PSICOLOGIA AO SEU ALCANCE – Liderança – poder ou autoridade?

As pessoas querem fazer parte de algo especial, seja no lazer, na família, no trabalho. E não se alcança tal situação sem esforço e sem dedicação. Para isso é primordial que as pessoas que exerçam algum tipo de liderança o façam exigindo excelência, para que as pessoas por ela lideradas façam o melhor de si. Com o passar do tempo estas irão perceber que construíram algo significativo e vão se orgulhar disso. Ninguém sai melhor de um trabalho em que não lhe foi exigido nada, que não pôde demonstrar o que sabe, nem precisou aprender nada para fazer o que foi solicitado.
Diferente da pessoa motivada que precisa ir a fundo para realizar o que lhe foi solicitado. Preferencialmente se o que ela está trabalhando faz parte dos seus valores, do que ela pensa. Dessa forma ela se reconhece útil e muitas vezes realizada.
Na liderança o gestor pode utilizar tanto o poder para conseguir com que o colaborador faça o que ele quer. E para isso, basta definir a tarefa, não utilizando nem o conhecimento, nem a criatividade do subordinado. Consequentemente faz uso da ameaça, do PODER. Não há dúvida que funciona, mas com o tempo causa insatisfação. Outra forma é utilizar da essência da liderança, que é fazer com que o liderado faça de BOM GRADO e MOTIVADO o que o líder deseja. Para isso é fundamental apresentar autoridade.
Primeiramente o líder precisa deixar de pensar nele, para pensar no grupo, na missão da organização, na tarefa, nas pessoas que compõem o grupo de liderados. Se o líder não se doar, nem procurar atender as necessidades do grupo, não vai receber em troca o apoio e a dedicação das pessoas que ele lidera. Que fique bem entendido, satisfazer as necessidades e não as vontades das pessoas que compõem o grupo, quer dizer, alcançar o que realmente falta para que as pessoas possam realizar as tarefas que lhes foi solicitada. E principalmente elogiar quando os subordinados se saíram bem, para que estes possam se reconhecer como alguém que faz bem feito. Não há dúvida que é melhor liderar uma equipe que tem orgulho do que faz.
Psicólogo Flávio Melo Ribeiro
CRP12/00449

A Viver – Atividades em Psicologia desenvolveu programas psicoterapêuticos que possibilitam ser trabalhados em grupos e individual.
flavioviver@gmail.com (48) 9921-8811 (48) 3223-4386
Página no Facebook: Viver – Atividades em Psicologia
Canal no Youtube: Flávio Melo Ribeiro

As pessoas querem fazer parte de algo especial, seja no lazer, na família, no trabalho. E não se alcança tal situação sem esforço e sem dedicação. Para isso é primordial que as pessoas que exerçam algum tipo de liderança o façam exigindo excelência, para que as pessoas por ela lideradas façam o melhor de si. Com o passar do tempo estas irão perceber que construíram algo significativo e vão se orgulhar disso. Ninguém sai melhor de um trabalho em que não lhe foi exigido nada, que não pôde demonstrar o que sabe, nem precisou aprender nada para fazer o que foi solicitado.
Diferente da pessoa motivada que precisa ir a fundo para realizar o que lhe foi solicitado. Preferencialmente se o que ela está trabalhando faz parte dos seus valores, do que ela pensa. Dessa forma ela se reconhece útil e muitas vezes realizada.
Na liderança o gestor pode utilizar tanto o poder para conseguir com que o colaborador faça o que ele quer. E para isso, basta definir a tarefa, não utilizando nem o conhecimento, nem a criatividade do subordinado. Consequentemente faz uso da ameaça, do PODER. Não há dúvida que funciona, mas com o tempo causa insatisfação. Outra forma é utilizar da essência da liderança, que é fazer com que o liderado faça de BOM GRADO e MOTIVADO o que o líder deseja. Para isso é fundamental apresentar autoridade.
Primeiramente o líder precisa deixar de pensar nele, para pensar no grupo, na missão da organização, na tarefa, nas pessoas que compõem o grupo de liderados. Se o líder não se doar, nem procurar atender as necessidades do grupo, não vai receber em troca o apoio e a dedicação das pessoas que ele lidera. Que fique bem entendido, satisfazer as necessidades e não as vontades das pessoas que compõem o grupo, quer dizer, alcançar o que realmente falta para que as pessoas possam realizar as tarefas que lhes foi solicitada. E principalmente elogiar quando os subordinados se saíram bem, para que estes possam se reconhecer como alguém que faz bem feito. Não há dúvida que é melhor liderar uma equipe que tem orgulho do que faz.
Psicólogo Flávio Melo Ribeiro
CRP12/00449

A Viver – Atividades em Psicologia desenvolveu programas psicoterapêuticos que possibilitam ser trabalhados em grupos e individual.
flavioviver@gmail.com (48) 9921-8811 (48) 3223-4386
Página no Facebook: Viver – Atividades em Psicologia
Canal no Youtube: Flávio Melo Ribeiro