7 momentos em que o Homem de Ferro foi o cara do empreendedorismo

ferroTodo empresário já imaginou fazer um benchmarking (uma espécie de avaliação dos concorrentes para saber o que melhorar na própria empresa) com um dos maiores C.E.O’s do mundo. Google, Apple, GE. Imagine fazer isso com o dono das Indústrias Stark, o famoso Tony Stark. Ele acumula funções invejáveis: além de executivo bem-sucedido, é também o Homem de Ferro. Ou melhor, trabalhou e muito para se tornar o Homem de Ferro.

 

Um dos heróis mais populares nos quadrinhos e no cinema tem muito a ensinar para qualquer empresa. E, se por acaso, o seu negócio precisar de ajuda para colocá-las em prática, não se preocupe. O Instituto Euvaldo Lodi (IEL) sabe direitinho como fazer isso. O IEL conta com programas e diversos serviços que direcionam empresas a lidar melhor com inovação, mudança e relações de mercado, tal qual o Homem de Ferro.

 

Para você se inspirar, separamos 7 momentos em que o Tony Stark deu um show de empreendedorismo e inovação:

 

1. Quando ele foi o engenheiro das cavernas

No primeiro filme, o Tony sobrevive a um ataque, é capturado por vilões e fica preso em uma caverna. Lá ele resolve inventar sua própria tecnologia e constrói uma armadura, batizada de Mark 1, forte o suficiente para escapar. Agora pense em uma empresa que, nessa crise prologanda do Brasil, acaba criando soluções inovadoras e consegue superar a recessão. É um caso bem-sucedido de gestão de inovação: ter planejamento e atuação conciente para permitir que novas ideias apareçam.

 

2. Quando ele aposta em novas tecnologias

Tony aprendeu a lição e resolveu não esperar o próximo sequestro para apostar em novas tecnologias. Logo, a Mark 1 virou Mark 2, 3 e não parou mais. A cada filme, as armaduras voltavam com mais funcionalidades. Com empresas é a mesma coisa. Não dá para esperar a crise chegar para apostar em mudanças. Por isso, investir em pesquisa, inovação e desenvolvimento garante que a sua empresa esteja sempre um passo à frente. Quer saber mais sobre as tendências de inovação que prometem mudar tudo – ou quase tudo – na sua vida? Conheça o projeto Indústria 2027!

 

3. Quando ele revê os negócios. Paz é muito mais legal que guerra, convenhamos.

A venda de armas ia muito bem para as Indústrias Stark. Mas na hora que Tony  percebe o estrago que seus equipamentos causaram, ele anuncia o fim da produção de armamentos e muda completamente a direção dos negócios que herdou do pai. Ele passa a investir em novas tecnologias e em energias renováveis. Pode parecer assustador tentar aplicar isso ao mercado empresarial, mas não custa entender melhor os detalhes de gestão da mudança.

 

4. Quando ele não desiste de um projeto só porque não deu certo na primeira (ou segunda, ou terceira…)

Logo que o gênio, bilionário e filantropo mais querido das telonas saiu da caverna, ele já se dedicou a melhorar sua armadura. E se ele tivesse desistido? Apesar de alguns percalços – alguns carros caríssimos e partes da casa destruídos – ele persistiu. No fim, venceu. Com os negócios, é a mesma coisa. Se um projeto não dá os frutos esperados na primeira vez, vale à pena analisar o que saiu errado e tentar de novo, e de novo e de novo…

 

5. Quando ele não tem medo de grandes desafios

No segundo filme dos Vingadores, o Homem de Ferro enfrenta seu maior desafio, literalmente. O cientista rico precisa enfrentar Hulk, um gigante esmeralda que fica mais forte quanto mais irritado. É claro que ele usa a inteligência e a tecnologia para superar uma tarefa aparentemente impossível. Quando uma empresa se vê em situações como essa, a solução vai surgir com planejamento, pessoas preparadas e gestão sólida. E, claro, um pouco de coragem.

 

6. Quando ele sabe como vender o peixe

Identidade secreta nunca foi uma preocupação de Tony Stark, tanto que no primeiro filme ele mesmo conta tudo para uma plateia de jornalistas. Desde então o Homem de Ferro usa a imagem e o marketing da melhor forma possível, mudando a imagem de vendedor de armas para o vingador mais popular. Com a gestão de uma marca não é diferente: é preciso saber quando e onde se posicionar para que a repercussão seja positiva e para que as pessoas entendam bem a missão e os valores do seu negócio.

