Motorista que atropelou 17 em Copacabana não havia ingerido bebida alcoólica, aponta exame

copacabanaO motorista que atropelou 17 pessoas em Copacabana na noite desta quinta-feira (18) não tinha ingerido bebida alcoólica antes de dirigir, aponta exame feito pela Polícia Civil.
Como não fugiu do local do acidente, Antonio de Almeida Anaquim, de 41 anos, responderá em liberdade por homicídio culposo – quando não há intenção de matar. Um bebê de 8 meses morreu no atropelamento.
O laudo afirma que Antonio estava desperto e se apresentou calmo para o exame, fornecendo respostas com clareza de raciocínio, pensamento bem articulado e orientação no espaço e no tempo.
O motorista afirma que sofreu um ataque epilético e desmaiou ao volante, versão confirmada pela mulher que o acompanhava no carro. Outras testemunhas já foram ouvidas pela Polícia Civil.
Após o atropelamento, Antonio foi detido e levado para a 12ªDP (Copacabana), delegacia que abriu inquérito para investigar o caso. Segundo a Polícia Civil, a principal hipótese é de que o motorista tenha mesmo sofrido um ataque epilético.
Segundo o Departamento Estadual de Trânsito (Detran), Antonio está com a carteira de habilitação suspensa desde maio de 2014. Em nota, o órgão afirmou que o motorista terá o documento cassado, porque dirigir com a carteira suspensa configura crime de trânsito.

Câmera registrou atropelamento
Uma gravação do circuito de câmeras de segurança de um dos quiosques da orla de Copacabana mostrou o desespero dos clientes quando o carro avançou sobre os pedestres.
Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, das 16 vítimas feridas, nove com ferimentos mais graves foram levadas para o Hospital Municipal Miguel Couto, na Gávea, Zona Sul da Cidade.
Destas, três receberam alta na madrugada desta sexta-feira (19), e seis permaneciam internadas – uma delas é um turista australiano que está em estado grave.
O homem, de 68 anos e que não teve a identidade informada, sofreu traumatismo craniano e respira com ajuda de aparelhos. As outras sete pessoas feridas foram socorridas no Hospital Souza Aguiar, todas com ferimentos mais leves, incluindo a mãe do bebê que morreu no acidente.

G1

copacabanaO motorista que atropelou 17 pessoas em Copacabana na noite desta quinta-feira (18) não tinha ingerido bebida alcoólica antes de dirigir, aponta exame feito pela Polícia Civil.
Como não fugiu do local do acidente, Antonio de Almeida Anaquim, de 41 anos, responderá em liberdade por homicídio culposo – quando não há intenção de matar. Um bebê de 8 meses morreu no atropelamento.
O laudo afirma que Antonio estava desperto e se apresentou calmo para o exame, fornecendo respostas com clareza de raciocínio, pensamento bem articulado e orientação no espaço e no tempo.
O motorista afirma que sofreu um ataque epilético e desmaiou ao volante, versão confirmada pela mulher que o acompanhava no carro. Outras testemunhas já foram ouvidas pela Polícia Civil.
Após o atropelamento, Antonio foi detido e levado para a 12ªDP (Copacabana), delegacia que abriu inquérito para investigar o caso. Segundo a Polícia Civil, a principal hipótese é de que o motorista tenha mesmo sofrido um ataque epilético.
Segundo o Departamento Estadual de Trânsito (Detran), Antonio está com a carteira de habilitação suspensa desde maio de 2014. Em nota, o órgão afirmou que o motorista terá o documento cassado, porque dirigir com a carteira suspensa configura crime de trânsito.

Câmera registrou atropelamento
Uma gravação do circuito de câmeras de segurança de um dos quiosques da orla de Copacabana mostrou o desespero dos clientes quando o carro avançou sobre os pedestres.
Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, das 16 vítimas feridas, nove com ferimentos mais graves foram levadas para o Hospital Municipal Miguel Couto, na Gávea, Zona Sul da Cidade.
Destas, três receberam alta na madrugada desta sexta-feira (19), e seis permaneciam internadas – uma delas é um turista australiano que está em estado grave.
O homem, de 68 anos e que não teve a identidade informada, sofreu traumatismo craniano e respira com ajuda de aparelhos. As outras sete pessoas feridas foram socorridas no Hospital Souza Aguiar, todas com ferimentos mais leves, incluindo a mãe do bebê que morreu no acidente.

G1