Las Vegas: 18 armas e explosivos encontrados na casa do atirador

As autoridades americanas encontraram 18 armas, explosivos e muita munição extra na casa do atirador Stephen Paddock, que matou 59 pessoas em um ataque em Las Vegas neste domingo. A polícia já havia apreendido mais de uma dezena de armas de fogo no quarto de hotel de onde o aposentado de 64 anos executou o massacre.
Segundo o xerife Joe Lombardo, os armamentos e explosivos foram encontrados durante uma busca na casa de Paddock, em Mesquite, no Estado de Nevada. Equipamentos eletrônicos também foram apreendidos para análise dos investigadores.
Segundo o Wall Street Journal, a polícia havia recolhido 17 armas no quarto reservado pelo atirador no hotel Mandalay Bay, incluindo rifles automáticos e modelos de armas AR-15s e AK-47s, que podem disparar mais de 600 tiros por minuto. Grandes quantidades de munição também foram encontradas.
A polícia americana ainda não revelou detalhes ou confirmou as informações divulgadas pela imprensa sobre o tipo de armamento usado por Stephen Paddock. Mas, segundo análises de especialistas baseadas na velocidade dos disparos ouvidos nos vídeos divulgados nas redes sociais, o atirador provavelmente utilizou armas automáticas ou semiautomáticas com um dispositivo extra acoplado, que permite o lançamento de mais balas por minuto.
De acordo com Lombardo, as equipes de segurança americanas também devem fazer buscas em outra casa na região norte de Nevada. O xerife não deu detalhes sobre quem mora no local, porém afirmou que equipes da SWAT, unidade de polícia altamente especializada, já estão preparadas para invadir a residência.
O ataque
Cerca de 22.000 pessoas assistiam a um show no festival de música country Route 91 Harvest quando Paddock abriu fogo de um quarto no 32º andar do hotel Mandalay Bay. Os tiros cruzaram a Las Vegas Strip, onde ficam os mais célebres hotéis e cassinos de Las Vegas, até o local do evento. Segundo as autoridades americanas, 59 pessoas morreram e outras 527 ficaram feridas.
Paddock se matou antes de a polícia entrar no quarto de onde ele estava atirando, afirmou o chefe de polícia do condado Clark, Joseph Lombardo, a repórteres. O homem branco de 64 anos morava em uma comunidade de aposentados em Mesquite, Nevada.
O grupo militante Estado Islâmico reivindicou a responsabilidade pelo massacre, mas as autoridades americanas expressaram ceticismo em relação à declaração. Segundo o FBI, tudo indica que Paddock não tinha nenhum vínculo com grupos terroristas internacionais.
O irmão do atirador, Eric Paddock, também desmentiu o comunicado do EI e afirmou que Stephen não tinha afiliações políticas ou religiosas. Em entrevistas à imprensa, Eric disse que o irmão “era um cara normal” e que “algo deve ter acontecido, ele surtou ou algo do tipo”.
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, determinou que as bandeiras americanas sejam colocadas a meio mastro, em uma demonstração nacional de luto, e disse que visitará Las Vegas na quarta-feira. “Foi um ato de pura maldade”, disse Trump em um pronunciamento na Casa Branca.

MSN

As autoridades americanas encontraram 18 armas, explosivos e muita munição extra na casa do atirador Stephen Paddock, que matou 59 pessoas em um ataque em Las Vegas neste domingo. A polícia já havia apreendido mais de uma dezena de armas de fogo no quarto de hotel de onde o aposentado de 64 anos executou o massacre.
Segundo o xerife Joe Lombardo, os armamentos e explosivos foram encontrados durante uma busca na casa de Paddock, em Mesquite, no Estado de Nevada. Equipamentos eletrônicos também foram apreendidos para análise dos investigadores.
Segundo o Wall Street Journal, a polícia havia recolhido 17 armas no quarto reservado pelo atirador no hotel Mandalay Bay, incluindo rifles automáticos e modelos de armas AR-15s e AK-47s, que podem disparar mais de 600 tiros por minuto. Grandes quantidades de munição também foram encontradas.
A polícia americana ainda não revelou detalhes ou confirmou as informações divulgadas pela imprensa sobre o tipo de armamento usado por Stephen Paddock. Mas, segundo análises de especialistas baseadas na velocidade dos disparos ouvidos nos vídeos divulgados nas redes sociais, o atirador provavelmente utilizou armas automáticas ou semiautomáticas com um dispositivo extra acoplado, que permite o lançamento de mais balas por minuto.
De acordo com Lombardo, as equipes de segurança americanas também devem fazer buscas em outra casa na região norte de Nevada. O xerife não deu detalhes sobre quem mora no local, porém afirmou que equipes da SWAT, unidade de polícia altamente especializada, já estão preparadas para invadir a residência.
O ataque
Cerca de 22.000 pessoas assistiam a um show no festival de música country Route 91 Harvest quando Paddock abriu fogo de um quarto no 32º andar do hotel Mandalay Bay. Os tiros cruzaram a Las Vegas Strip, onde ficam os mais célebres hotéis e cassinos de Las Vegas, até o local do evento. Segundo as autoridades americanas, 59 pessoas morreram e outras 527 ficaram feridas.
Paddock se matou antes de a polícia entrar no quarto de onde ele estava atirando, afirmou o chefe de polícia do condado Clark, Joseph Lombardo, a repórteres. O homem branco de 64 anos morava em uma comunidade de aposentados em Mesquite, Nevada.
O grupo militante Estado Islâmico reivindicou a responsabilidade pelo massacre, mas as autoridades americanas expressaram ceticismo em relação à declaração. Segundo o FBI, tudo indica que Paddock não tinha nenhum vínculo com grupos terroristas internacionais.
O irmão do atirador, Eric Paddock, também desmentiu o comunicado do EI e afirmou que Stephen não tinha afiliações políticas ou religiosas. Em entrevistas à imprensa, Eric disse que o irmão “era um cara normal” e que “algo deve ter acontecido, ele surtou ou algo do tipo”.
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, determinou que as bandeiras americanas sejam colocadas a meio mastro, em uma demonstração nacional de luto, e disse que visitará Las Vegas na quarta-feira. “Foi um ato de pura maldade”, disse Trump em um pronunciamento na Casa Branca.

MSN