Brigadeiro de maconha é apreendido em escola

briga2Uma adolescente de 17 anos foi apreendida no início da noite desta sexta-feira (15) suspeita de vender brigadeiros recheados de maconha dentro de uma escola pública de Brasília. A denúncia foi feita pela própria direção do Centro de Ensino Médio Setor Leste, que funciona na 611/612 Sul, à Polícia Militar. De acordo com a corporação, a jovem assumiu estar cometendo o ato infracional e não resistiu à detenção. Ela é aluna da instituição.
Na hora da abordagem, a garota estava com 40 brigadeiros dentro de uma vasilha plástica e R$ 38,50. Policiais inspecionaram os doces e confirmaram a “mistura”. A PM não soube informar por qual valor cada um era comercializado.
“Os policiais perguntaram para ela há quanto tempo ela estava vendendo, e ela informou que havia duas semanas. Mas disse que só introduziu a maconha nos ingredientes há três dias. Amigos dela teriam dado a dica, e ela decidiu aderir”, disse o cabo Gustavo Rodrigues.
A jovem foi conduzida à Delegacia da Criança e do Adolescente. Os brigadeiros foram levados para perícia da Polícia Civil, que registrou o caso como ato infracional análogo ao tráfico de drogas. O G1 procurou a Secretaria de Educação para comentar o caso, mas não recebeu retorno até a publicação desta reportagem.
G1

briga2Uma adolescente de 17 anos foi apreendida no início da noite desta sexta-feira (15) suspeita de vender brigadeiros recheados de maconha dentro de uma escola pública de Brasília. A denúncia foi feita pela própria direção do Centro de Ensino Médio Setor Leste, que funciona na 611/612 Sul, à Polícia Militar. De acordo com a corporação, a jovem assumiu estar cometendo o ato infracional e não resistiu à detenção. Ela é aluna da instituição.
Na hora da abordagem, a garota estava com 40 brigadeiros dentro de uma vasilha plástica e R$ 38,50. Policiais inspecionaram os doces e confirmaram a “mistura”. A PM não soube informar por qual valor cada um era comercializado.
“Os policiais perguntaram para ela há quanto tempo ela estava vendendo, e ela informou que havia duas semanas. Mas disse que só introduziu a maconha nos ingredientes há três dias. Amigos dela teriam dado a dica, e ela decidiu aderir”, disse o cabo Gustavo Rodrigues.
A jovem foi conduzida à Delegacia da Criança e do Adolescente. Os brigadeiros foram levados para perícia da Polícia Civil, que registrou o caso como ato infracional análogo ao tráfico de drogas. O G1 procurou a Secretaria de Educação para comentar o caso, mas não recebeu retorno até a publicação desta reportagem.
G1