Bando faz reféns e atira contra sede da PM em Pilar. Em Lagoa Seca banco é explodido

bumMoradores e policiais da cidade de Pilar, a 55 km de João Pessoa, foram aterrorizados por uma quadrilha de assaltantes na madrugada desta quarta-feira (27). Na ação, que aconteceu por volta das 3h20, uma agência de banco particular foi explodida, pessoas foram feitas reféns e a sede da Polícia Militar foi alvo de vários tiros. Cápsulas de armas de grosso calibre foram encontradas nas ruas da cidade.
Uma vítima contou que parte do bando criminoso atuou na explosão do banco, enquanto dois homens encapuzados e fortemente armados faziam os reféns. Pelo menos três pessoas teriam ficado sob o alvo dos bandidos. “Eles deram um tapa nas minhas costas e falaram que não iam matar ninguém, que só queriam o dinheiro do banco. Dispararam vários tiros perto de nós. Essa situação durou cerca de meia hora”, relatou.
Ainda conforme a mulher, os reféns foram levados para perto da sede de Polícia Militar. Todas as vítimas foram obrigadas a gritar e pedir que os policiais não reagissem. “Não abre a porta que tem refém, não abre a porta que tem refém”, ficamos repetindo isso. Muitos tiros foram efetuados contra o prédio da PM e contra duas viaturas. Uma caminhoneta de um morador também foi alvos dos tiros.
Apesar do terror provocado pelos bandidos, não há registro de pessoas feridas. Os assaltantes fugiram em caminhonete e três motos. Grampos foram espalhados pelas ruas da cidade. Em Pilar, agências do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal já tinham sido destruídas em ataques com explosivos. Agora, a população fica também sem a agência particular.

Mais violência
Também durante a madrugada, uma agência bancária em Lagoa Seca, Agreste paraibano, a 129 da Capital, foi explodida por um grupo de bandidos. Os criminosos chegaram à cidade por volta das 3h30. Enquanto alguns assaltantes explodiam o banco, outros vigiavam as vias de acesso e saída ao município.
O ataque à agência durou cerca de 20 minutos. Os caixas eletrônicos do banco tinham sido abastecidos nessa terça-feira (26). O valor roubado pela quadrilha, no entanto, não foi divulgado. Antes do ataque ao banco, foram registrados em Lagoa Seca roubos de veículos e arrastão em uma festa. Além disso, no caminho até Campina Grande vários carros tiveram pneus furados. Existe suspeita de que todos os crimes estejam relacionados. Nenhum suspeito foi localizado.
Portalcorreio

bumMoradores e policiais da cidade de Pilar, a 55 km de João Pessoa, foram aterrorizados por uma quadrilha de assaltantes na madrugada desta quarta-feira (27). Na ação, que aconteceu por volta das 3h20, uma agência de banco particular foi explodida, pessoas foram feitas reféns e a sede da Polícia Militar foi alvo de vários tiros. Cápsulas de armas de grosso calibre foram encontradas nas ruas da cidade.
Uma vítima contou que parte do bando criminoso atuou na explosão do banco, enquanto dois homens encapuzados e fortemente armados faziam os reféns. Pelo menos três pessoas teriam ficado sob o alvo dos bandidos. “Eles deram um tapa nas minhas costas e falaram que não iam matar ninguém, que só queriam o dinheiro do banco. Dispararam vários tiros perto de nós. Essa situação durou cerca de meia hora”, relatou.
Ainda conforme a mulher, os reféns foram levados para perto da sede de Polícia Militar. Todas as vítimas foram obrigadas a gritar e pedir que os policiais não reagissem. “Não abre a porta que tem refém, não abre a porta que tem refém”, ficamos repetindo isso. Muitos tiros foram efetuados contra o prédio da PM e contra duas viaturas. Uma caminhoneta de um morador também foi alvos dos tiros.
Apesar do terror provocado pelos bandidos, não há registro de pessoas feridas. Os assaltantes fugiram em caminhonete e três motos. Grampos foram espalhados pelas ruas da cidade. Em Pilar, agências do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal já tinham sido destruídas em ataques com explosivos. Agora, a população fica também sem a agência particular.

Mais violência
Também durante a madrugada, uma agência bancária em Lagoa Seca, Agreste paraibano, a 129 da Capital, foi explodida por um grupo de bandidos. Os criminosos chegaram à cidade por volta das 3h30. Enquanto alguns assaltantes explodiam o banco, outros vigiavam as vias de acesso e saída ao município.
O ataque à agência durou cerca de 20 minutos. Os caixas eletrônicos do banco tinham sido abastecidos nessa terça-feira (26). O valor roubado pela quadrilha, no entanto, não foi divulgado. Antes do ataque ao banco, foram registrados em Lagoa Seca roubos de veículos e arrastão em uma festa. Além disso, no caminho até Campina Grande vários carros tiveram pneus furados. Existe suspeita de que todos os crimes estejam relacionados. Nenhum suspeito foi localizado.
Portalcorreio