Morre, em São Paulo, o músico Fuba de Taperoá

fubaO mundo do forró acordou triste nessa quarta-feira (18) com a notícia da morte de Juberlino Martins Levino, ou simplesmente Fuba de Taperoá. O músico, que trabalhou ao lado de Dominguinhos por volta de vinte anos, faleceu na noite da terça em Guarulhos, na grande São Paulo. A causa foi uma falência múltipla de órgãos em decorrência de diabetes.

Nos últimos anos de sua vida, o músico vivia com dificuldades financeiras, algo atestado pelo jornalista e pesquisador campinense Assis Costa.

Iniciou sua carreira ao ir com o cunhado Zito Borborema para Campina Grande. Apresentou-se pela primeira vez em rádio em programa dirigido por Rosil Cavalcante. Na década de 1960, foi para o Rio e depois para São Paulo, onde começou a frequentar festas de forró e conviver com figuras lendárias do gênero, como Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro.

Depois de trabalhar com o músico Dominguinhos, teve em seu CD Vai Lá no Meu Forró a direção artística de Elba Ramalho. O músico paraibano Sandrinho Dupan destaca seu trabalho enquanto artista solo. “Era também um artista de linha de frente. Pouca gente sabe, mas ele gravou um disco ainda com o nome de batismo, Juberlino, e outro como Fuba do Pandeiro”, explica.

Nas redes sociais, alguns artistas manifestaram seu pesar com a despedida do artista. “A nossa música amanheceu mais triste. Hoje o grande artista Fuba de Taperoá nos deixou. Que Deus o receba de braços abertos e conforte seus familiares”, afirmou Flávio José em sua página oficial do Facebook.

fubaO mundo do forró acordou triste nessa quarta-feira (18) com a notícia da morte de Juberlino Martins Levino, ou simplesmente Fuba de Taperoá. O músico, que trabalhou ao lado de Dominguinhos por volta de vinte anos, faleceu na noite da terça em Guarulhos, na grande São Paulo. A causa foi uma falência múltipla de órgãos em decorrência de diabetes.

Nos últimos anos de sua vida, o músico vivia com dificuldades financeiras, algo atestado pelo jornalista e pesquisador campinense Assis Costa.

Iniciou sua carreira ao ir com o cunhado Zito Borborema para Campina Grande. Apresentou-se pela primeira vez em rádio em programa dirigido por Rosil Cavalcante. Na década de 1960, foi para o Rio e depois para São Paulo, onde começou a frequentar festas de forró e conviver com figuras lendárias do gênero, como Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro.

Depois de trabalhar com o músico Dominguinhos, teve em seu CD Vai Lá no Meu Forró a direção artística de Elba Ramalho. O músico paraibano Sandrinho Dupan destaca seu trabalho enquanto artista solo. “Era também um artista de linha de frente. Pouca gente sabe, mas ele gravou um disco ainda com o nome de batismo, Juberlino, e outro como Fuba do Pandeiro”, explica.

Nas redes sociais, alguns artistas manifestaram seu pesar com a despedida do artista. “A nossa música amanheceu mais triste. Hoje o grande artista Fuba de Taperoá nos deixou. Que Deus o receba de braços abertos e conforte seus familiares”, afirmou Flávio José em sua página oficial do Facebook.