Coreia do Norte promete acelerar programa de armas nucleares após sanções

promessaA Coreia do Norte prometeu acelerar seus programas militares proibidos em resposta às “maléficas” sanções impostas pelo Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) após o sexto teste nuclear do país.
“A adoção de uma ilegal e maléfica nova ‘resolução de sanções’ impulsionadas pelos Estados Unidos constitui uma oportunidade para que a Coreia do Norte comprove que o caminho que escolheu é absolutamente correto”, declarou a chancelaria norte-coreana em um comunicado publicado pela agência oficial KCNA.
A Coreia do Norte “redobrará esforços para incrementar seu poderio e proteger a soberania nacional e o direito a existir”, acrescentou a chancelaria.
O Conselho de Segurança da ONU aprovou na segunda-feira (11), por unanimidade, novas sanções que proíbem as exportações têxteis da Coreia do Norte e restringem seu abastecimento em petróleo e gás.
A chancelaria norte-coreana rejeitou a resolução, classificando-a de “odiosa provocação destinada a privar a Coreia do Norte de seu legítimo direito à autodefesa e a sufocar seu Estado e seu povo através de um bloqueio econômico de grande envergadura”.
A ONU aprovou a resolução impulsionada pelos Estados Unidos e apoiada por China e Rússia um mês depois de adotar outra, que vetava as exportações norte-coreanas de carvão, ferro e mariscos, depois do lançamento – em meados de agosto – de um míssil de médio alcance que sobrevoou o Japão.
Alguns especialistas expressaram ceticismo a respeito do alcance do texto e destacaram que as sanções anteriores não impediram o grande avanço dos programas nuclear e balístico de Pyongyang.
Depois de testar dois mísseis intercontinentais em julho, a Coreia do Norte realizou em 3 de setembro o sexto teste nuclear, o mais importante até o momento. Pyongyang afirmou que usou uma bomba H suficientemente pequena para ser instalada em um míssil.
O site especializado americano 38 North, ligado à Universidade Johns Hopkins, informou nesta quarta-feira que o último teste nuclear da Coreia do Norte teve, “aproximadamente”, a potência de 250 quilotons, mais de 16 vezes a força da bomba que destruiu a cidade japonesa de Hiroshima, em 1945.
O teste foi realizado na semana passada e segundo Pyongyang trata-se de uma bomba de hidrogênio capaz de ser transportada por uma ogiva de míssil.
“Este grande poder explosivo é próximo ao limite atribuído pelo 38 North para o sítio de testes de Punggye-ri”, acrescenta o site.
A Coreia do Sul estimou a potência do último teste em 50 quilotons e o Japão, em 160 quilotons.
Segundo 38 North, imagens de satélite de sexta-feira passada, cinco dias após o teste, revelam atividade nas entradas do túneis em Punggye-ri, incluindo caminhões estacionados e outros equipamentos.
“As obras podem estar mudando o propósito e a capacidade para novos testes nucleares subterrâneos”.
G1

promessaA Coreia do Norte prometeu acelerar seus programas militares proibidos em resposta às “maléficas” sanções impostas pelo Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) após o sexto teste nuclear do país.
“A adoção de uma ilegal e maléfica nova ‘resolução de sanções’ impulsionadas pelos Estados Unidos constitui uma oportunidade para que a Coreia do Norte comprove que o caminho que escolheu é absolutamente correto”, declarou a chancelaria norte-coreana em um comunicado publicado pela agência oficial KCNA.
A Coreia do Norte “redobrará esforços para incrementar seu poderio e proteger a soberania nacional e o direito a existir”, acrescentou a chancelaria.
O Conselho de Segurança da ONU aprovou na segunda-feira (11), por unanimidade, novas sanções que proíbem as exportações têxteis da Coreia do Norte e restringem seu abastecimento em petróleo e gás.
A chancelaria norte-coreana rejeitou a resolução, classificando-a de “odiosa provocação destinada a privar a Coreia do Norte de seu legítimo direito à autodefesa e a sufocar seu Estado e seu povo através de um bloqueio econômico de grande envergadura”.
A ONU aprovou a resolução impulsionada pelos Estados Unidos e apoiada por China e Rússia um mês depois de adotar outra, que vetava as exportações norte-coreanas de carvão, ferro e mariscos, depois do lançamento – em meados de agosto – de um míssil de médio alcance que sobrevoou o Japão.
Alguns especialistas expressaram ceticismo a respeito do alcance do texto e destacaram que as sanções anteriores não impediram o grande avanço dos programas nuclear e balístico de Pyongyang.
Depois de testar dois mísseis intercontinentais em julho, a Coreia do Norte realizou em 3 de setembro o sexto teste nuclear, o mais importante até o momento. Pyongyang afirmou que usou uma bomba H suficientemente pequena para ser instalada em um míssil.
O site especializado americano 38 North, ligado à Universidade Johns Hopkins, informou nesta quarta-feira que o último teste nuclear da Coreia do Norte teve, “aproximadamente”, a potência de 250 quilotons, mais de 16 vezes a força da bomba que destruiu a cidade japonesa de Hiroshima, em 1945.
O teste foi realizado na semana passada e segundo Pyongyang trata-se de uma bomba de hidrogênio capaz de ser transportada por uma ogiva de míssil.
“Este grande poder explosivo é próximo ao limite atribuído pelo 38 North para o sítio de testes de Punggye-ri”, acrescenta o site.
A Coreia do Sul estimou a potência do último teste em 50 quilotons e o Japão, em 160 quilotons.
Segundo 38 North, imagens de satélite de sexta-feira passada, cinco dias após o teste, revelam atividade nas entradas do túneis em Punggye-ri, incluindo caminhões estacionados e outros equipamentos.
“As obras podem estar mudando o propósito e a capacidade para novos testes nucleares subterrâneos”.
G1