 

7. Quando ele tem um Jarvis

Um dos personagens que mais interage com o Homem de Ferro em todos os filmes não é um humano. Em forma de voz tranquila e prestativa, J.A.R.V.I.S é a inteligência artificial que Tony Stark criou para ajudá-lo em todo tipo de tarefa, desde acordar até combater o crime. E os entusiastas dessa tecnologia apostam que, num futuro muito breve, todo mundo terá um J.A.R.V.I.S.

ferroTodo empresário já imaginou fazer um benchmarking (uma espécie de avaliação dos concorrentes para saber o que melhorar na própria empresa) com um dos maiores C.E.O’s do mundo. Google, Apple, GE. Imagine fazer isso com o dono das Indústrias Stark, o famoso Tony Stark. Ele acumula funções invejáveis: além de executivo bem-sucedido, é também o Homem de Ferro. Ou melhor, trabalhou e muito para se tornar o Homem de Ferro.

 

Um dos heróis mais populares nos quadrinhos e no cinema tem muito a ensinar para qualquer empresa. E, se por acaso, o seu negócio precisar de ajuda para colocá-las em prática, não se preocupe. O Instituto Euvaldo Lodi (IEL) sabe direitinho como fazer isso. O IEL conta com programas e diversos serviços que direcionam empresas a lidar melhor com inovação, mudança e relações de mercado, tal qual o Homem de Ferro.

 

Para você se inspirar, separamos 7 momentos em que o Tony Stark deu um show de empreendedorismo e inovação:

 

1. Quando ele foi o engenheiro das cavernas

No primeiro filme, o Tony sobrevive a um ataque, é capturado por vilões e fica preso em uma caverna. Lá ele resolve inventar sua própria tecnologia e constrói uma armadura, batizada de Mark 1, forte o suficiente para escapar. Agora pense em uma empresa que, nessa crise prologanda do Brasil, acaba criando soluções inovadoras e consegue superar a recessão. É um caso bem-sucedido de gestão de inovação: ter planejamento e atuação conciente para permitir que novas ideias apareçam.

 

2. Quando ele aposta em novas tecnologias

Tony aprendeu a lição e resolveu não esperar o próximo sequestro para apostar em novas tecnologias. Logo, a Mark 1 virou Mark 2, 3 e não parou mais. A cada filme, as armaduras voltavam com mais funcionalidades. Com empresas é a mesma coisa. Não dá para esperar a crise chegar para apostar em mudanças. Por isso, investir em pesquisa, inovação e desenvolvimento garante que a sua empresa esteja sempre um passo à frente. Quer saber mais sobre as tendências de inovação que prometem mudar tudo – ou quase tudo – na sua vida? Conheça o projeto Indústria 2027!

 

3. Quando ele revê os negócios. Paz é muito mais legal que guerra, convenhamos.

A venda de armas ia muito bem para as Indústrias Stark. Mas na hora que Tony  percebe o estrago que seus equipamentos causaram, ele anuncia o fim da produção de armamentos e muda completamente a direção dos negócios que herdou do pai. Ele passa a investir em novas tecnologias e em energias renováveis. Pode parecer assustador tentar aplicar isso ao mercado empresarial, mas não custa entender melhor os detalhes de gestão da mudança.

 

4. Quando ele não desiste de um projeto só porque não deu certo na primeira (ou segunda, ou terceira…)

Logo que o gênio, bilionário e filantropo mais querido das telonas saiu da caverna, ele já se dedicou a melhorar sua armadura. E se ele tivesse desistido? Apesar de alguns percalços – alguns carros caríssimos e partes da casa destruídos – ele persistiu. No fim, venceu. Com os negócios, é a mesma coisa. Se um projeto não dá os frutos esperados na primeira vez, vale à pena analisar o que saiu errado e tentar de novo, e de novo e de novo…

 

5. Quando ele não tem medo de grandes desafios

No segundo filme dos Vingadores, o Homem de Ferro enfrenta seu maior desafio, literalmente. O cientista rico precisa enfrentar Hulk, um gigante esmeralda que fica mais forte quanto mais irritado. É claro que ele usa a inteligência e a tecnologia para superar uma tarefa aparentemente impossível. Quando uma empresa se vê em situações como essa, a solução vai surgir com planejamento, pessoas preparadas e gestão sólida. E, claro, um pouco de coragem.

 

6. Quando ele sabe como vender o peixe

Identidade secreta nunca foi uma preocupação de Tony Stark, tanto que no primeiro filme ele mesmo conta tudo para uma plateia de jornalistas. Desde então o Homem de Ferro usa a imagem e o marketing da melhor forma possível, mudando a imagem de vendedor de armas para o vingador mais popular. Com a gestão de uma marca não é diferente: é preciso saber quando e onde se posicionar para que a repercussão seja positiva e para que as pessoas entendam bem a missão e os valores do seu negócio.

 

7. Quando ele tem um Jarvis

Um dos personagens que mais interage com o Homem de Ferro em todos os filmes não é um humano. Em forma de voz tranquila e prestativa, J.A.R.V.I.S é a inteligência artificial que Tony Stark criou para ajudá-lo em todo tipo de tarefa, desde acordar até combater o crime. E os entusiastas dessa tecnologia apostam que, num futuro muito breve, todo mundo terá um J.A.R.V.I.S.