Pastor simula sequestro e pede resgate em bitcoin, diz polícia. Quantia era superior a R$ 100 mil

bitcoinApós quatro dias desaparecido, um pastor evangélico da Assembleia de Deus Missão, de São José dos Campos (SP), se apresentou à delegacia no fim da tarde desta quinta-feira (1º) e, segundo a polícia, confessou que simulou um sequestro. Ainda segundo a polícia, ele pediu resgate de três bitcoins para a família – cada um está cotado em cerca de R$ 35 mil, nesta quinta. O valor não foi pago.
Ele estava desaparecido desde a última segunda-feira (26), quando foi visto pela última vez no bairro Vista Verde, na zona leste da cidade, onde se encontrou com outro pastor.
De acordo com a Delegacia de Investigações Gerais (DIG), Alexandre Geraldo dos Anjos, conhecido como Sandro, de 34 anos, foi até a delegacia de Igaratá e contou que tinha sido sequestrado no início da semana, mas que tinha conseguido fugir do cativeiro.
Os policiais encaminharam o homem para a Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de São José e, em depoimento, ele teria confessado que o sequestro era falso.
“Nós recebemos uma denúncia ontem informando que o pastor tinha almoçado em um restaurante em Jacareí. Fomos até lá e pegamos a filmagem e vimos que ele estava tranquilo. Então, quando ele começou a contar a história do sequestro, já desconfiamos e ao pressioná-lo, ele revelou a mentira”, contou o delegado Neimar Camargo.
Ainda segundo o delegado, o pastor relatou que estava com dívidas e precisava de dinheiro para quitá-las. “Ele tinha pedido o pagamento de três bitcoins, mas como já desconfiávamos, a família não tinha pago”, explicou o delegado. O pastor teria comprado um chip de celular de um número de São Paulo e enviado mensagem para um amigo pedindo que ele entrasse em contato com a família pedindo o resgate. Esse amigo não sabia que se tratava de um golpe.
Após ser ouvido, o pastor foi liberado. Ele deverá ser indiciado por estelionato – por criar uma fraude para conseguir dinheiro. O G1 procurou a família do pastor, que informou que ele tinha chegado em casa e não teve tempo de conversar para explicar o que houve. A reportagem tentou novos contatos de parentes dele, mas ninguém mais atendeu as ligações na noite desta quinta.
G1

bitcoinApós quatro dias desaparecido, um pastor evangélico da Assembleia de Deus Missão, de São José dos Campos (SP), se apresentou à delegacia no fim da tarde desta quinta-feira (1º) e, segundo a polícia, confessou que simulou um sequestro. Ainda segundo a polícia, ele pediu resgate de três bitcoins para a família – cada um está cotado em cerca de R$ 35 mil, nesta quinta. O valor não foi pago.
Ele estava desaparecido desde a última segunda-feira (26), quando foi visto pela última vez no bairro Vista Verde, na zona leste da cidade, onde se encontrou com outro pastor.
De acordo com a Delegacia de Investigações Gerais (DIG), Alexandre Geraldo dos Anjos, conhecido como Sandro, de 34 anos, foi até a delegacia de Igaratá e contou que tinha sido sequestrado no início da semana, mas que tinha conseguido fugir do cativeiro.
Os policiais encaminharam o homem para a Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de São José e, em depoimento, ele teria confessado que o sequestro era falso.
“Nós recebemos uma denúncia ontem informando que o pastor tinha almoçado em um restaurante em Jacareí. Fomos até lá e pegamos a filmagem e vimos que ele estava tranquilo. Então, quando ele começou a contar a história do sequestro, já desconfiamos e ao pressioná-lo, ele revelou a mentira”, contou o delegado Neimar Camargo.
Ainda segundo o delegado, o pastor relatou que estava com dívidas e precisava de dinheiro para quitá-las. “Ele tinha pedido o pagamento de três bitcoins, mas como já desconfiávamos, a família não tinha pago”, explicou o delegado. O pastor teria comprado um chip de celular de um número de São Paulo e enviado mensagem para um amigo pedindo que ele entrasse em contato com a família pedindo o resgate. Esse amigo não sabia que se tratava de um golpe.
Após ser ouvido, o pastor foi liberado. Ele deverá ser indiciado por estelionato – por criar uma fraude para conseguir dinheiro. O G1 procurou a família do pastor, que informou que ele tinha chegado em casa e não teve tempo de conversar para explicar o que houve. A reportagem tentou novos contatos de parentes dele, mas ninguém mais atendeu as ligações na noite desta quinta.
G1