Por que mulheres ganham mais do que homens para atuar em filmes pornôs?

Todo mundo sabe que mulheres ganham menos que homens. No Brasil, a diferença média é de 30%, apontam dados recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Uma pesquisa do ano passado indicou que elas ganham menos em todos os cargos. Mas há exceções – e uma delas é a indústria pornô.
Enquanto Hollywood debate a desigualdade salarial entre atores e atrizes, o mercado de filmes adultos superou essa defasagem faz tempo: tanto aqui quanto lá fora, mulheres recebem cachês mais altos.
O G1 falou com atrizes, diretores, produtores e atores para saber por que elas faturam mais (em geral, o dobro). Os principais motivos citados foram estes:
• as atrizes têm exposição muito maior diante das câmeras, com closes constantes etc. Aliás, a palavra “exposição” foi usada por todos os entrevistados;
• fora das câmeras, a exposição também é maior: atrizes sofrem mais com preconceito da sociedade em por causa do machismo, estão mais sujeitas a constrangimento. E como se, para elas fazer pornô, pegasse mal, ao contrário dos homens;
• o público desses filmes é predominante masculino, portanto as atrizes são o principal atrativo;
• é a mesma lógica da indústria da moda e da beleza: as modelos são as grandes estrelas, não os modelos;
• na gravação das cenas, o desgaste físico das atrizes é maior que o dos atores;
• para elas, a preparação antes de entrar em cena exige mais, com sessões de maquiagem, de foto, vídeos sensuais, enquanto o trabalho dos homens é, em tese, mais fácil;
• há mais homens dispostos a trabalhar neste mercado do que mulheres;
• os remédios para disfunção erétil, em teoria, facilitam o desempenho dos atores, exigindo menos da performance deles, tornando a atividade mais acessível.
Mas será que essa diferença de salário tem a ver com a ideia de que, para as atrizes, trata-se de um trabalho mesmo – que exige esforço físico e mental, com riscos psicológicos – enquanto para os atores tudo não passaria de diversão?
“A mulher também carrega um fardo maior, principalmente aqui no Brasil. Então, acho justo uma atriz ser melhor remunerada do que o ator”, afirma Angel Lima, de 27 anos e mais de cem filmes no currículo. Uma das principais atrizes em atividade no país, ela é ganhadora do Prêmio Sexy Hot, o chamado “Oscar pornô brasileiro”.
Outra vencedora do troféu, Fabi Thompson, de 34 anos e também com uma centena de produções, concorda: “É justo, porque neste caso a mulher é muito mais mal vista, em qualquer situação. A exposição maior é totalmente da mulher”.
Mayanna Rodrigues, de 31 anos e atriz desde 2005, ressalta que “a mulher acaba sendo muito ativa em cena, no caso da atuação”.
“Porque ela tem que fazer várias coisas: oral, vaginal, anal… Então, o desgaste é muito maior, tanto de imagem quanto físico. Isso é aqui no Brasil e lá fora também. É um meio de o mercado manter as coisas equilibradas pela exposição.”
Patrícia Kimberly, de 34 anos e atuando desde 2005 (já apareceu em mais de 50 filmes), conta que “normalmente, os atores ganham metade do cachê das mulheres”. “E as atrizes fazem maquiagem, tem o ‘videozinho’ sensual, fotos. O ator chega lá, faz a cena e acabou.”
Emme White, de 37 anos e que faz filmes há dois, acredita que as atrizes pornôs ganham mais “talvez por um resquício machista, ainda, de achar que a mulher estaria se expondo mais do que o homem”.
Ainda que recebam mais que os parceiros de cena, todas reconhecem que os bons e velhos tempos ficaram para trás. Os entrevistados traçam uma linha do mercado nacional que marca o auge entre 2004 e 2007, com celebridades participando de filmes e vendas de DVDs em bancas de jornal.
Por volta de 2010, a pirataria on-line ganhou força e reduziu drasticamente o número de produtoras e ofertas de trabalho. Atualmente, a distribuição oficial se dá pela internet e em canais por assinatura.
As atrizes complementam a renda com outras atividades relacionadas ao pornô, atuando como “cam girls” (vídeos normalmente caseiros transmitidos pela internet mediante pagamento de assinatura ou compra avulsa).

