Gelo nos medidores de velocidade pode ter causado queda de avião russo, dizem investigadores

erroO comitê que investiga o acidente com o avião russo da Saratov, que matou 71 pessoas, declarou nesta terça-feira (13), após avaliar os dados das caixas-pretas, que a queda da aeronave aparentemente ocorreu devido ao congelamento das sondas medidoras de velocidade.
O acidente pode ser explicado por “dados de velocidade incorretos recebidos pelos pilotos, o que pode aparentemente estar vinculado à formação de gelo nas sondas, cujo sistema de calefação estava desligado”, afirmou o Comissão Interestadual de Aviação russo em um comunicado, segundo a Reuters.
De acordo com a Associated Press, a investigação sugere que houve falha dos pilotos em ligar a unidade de aquecimento dos medidores de pressão antes da decolagem.
A agência diz ainda que os pilotos colocaram o avião An-148 no piloto automático após saírem do aeroporto de Moscou, mas voltaram a assumir o controle manual quando viram os dados conflitantes de velocidade.
O comunicado do comitê afirma que “uma situação especial começou a se desenvolver 2 minutos e 30 segundos após a decolagem, a uma altitude de 1.300 metros e com o indicador de velocidade mostrando 465-470 km/h”.
O avião caiu em um campo coberto de neve seis minutos depois da decolagem, matando 65 passageiros e seis tripulantes.

Sem sobreviventes
O voo decolou as 14h21 (9h21 em Brasília) do dia 11 do aeroporto Domodedovo, na capital russa, com destino a Orsk, a cerca de 1.700 km de Moscou e perto da fronteira com o Cazaquistão. Quatro minutos depois, perdeu contato.
A aeronave, de modelo Antonov AN-148, levava 65 passageiros e seis tripulantes. Não houve sobreviventes. No momento do acidente, a temperatura era de -4ºC.
Fragmentos da aeronave foram encontrados no solo coberto de neve no distrito de Ramesnky, pertencente a Moscou.
G1

erroO comitê que investiga o acidente com o avião russo da Saratov, que matou 71 pessoas, declarou nesta terça-feira (13), após avaliar os dados das caixas-pretas, que a queda da aeronave aparentemente ocorreu devido ao congelamento das sondas medidoras de velocidade.
O acidente pode ser explicado por “dados de velocidade incorretos recebidos pelos pilotos, o que pode aparentemente estar vinculado à formação de gelo nas sondas, cujo sistema de calefação estava desligado”, afirmou o Comissão Interestadual de Aviação russo em um comunicado, segundo a Reuters.
De acordo com a Associated Press, a investigação sugere que houve falha dos pilotos em ligar a unidade de aquecimento dos medidores de pressão antes da decolagem.
A agência diz ainda que os pilotos colocaram o avião An-148 no piloto automático após saírem do aeroporto de Moscou, mas voltaram a assumir o controle manual quando viram os dados conflitantes de velocidade.
O comunicado do comitê afirma que “uma situação especial começou a se desenvolver 2 minutos e 30 segundos após a decolagem, a uma altitude de 1.300 metros e com o indicador de velocidade mostrando 465-470 km/h”.
O avião caiu em um campo coberto de neve seis minutos depois da decolagem, matando 65 passageiros e seis tripulantes.

Sem sobreviventes
O voo decolou as 14h21 (9h21 em Brasília) do dia 11 do aeroporto Domodedovo, na capital russa, com destino a Orsk, a cerca de 1.700 km de Moscou e perto da fronteira com o Cazaquistão. Quatro minutos depois, perdeu contato.
A aeronave, de modelo Antonov AN-148, levava 65 passageiros e seis tripulantes. Não houve sobreviventes. No momento do acidente, a temperatura era de -4ºC.
Fragmentos da aeronave foram encontrados no solo coberto de neve no distrito de Ramesnky, pertencente a Moscou.
G1