ENTRE MEIA NOITE E MEIA NOITE E MEIA

Se nos próximos trinta minutos, eu não cair nos braços de Morfeu, eu me levanto, tomo um banho de sal grosso, que eu estou precisando, coloco uma beca ajeitada, medalhão de ouro que o pai me deu, me produzo todo, fico mais alinhado que manequim de funerária, mais cheiroso que filho de barbeiro, pego minha Belinona marrom café e pernas pra que te quero.
Vou fazer igual a noite passada, me dei o mesmo prazo, não adormeci, então eu fiz o que vou fazer hoje de novo, me pirulitei.
Não sei que horas voltei, só sei que acordei com a calça molhada, não sei se derramei cerveja ou me mijei mesmo, um gosto ruim na boca, pode ser cachaça estragada ou cachorro lambeu, baba de moça bonita eu sei que não foi, porquê, se sóbrio eu não pego bulhufas, imagina mamado.
Faz tempo que eu estou levando essa vida boêmia, depois que a Frederica foi embora, tudo que era de bom em mim, também se foi, minha esperança no futuro, minha paciência, meu dinheiro, minha vergonha na cara, até minha saúde está descendo ralo abaixo, está indo pro beleléu e eu não me esforço nem um pouco pra mudar essa merda de situação, dá a impressão que assim está maravilhosamente bem, essa falta de perspectiva está ótima, eu que já era meio porra louca, agora me destrambelhei de vez, me relaxei por inteiro.
Eu sei que nessa meia hora, muita coisa vai acontecer, casais apaixonados trocarão juras de amor, enquanto se abraçam, se beijam, e se perdem de paixão, enroscados num lençol qualquer, meninos e meninas estarão juntos perdendo a virgindade, cônjuges que a muito tempo
se ignoravam estarão se reencontrando, velhos que depois de mais uma tentativa, desistirão, mas não deixarão de se amar e dormirão confiantes do dever quase cumprido, mulheres se enroscarão uma na outra numa paixão frenética, homens se abraçarão e se beijarão (eca ).
Vou ficar mais mil e oitocentos segundos deitado nessa cama, sem me mexer um só centímetro, nem pra tentar matar esse desgraçado de pernilongo que já está me enchendo os picuás , também não vou pensar em nada, nem nas glórias que já tive, muito menos nas cagadas que já fiz, se for possível fazer yoga deitado, eu farei, vou criar um espaço sideral fictício, onde a minha mente irá viajar feito uma nave de galáxia em galáxia, se bem que também não sei se essas idéias doidas me trarão sono, mas eu vou tentar, não tenho nada a perder mesmo, o máximo que pode acontecer, é eu ficar mais pinéu.
Se nesses dois quartos de hora, eu ainda estiver acordado, não tenho dúvidas, me levanto, me ajeito e (partiu gandaia). Sei que no outro dia, vai ser aquela mesma porcaria de sempre, latinha de cerveja por todo o carro, vômito no banco traseiro, preservativo no assoalho e eu não peguei ninguém.
A mãe diz que é só Jesus na causa, mas eu digo que vou mudar, mas , mudar como? se qualquer motivo é motivo pra boemia, uma desilusão….pinga, o time perdeu…cachaça, o sono se foi…..manguaça. pra mudança eu não vejo um motivo e pretexto pra esbórnia tem pra mais de mil, ai fica difícil.
Só mais vinte e nove minutos e cinquenta e nove segundos,… senão.

Valdir Fachini
valdirfachini53@gmail.com

Se nos próximos trinta minutos, eu não cair nos braços de Morfeu, eu me levanto, tomo um banho de sal grosso, que eu estou precisando, coloco uma beca ajeitada, medalhão de ouro que o pai me deu, me produzo todo, fico mais alinhado que manequim de funerária, mais cheiroso que filho de barbeiro, pego minha Belinona marrom café e pernas pra que te quero.
Vou fazer igual a noite passada, me dei o mesmo prazo, não adormeci, então eu fiz o que vou fazer hoje de novo, me pirulitei.
Não sei que horas voltei, só sei que acordei com a calça molhada, não sei se derramei cerveja ou me mijei mesmo, um gosto ruim na boca, pode ser cachaça estragada ou cachorro lambeu, baba de moça bonita eu sei que não foi, porquê, se sóbrio eu não pego bulhufas, imagina mamado.
Faz tempo que eu estou levando essa vida boêmia, depois que a Frederica foi embora, tudo que era de bom em mim, também se foi, minha esperança no futuro, minha paciência, meu dinheiro, minha vergonha na cara, até minha saúde está descendo ralo abaixo, está indo pro beleléu e eu não me esforço nem um pouco pra mudar essa merda de situação, dá a impressão que assim está maravilhosamente bem, essa falta de perspectiva está ótima, eu que já era meio porra louca, agora me destrambelhei de vez, me relaxei por inteiro.
Eu sei que nessa meia hora, muita coisa vai acontecer, casais apaixonados trocarão juras de amor, enquanto se abraçam, se beijam, e se perdem de paixão, enroscados num lençol qualquer, meninos e meninas estarão juntos perdendo a virgindade, cônjuges que a muito tempo
se ignoravam estarão se reencontrando, velhos que depois de mais uma tentativa, desistirão, mas não deixarão de se amar e dormirão confiantes do dever quase cumprido, mulheres se enroscarão uma na outra numa paixão frenética, homens se abraçarão e se beijarão (eca ).
Vou ficar mais mil e oitocentos segundos deitado nessa cama, sem me mexer um só centímetro, nem pra tentar matar esse desgraçado de pernilongo que já está me enchendo os picuás , também não vou pensar em nada, nem nas glórias que já tive, muito menos nas cagadas que já fiz, se for possível fazer yoga deitado, eu farei, vou criar um espaço sideral fictício, onde a minha mente irá viajar feito uma nave de galáxia em galáxia, se bem que também não sei se essas idéias doidas me trarão sono, mas eu vou tentar, não tenho nada a perder mesmo, o máximo que pode acontecer, é eu ficar mais pinéu.
Se nesses dois quartos de hora, eu ainda estiver acordado, não tenho dúvidas, me levanto, me ajeito e (partiu gandaia). Sei que no outro dia, vai ser aquela mesma porcaria de sempre, latinha de cerveja por todo o carro, vômito no banco traseiro, preservativo no assoalho e eu não peguei ninguém.
A mãe diz que é só Jesus na causa, mas eu digo que vou mudar, mas , mudar como? se qualquer motivo é motivo pra boemia, uma desilusão….pinga, o time perdeu…cachaça, o sono se foi…..manguaça. pra mudança eu não vejo um motivo e pretexto pra esbórnia tem pra mais de mil, ai fica difícil.
Só mais vinte e nove minutos e cinquenta e nove segundos,… senão.

Valdir Fachini
valdirfachini53@gmail.com