Kid Bengala acha ‘injusto’
Considerado o maior astro brasileiro do segmento, Kid Bengala, de 63 anos, vê razões históricas para a diferença:
“Isso aconteceu lá atrás, no início das produções de filmes pornôs. Para superar as dificuldades de encontrar talentos femininos para trabalhar na área, os produtores ofereciam a elas cachês maiores que os dos homens, é claro. Pois elas viviam numa sociedade discriminatória, com tabus e preconceito contra as mulheres”.

Mas ele acha que, atualmente, isso já não se justifica: “Hoje, acho injusto a mulher ganhar mais. Porque a dificuldade de o homem ter uma ereção em frente às câmeras… Para as mulheres, é só se liberarem, se descontraírem, né? Entre uma descontração e uma ereção, a dificuldade da ereção é muito maior. No mínimo, [os cachês] teriam que ser iguais”.
Um dos mais requisitados diretores de pornô brasileiro, Gil Bendazon concorda com o ator: “O principal é o homem. Se ele não for bom, não existe cena”, avalia ele, que já ganhou prêmios importantes nos Estados Unidos, como o Xbiz e o famoso AVN Awards, o mais conceituado do mercado internacional.
Cachê de R$ 3 mil a R$ 5 mil
Dono da Brasileirinhas, principal produtora do Brasil, Clayton Nunes conta que o cachê das atrizes, em geral, vai de R$ 3 mil e R$ 5 mil. “Em média, é R$ 3 mil por duas cenas de sexo com um ator ou uma cena com ator e duas com mulheres, caso a modelo goste. Ou cinco cenas por R$ 5 mil”.
Já os atores recebem R$ 500 pela diária. “O custo de um filme é em torno de R$ 25 mil, e o gasto com os cachês dos atores e atrizes é de mais ou menos a metade”, calcula Nunes.
No auge do mercado, entre 2004 e 2007, os valores eram mais elevados. O produtor lembra: “O máximo que as atrizes já ganharam foi R$ 50 mil por 50 cenas. Mas elas gravavam cinco cenas por mês… O que tinha era uma quantidade absurda de cenas, cheguei a fazer 13 filmes em um mês. Hoje, faço quatro”.
O produtor, contudo, destaca que as atrizes, em um dia habitual de trabalho, começam a trabalhar às 10h e só vão terminar às 17h, depois de sessões de maquiagem, fotos, vídeos sensuais e a gravação do filme propriamente dito. “Enquanto isso, o homem chega às 16h, grava e vai embora às 17h (risos).”
Por que o público é masculino?

As atrizes da Brasileirinhas costumam trabalhar para a produtora três ou quatro vezes por ano. Já os atores são convocados a cada duas semanas. A rotatividade feminina é exigência do público. “Quem assiste pornô, na grande maioria das vezes, é para ver a garota, e não o cara”, diz Clayton Nunes, da Brasileirinhas.
Ele tem uma hipótese para explicar o motivo de seu mercado consumidor ser formado, essencialmente, por homens. “Mulher, quando quer sexo, sai na rua e consegue. Não precisa nem tomar vinho – na porta do bar, arranja alguém. Já o homem, quando quer sexo, sai para a balada, toma vários foras da mulherada na noite, chega em casa e vai assinar a Brasileirinhas (risos).”
Nunes arrisca uma segunda teoria: “O homem é muito visual, por isso assiste a filme pornô. A mulher é mais da imaginação. Ela compra livros, ‘Cinquentas tons de cinza’, que são como filmes pornô, só que sem imagem. Posso estar errado, mas a minha experiência diz isso”.
A produtora Mayara Medeiros, da XPlastic, vê semelhanças entre “o que acontece na indústria pornô e toda a indústria da beleza”:
“Você sabe o nome de grandes modelos, mas a gente conhece pouco de grandes modelos masculinos. O mercado da pornografia acaba se espelhando nisso. Existe muito mais público procurando pela Fabi Thompson do que por um ator. É a mesma coisa da Victoria’s Secret”.
É mais fácil achar atores do que atrizes

