Homem é preso suspeito de pagar R$ 4 mil por morte de parceiro da sua ex, em JP

O homem suspeito de articular o assassinato de Eduardo Dantas Pereira, ocorrido nessa quarta-feira (20) próximo a um shopping na Zona Sul de João Pessoa, foi preso durante a noite. Segundo a Polícia Civil, o crime teria motivação passional. As investigações apontam que o suspeito acertou, no dia anterior ao homicídio, um pagamento de R$ 4 mil aos executores – que foram presos minutos após o crime.
De acordo com o delegado responsável pelo caso, Pedro Ivo, no momento da prisão dos atiradores um deles estava com R$ 980. “Acreditamos que esse dinheiro era um adiantamento pela execução do homicídio”, informou.
Ainda conforme as investigações, a vítima estaria em um relacionamento com a ex-companheira do suspeito de articular o crime. O suposto mentor não aceitava o fim do relacionamento com a mulher e, por esse motivo, ‘encomendou’ a morte do rival. A reunião com os executores do assassinato aconteceu na noite da terça-feira (19), em uma casa no bairro Várzea Nova, em Santa Rita.
Eduardo Dantas Pereira foi atingido por tiros na manhã dessa quarta, enquanto estava a caminho de seu local de trabalho, na Avenida Hilton Souto Maior, em trecho próximo a um shopping e ao fórum do bairro de Mangabeira, na Zona Sul da Capital. Ele morreu antes mesmo de ser socorrido para um hospital. Os executores do crime foram presos instantes depois, por uma equipe da PM que fazia rondas na região.
O suspeito de ser mentor do homicídio está na Central de Polícia Civil, onde aguardará a audiência de custódia. Ele nega ter planejado o crime.

O homem suspeito de articular o assassinato de Eduardo Dantas Pereira, ocorrido nessa quarta-feira (20) próximo a um shopping na Zona Sul de João Pessoa, foi preso durante a noite. Segundo a Polícia Civil, o crime teria motivação passional. As investigações apontam que o suspeito acertou, no dia anterior ao homicídio, um pagamento de R$ 4 mil aos executores – que foram presos minutos após o crime.
De acordo com o delegado responsável pelo caso, Pedro Ivo, no momento da prisão dos atiradores um deles estava com R$ 980. “Acreditamos que esse dinheiro era um adiantamento pela execução do homicídio”, informou.
Ainda conforme as investigações, a vítima estaria em um relacionamento com a ex-companheira do suspeito de articular o crime. O suposto mentor não aceitava o fim do relacionamento com a mulher e, por esse motivo, ‘encomendou’ a morte do rival. A reunião com os executores do assassinato aconteceu na noite da terça-feira (19), em uma casa no bairro Várzea Nova, em Santa Rita.
Eduardo Dantas Pereira foi atingido por tiros na manhã dessa quarta, enquanto estava a caminho de seu local de trabalho, na Avenida Hilton Souto Maior, em trecho próximo a um shopping e ao fórum do bairro de Mangabeira, na Zona Sul da Capital. Ele morreu antes mesmo de ser socorrido para um hospital. Os executores do crime foram presos instantes depois, por uma equipe da PM que fazia rondas na região.
O suspeito de ser mentor do homicídio está na Central de Polícia Civil, onde aguardará a audiência de custódia. Ele nega ter planejado o crime.