos Estados, em João Pessoa, nessa sexta-feira (1º). O óbito foi confirmado pela equipe médica por volta das 15h e o corpo foi transferido para o Instituto de Polícia Científica (IPC).
Pela manhã, os médicos chegaram a iniciar o protocolo para detecção de morte encefálica, mas o segurança teve uma piora no início da tarde e não resistiu. Fábio Alves foi baleado no início da manhã dessa sexta, quando tentou impedir que um homem assaltasse a mãe de uma aluna, que chegava para deixar a filha na escola em que o segurança trabalhava, na Capital.
Ao ver o assalto e o desespero, tanto da mãe quanto da criança, Fábio correu por trás do assaltante e tentou imobilizá-lo, mas não conseguiu. Em meio à luta corporal, o homem, que tinha um revólver na mão, apontou a arma para traz e atirou, acertando a cabeça do segurança, que caiu desacordado.
Após atirar, o bandido correu e pulou na garupa de uma moto, pilotada por outro homem, que dava voltas no local, aguardando a conclusão do roubo. Fábio foi socorrido para o Hospital de Trauma e passou por uma cirurgia de urgência, mas, desde então, o quadro clínico era considerado grave.
Enquanto o segurança esteve hospitalizado, houve uma grande mobilização feita pelas redes sociais e dezenas de pessoas foram até o Hemocentro da Paraíba para doar sangue, na tentativa de salvar a vida de Fábio.
Investigação
O atentado contra o segurança provocou uma grande mobilização da polícia, ao longo da sexta-feira. À noite, a Polícia Militar conseguiu encontrar a moto utilizada no assalto e chegou a perseguir o que poderiam ser os dois suspeitos, mas não conseguiu prendê-los. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios da Capital. Denúncias sobre a possível localização de suspeitos podem ser passadas para a polícia, de forma anônima, através dos telefones 190 e 197.
fabioO Hospital de Emergência e Trauma confirmou na tarde deste sábado (2) a morte do segurança Fábio Alves de Lima, de 38 anos, que foi baleado ao tentar impedir um assalto em frente a uma escola no Bairro dos Estados, em João Pessoa, nessa sexta-feira (1º). O óbito foi confirmado pela equipe médica por volta das 15h e o corpo foi transferido para o Instituto de Polícia Científica (IPC).
Pela manhã, os médicos chegaram a iniciar o protocolo para detecção de morte encefálica, mas o segurança teve uma piora no início da tarde e não resistiu. Fábio Alves foi baleado no início da manhã dessa sexta, quando tentou impedir que um homem assaltasse a mãe de uma aluna, que chegava para deixar a filha na escola em que o segurança trabalhava, na Capital.
Ao ver o assalto e o desespero, tanto da mãe quanto da criança, Fábio correu por trás do assaltante e tentou imobilizá-lo, mas não conseguiu. Em meio à luta corporal, o homem, que tinha um revólver na mão, apontou a arma para traz e atirou, acertando a cabeça do segurança, que caiu desacordado.
Após atirar, o bandido correu e pulou na garupa de uma moto, pilotada por outro homem, que dava voltas no local, aguardando a conclusão do roubo. Fábio foi socorrido para o Hospital de Trauma e passou por uma cirurgia de urgência, mas, desde então, o quadro clínico era considerado grave.
Enquanto o segurança esteve hospitalizado, houve uma grande mobilização feita pelas redes sociais e dezenas de pessoas foram até o Hemocentro da Paraíba para doar sangue, na tentativa de salvar a vida de Fábio.
Investigação
O atentado contra o segurança provocou uma grande mobilização da polícia, ao longo da sexta-feira. À noite, a Polícia Militar conseguiu encontrar a moto utilizada no assalto e chegou a perseguir o que poderiam ser os dois suspeitos, mas não conseguiu prendê-los. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios da Capital. Denúncias sobre a possível localização de suspeitos podem ser passadas para a polícia, de forma anônima, através dos telefones 190 e 197.