Dono de uma pequena produtora tocada no estilo exército-de-um-homem-só, o diretor, produtor e ator Brad Montana, de 35 anos, afirma que o fato de as atrizes pornôs ganharem mais não tem relação direta com a suposta dificuldade do trabalho.
“É até mais trabalhoso para o homem, pelo aspecto da ereção. Mas, por outro lado, se eu coloco um anúncio de emprego procurando homem para ser ator pornô e um anúncio procurando mulher para ser atriz pornô, a fila de homem vai chegar a Brasília – a de mulher não chega a um terço disso”, arrisca Montana.
“Outro aspecto, é que, de fato para a mulher há uma sobrecarga muito maior, no que concerne a preconceito. Enquanto, para o ator, a galera chama o cara para pagar cerveja no barzinho da esquina e perguntar sobre gravação, a menina passa por um constrangimento de ter o portão de casa pichado, sofrer chacota de crianças… É mais pesado.”
Remédio
Existe um mito de que hoje em dia, por causa dos remédios para disfunção erétil, é mais fácil ser ator pornô do que era no passado. Essa suposta facilidade ajuda a explicar por que os atores já não são tão valorizados?
“A gente não dá remédio para ninguém e nem os atores assumem que tomam. Então, pra gente, depois desses remédios na teoria não mudou nada. Mas, coincidentemente, a performance dos atores melhorou muito (risos)”, conta Clayton Nunes, da Brasileirinhas.
“Antigamente os filmes eram bastante editados, hoje a gente disponibiliza o material na íntegra, sem edição no site da casa das brasileirinhas. Então, se o cara não mandar bem todo mundo vê.”
Brad Montana acha que antigamente “era mais difícil para o cara gravar”. “Eu vi um filme de um ator americano muito conhecido que tinha um pênis descomunal, era um fenômeno da indústria pornográfica. O filme mostra como, para ele, era um realmente ritual se preparar para conseguir ficar com o pênis ereto. Um ritual pelo qual hoje ele não precisaria passar, porque tem o recurso de remédio, entende?”, afirma.
“Não dá para comparar a adrenalina de um cara que não tinha nada para tomar com um cara que hoje entra no set e pode não tomar nada, mas tem a consciência de que, se quiser, pode recorrer. Facilita.”
G1

