Gerente de frigorífico é autuado por furto de energia em Campina Grande

Uma equipe de fiscalização da Energisa Borborema esteve nesta terça-feira (31) no Frigorífico João Rodrigues, em Campina Grande, e comprovou que o estabelecimento furtava energia há, pelo menos, 20 meses.
Depois de constatada a adulteração do medidor pela perícia, o responsável pelo estabelecimento foi enquadrado no artigo 155 do Código Penal e pode ser condenado a até oito anos de cadeia.
A estimativa é que tenham sido desviados cerca de 28 mil kWh. Segundo a concessionária, a energia furtada seria suficiente para abastecer 240 clientes residenciais por um mês.
O desvio de energia é crime e acaba sendo pago por todos os clientes, uma vez que parte do valor é acrescido à tarifa. Além disso, o furto de energia impacta na qualidade do fornecimento e oferece riscos à segurança. Denúncias podem ser feitas pelos canais de atendimento da Energisa.
MaisPB

Uma equipe de fiscalização da Energisa Borborema esteve nesta terça-feira (31) no Frigorífico João Rodrigues, em Campina Grande, e comprovou que o estabelecimento furtava energia há, pelo menos, 20 meses.
Depois de constatada a adulteração do medidor pela perícia, o responsável pelo estabelecimento foi enquadrado no artigo 155 do Código Penal e pode ser condenado a até oito anos de cadeia.
A estimativa é que tenham sido desviados cerca de 28 mil kWh. Segundo a concessionária, a energia furtada seria suficiente para abastecer 240 clientes residenciais por um mês.
O desvio de energia é crime e acaba sendo pago por todos os clientes, uma vez que parte do valor é acrescido à tarifa. Além disso, o furto de energia impacta na qualidade do fornecimento e oferece riscos à segurança. Denúncias podem ser feitas pelos canais de atendimento da Energisa.
MaisPB