Homem é preso por ejacular no braço de mulher grávida no Recife, mas já foi liberado

Um homem foi detido sob suspeita de abusar sexualmente uma mulher grávida de quatro meses dentro de um ônibus, em Camaragibe, no Grande Recife, na terça-feira (5). Segundo a Polícia Militar, o homem ejaculou no braço da mulher e, por pouco, não foi espancado pela população. Ele foi indiciado por estupro, mas liberado após audiência de custódia realizada nesta quarta-feira (6).
O crime ocorreu no Terminal Integrado de Camaragibe, no bairro do Timbi, na Avenida Belmiro Correia, na noite da terça-feira (5). Segundo a PM, a vítima tem 27 anos e afirmou estar no coletivo quando o acusado se aproximou e ofereceu uma goma de mascar, que foi rejeitada.
“Ele tentou segurar a vítima, para que ela não pudesse denunciar o abuso. Quando ela gritou e pediu ajuda aos vigilantes, ele alegou que estava com uma garrafa de água, dentro da mochila, e acabou molhando a vítima. Ela, no entanto, diz ter sentido um líquido quente e que o suspeito ainda estava com a genitália à mostra, masturbando-se”, disse o delegado Ricardo Cysneiros, que registrou a ocorrência.
Após passar por audiência de custódia, na manhã desta quarta-feira (6), o suspeito, de 23 anos, foi liberado pela juíza Roberta Barcala, do Fórum de Jaboatão, e vai responder pelo crime de estupro, segundo Cysneiros. O líquido encontrado no braço da vítima foi encaminhado para perícia, para confirmar se era esperma.
“Ela disse que não é a primeira vez que sofreu algum tipo de abuso, dentro de ônibus e terminais, mas nunca registrou boletim de ocorrência. Agora, no entanto, disse que mesmo cansada preferiu ir, por ter se sentido intimidada pelo suspeito. Ela estava na parte traseira do ônibus e acabou ficando sozinha com o suspeito, que tentou impedi-la de descer”, disse o delegado.
No momento da ocorrência, com o suspeito, que trabalha como ambulante, foram encontrados dois pacotes de maconha. Ele será indiciado por posse, porque a quantidade da droga era pequena demais para configurar tráfico, segundo o policial.
Justificativa
Por meio de nota, o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) justificou os procedimentos adotados no caso do suspeito de abusar sexualmente de uma grávida em um ônibus. O tribunal informou que ele foi autuado na Central de Flagrantes de Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife. Após prestar depoimento, o Ministério Público requereu a homologação do flagrante e a conversão da prisão em concessão de liberdade provisória, com adoção de medidas cautelares.
Segundo o TJPE, a juíza Roberta Barcala Batista Coutinho fundamentou a decisão no fato de o réu ser primário, registrar bons antecedentes, bem como residir no mesmo endereço desde o nascimento. Além disso, afirma o tribunal, o crime não ficou configurado, a princípio, pela ausência no relato da vítima a respeito de ameaça ou violência.
o TJPE informou, ainda, que o suspeito responderá em liberdade, com a obediência das seguintes medidas: não mudar de residência, ou ausentar-se da Região Metropolitana de Recife por mais de oito dias sem prévia comunicação à autoridade processante; e comparecimento mensal ao Juízo do município por fins de comprovar suas atividades exercidas.
G1
Um homem foi detido sob suspeita de abusar sexualmente uma mulher grávida de quatro meses dentro de um ônibus, em Camaragibe, no Grande Recife, na terça-feira (5). Segundo a Polícia Militar, o homem ejaculou no braço da mulher e, por pouco, não foi espancado pela população. Ele foi indiciado por estupro, mas liberado após audiência de custódia realizada nesta quarta-feira (6).
O crime ocorreu no Terminal Integrado de Camaragibe, no bairro do Timbi, na Avenida Belmiro Correia, na noite da terça-feira (5). Segundo a PM, a vítima tem 27 anos e afirmou estar no coletivo quando o acusado se aproximou e ofereceu uma goma de mascar, que foi rejeitada.
“Ele tentou segurar a vítima, para que ela não pudesse denunciar o abuso. Quando ela gritou e pediu ajuda aos vigilantes, ele alegou que estava com uma garrafa de água, dentro da mochila, e acabou molhando a vítima. Ela, no entanto, diz ter sentido um líquido quente e que o suspeito ainda estava com a genitália à mostra, masturbando-se”, disse o delegado Ricardo Cysneiros, que registrou a ocorrência.
Após passar por audiência de custódia, na manhã desta quarta-feira (6), o suspeito, de 23 anos, foi liberado pela juíza Roberta Barcala, do Fórum de Jaboatão, e vai responder pelo crime de estupro, segundo Cysneiros. O líquido encontrado no braço da vítima foi encaminhado para perícia, para confirmar se era esperma.
“Ela disse que não é a primeira vez que sofreu algum tipo de abuso, dentro de ônibus e terminais, mas nunca registrou boletim de ocorrência. Agora, no entanto, disse que mesmo cansada preferiu ir, por ter se sentido intimidada pelo suspeito. Ela estava na parte traseira do ônibus e acabou ficando sozinha com o suspeito, que tentou impedi-la de descer”, disse o delegado.
No momento da ocorrência, com o suspeito, que trabalha como ambulante, foram encontrados dois pacotes de maconha. Ele será indiciado por posse, porque a quantidade da droga era pequena demais para configurar tráfico, segundo o policial.
Justificativa
Por meio de nota, o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) justificou os procedimentos adotados no caso do suspeito de abusar sexualmente de uma grávida em um ônibus. O tribunal informou que ele foi autuado na Central de Flagrantes de Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife. Após prestar depoimento, o Ministério Público requereu a homologação do flagrante e a conversão da prisão em concessão de liberdade provisória, com adoção de medidas cautelares.
Segundo o TJPE, a juíza Roberta Barcala Batista Coutinho fundamentou a decisão no fato de o réu ser primário, registrar bons antecedentes, bem como residir no mesmo endereço desde o nascimento. Além disso, afirma o tribunal, o crime não ficou configurado, a princípio, pela ausência no relato da vítima a respeito de ameaça ou violência.
o TJPE informou, ainda, que o suspeito responderá em liberdade, com a obediência das seguintes medidas: não mudar de residência, ou ausentar-se da Região Metropolitana de Recife por mais de oito dias sem prévia comunicação à autoridade processante; e comparecimento mensal ao Juízo do município por fins de comprovar suas atividades exercidas.
G1