Todo mundo sabe que mulheres ganham menos que homens. No Brasil, a diferença média é de 30%, apontam dados recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Uma pesquisa do ano passado indicou que elas ganham menos em todos os cargos. Mas há exceções – e uma delas é a indústria pornô.
Enquanto Hollywood debate a desigualdade salarial entre atores e atrizes, o mercado de filmes adultos superou essa defasagem faz tempo: tanto aqui quanto lá fora, mulheres recebem cachês mais altos.
O G1 falou com atrizes, diretores, produtores e atores para saber por que elas faturam mais (em geral, o dobro). Os principais motivos citados foram estes:
• as atrizes têm exposição muito maior diante das câmeras, com closes constantes etc. Aliás, a palavra “exposição” foi usada por todos os entrevistados;
• fora das câmeras, a exposição também é maior: atrizes sofrem mais com preconceito da sociedade em por causa do machismo, estão mais sujeitas a constrangimento. E como se, para elas fazer pornô, pegasse mal, ao contrário dos homens;
• o público desses filmes é predominante masculino, portanto as atrizes são o principal atrativo;
• é a mesma lógica da indústria da moda e da beleza: as modelos são as grandes estrelas, não os modelos;
• na gravação das cenas, o desgaste físico das atrizes é maior que o dos atores;
• para elas, a preparação antes de entrar em cena exige mais, com sessões de maquiagem, de foto, vídeos sensuais, enquanto o trabalho dos homens é, em tese, mais fácil;
• há mais homens dispostos a trabalhar neste mercado do que mulheres;
• os remédios para disfunção erétil, em teoria, facilitam o desempenho dos atores, exigindo menos da performance deles, tornando a atividade mais acessível.
Mas será que essa diferença de salário tem a ver com a ideia de que, para as atrizes, trata-se de um trabalho mesmo – que exige esforço físico e mental, com riscos psicológicos – enquanto para os atores tudo não passaria de diversão?
“A mulher também carrega um fardo maior, principalmente aqui no Brasil. Então, acho justo uma atriz ser melhor remunerada do que o ator”, afirma Angel Lima, de 27 anos e mais de cem filmes no currículo. Uma das principais atrizes em atividade no país, ela é ganhadora do Prêmio Sexy Hot, o chamado “Oscar pornô brasileiro”.
Outra vencedora do troféu, Fabi Thompson, de 34 anos e também com uma centena de produções, concorda: “É justo, porque neste caso a mulher é muito mais mal vista, em qualquer situação. A exposição maior é totalmente da mulher”.
Mayanna Rodrigues, de 31 anos e atriz desde 2005, ressalta que “a mulher acaba sendo muito ativa em cena, no caso da atuação”.
“Porque ela tem que fazer várias coisas: oral, vaginal, anal… Então, o desgaste é muito maior, tanto de imagem quanto físico. Isso é aqui no Brasil e lá fora também. É um meio de o mercado manter as coisas equilibradas pela exposição.”
Patrícia Kimberly, de 34 anos e atuando desde 2005 (já apareceu em mais de 50 filmes), conta que “normalmente, os atores ganham metade do cachê das mulheres”. “E as atrizes fazem maquiagem, tem o ‘videozinho’ sensual, fotos. O ator chega lá, faz a cena e acabou.”
Emme White, de 37 anos e que faz filmes há dois, acredita que as atrizes pornôs ganham mais “talvez por um resquício machista, ainda, de achar que a mulher estaria se expondo mais do que o homem”.
Ainda que recebam mais que os parceiros de cena, todas reconhecem que os bons e velhos tempos ficaram para trás. Os entrevistados traçam uma linha do mercado nacional que marca o auge entre 2004 e 2007, com celebridades participando de filmes e vendas de DVDs em bancas de jornal.
Por volta de 2010, a pirataria on-line ganhou força e reduziu drasticamente o número de produtoras e ofertas de trabalho. Atualmente, a distribuição oficial se dá pela internet e em canais por assinatura.
As atrizes complementam a renda com outras atividades relacionadas ao pornô, atuando como “cam girls” (vídeos normalmente caseiros transmitidos pela internet mediante pagamento de assinatura ou compra avulsa).

Kid Bengala acha ‘injusto’
Considerado o maior astro brasileiro do segmento, Kid Bengala, de 63 anos, vê razões históricas para a diferença:
“Isso aconteceu lá atrás, no início das produções de filmes pornôs. Para superar as dificuldades de encontrar talentos femininos para trabalhar na área, os produtores ofereciam a elas cachês maiores que os dos homens, é claro. Pois elas viviam numa sociedade discriminatória, com tabus e preconceito contra as mulheres”.

Mas ele acha que, atualmente, isso já não se justifica: “Hoje, acho injusto a mulher ganhar mais. Porque a dificuldade de o homem ter uma ereção em frente às câmeras… Para as mulheres, é só se liberarem, se descontraírem, né? Entre uma descontração e uma ereção, a dificuldade da ereção é muito maior. No mínimo, [os cachês] teriam que ser iguais”.
Um dos mais requisitados diretores de pornô brasileiro, Gil Bendazon concorda com o ator: “O principal é o homem. Se ele não for bom, não existe cena”, avalia ele, que já ganhou prêmios importantes nos Estados Unidos, como o Xbiz e o famoso AVN Awards, o mais conceituado do mercado internacional.
Cachê de R$ 3 mil a R$ 5 mil
Dono da Brasileirinhas, principal produtora do Brasil, Clayton Nunes conta que o cachê das atrizes, em geral, vai de R$ 3 mil e R$ 5 mil. “Em média, é R$ 3 mil por duas cenas de sexo com um ator ou uma cena com ator e duas com mulheres, caso a modelo goste. Ou cinco cenas por R$ 5 mil”.
Já os atores recebem R$ 500 pela diária. “O custo de um filme é em torno de R$ 25 mil, e o gasto com os cachês dos atores e atrizes é de mais ou menos a metade”, calcula Nunes.
No auge do mercado, entre 2004 e 2007, os valores eram mais elevados. O produtor lembra: “O máximo que as atrizes já ganharam foi R$ 50 mil por 50 cenas. Mas elas gravavam cinco cenas por mês… O que tinha era uma quantidade absurda de cenas, cheguei a fazer 13 filmes em um mês. Hoje, faço quatro”.
O produtor, contudo, destaca que as atrizes, em um dia habitual de trabalho, começam a trabalhar às 10h e só vão terminar às 17h, depois de sessões de maquiagem, fotos, vídeos sensuais e a gravação do filme propriamente dito. “Enquanto isso, o homem chega às 16h, grava e vai embora às 17h (risos).”
Por que o público é masculino?

As atrizes da Brasileirinhas costumam trabalhar para a produtora três ou quatro vezes por ano. Já os atores são convocados a cada duas semanas. A rotatividade feminina é exigência do público. “Quem assiste pornô, na grande maioria das vezes, é para ver a garota, e não o cara”, diz Clayton Nunes, da Brasileirinhas.
Ele tem uma hipótese para explicar o motivo de seu mercado consumidor ser formado, essencialmente, por homens. “Mulher, quando quer sexo, sai na rua e consegue. Não precisa nem tomar vinho – na porta do bar, arranja alguém. Já o homem, quando quer sexo, sai para a balada, toma vários foras da mulherada na noite, chega em casa e vai assinar a Brasileirinhas (risos).”
Nunes arrisca uma segunda teoria: “O homem é muito visual, por isso assiste a filme pornô. A mulher é mais da imaginação. Ela compra livros, ‘Cinquentas tons de cinza’, que são como filmes pornô, só que sem imagem. Posso estar errado, mas a minha experiência diz isso”.
A produtora Mayara Medeiros, da XPlastic, vê semelhanças entre “o que acontece na indústria pornô e toda a indústria da beleza”:
“Você sabe o nome de grandes modelos, mas a gente conhece pouco de grandes modelos masculinos. O mercado da pornografia acaba se espelhando nisso. Existe muito mais público procurando pela Fabi Thompson do que por um ator. É a mesma coisa da Victoria’s Secret”.
É mais fácil achar atores do que atrizes

Dono de uma pequena produtora tocada no estilo exército-de-um-homem-só, o diretor, produtor e ator Brad Montana, de 35 anos, afirma que o fato de as atrizes pornôs ganharem mais não tem relação direta com a suposta dificuldade do trabalho.
“É até mais trabalhoso para o homem, pelo aspecto da ereção. Mas, por outro lado, se eu coloco um anúncio de emprego procurando homem para ser ator pornô e um anúncio procurando mulher para ser atriz pornô, a fila de homem vai chegar a Brasília – a de mulher não chega a um terço disso”, arrisca Montana.
“Outro aspecto, é que, de fato para a mulher há uma sobrecarga muito maior, no que concerne a preconceito. Enquanto, para o ator, a galera chama o cara para pagar cerveja no barzinho da esquina e perguntar sobre gravação, a menina passa por um constrangimento de ter o portão de casa pichado, sofrer chacota de crianças… É mais pesado.”
Remédio
Existe um mito de que hoje em dia, por causa dos remédios para disfunção erétil, é mais fácil ser ator pornô do que era no passado. Essa suposta facilidade ajuda a explicar por que os atores já não são tão valorizados?
“A gente não dá remédio para ninguém e nem os atores assumem que tomam. Então, pra gente, depois desses remédios na teoria não mudou nada. Mas, coincidentemente, a performance dos atores melhorou muito (risos)”, conta Clayton Nunes, da Brasileirinhas.
“Antigamente os filmes eram bastante editados, hoje a gente disponibiliza o material na íntegra, sem edição no site da casa das brasileirinhas. Então, se o cara não mandar bem todo mundo vê.”
Brad Montana acha que antigamente “era mais difícil para o cara gravar”. “Eu vi um filme de um ator americano muito conhecido que tinha um pênis descomunal, era um fenômeno da indústria pornográfica. O filme mostra como, para ele, era um realmente ritual se preparar para conseguir ficar com o pênis ereto. Um ritual pelo qual hoje ele não precisaria passar, porque tem o recurso de remédio, entende?”, afirma.
“Não dá para comparar a adrenalina de um cara que não tinha nada para tomar com um cara que hoje entra no set e pode não tomar nada, mas tem a consciência de que, se quiser, pode recorrer. Facilita.”
G1