Time da Unifacisa vence equipe dos Búfalos em Brasília: 82 a 56

bufaloPela primeira vez na temporada no Ginásio da Associação dos Empregados da CEB (ASCEB), em Brasília, os Búfalos lutaram para superar o adversário paraibano, mas foram derrotados pelo placar de 82 a 56.

Certamente a expectativa dos cerca de 400 torcedores brasilienses que foram ao ginásio na noite de quarta não foi correspondida à altura. Isso porque o ataque da equipe candanga não foi eficiente e a defesa sofreu com a mão calibrada nos arremessos de três pontos da equipe adversária. O armador americano Farad Coob, do Unifacisa, foi o destaque da equipe. Autor de 29 pontos e aproveitamento de 73% em seus arremessos, o atleta também quebrou recordes da Liga Ouro: converteu sete bolas de três pontos e teve eficiência geral de 41%.

No primeiro quarto, a defesa dos Búfalos se mostrou desorganizada: arremessos de média e longa distância do time campinense sem marcação eram recorrentes. A 5 minutos do final do primeiro quarto, a torcida se empolgou com um belo toco do pivô Leo Bispo, que iniciou uma eminente recuperação defensiva e durou até a metade do segundo quarto. “Viemos com um plano de jogo que era dar mais volume a alguns jogadores deles, que são os que mais pontuam. Esse plano não deu certo, infelizmente. Também tivemos muitos chutes errados para três pontos. Isso acabou complicando um pouco o jogo”, lamentou Leo.

Com poucos jogadores disponíveis para o técnico do Brasília, Brenno Blassioli, a equipe utilizou o intervalo sobretudo para descansar, mas ainda sim, o terceiro quarto do jogo foi marcado pela maior diferença de pontos (em um único quarto) a favor do Unifacisa: quinze. Segundo Blassioli, as oscilações de qualidade dentro dos períodos são explicadas pelo cansaço. “A gente teve pouco preparo, nossa pré-temporada foi curta. Nós estamos ganhando condicionamento físico durante os jogos. Com certeza o cansaço nos faz precipitar uma bola, o chute sai curto, ou oferecemos contra-ataque para eles”.

CLIC AQUI E confira as entrevistas dos técnicos:

bufalo2Apesar da melhora, os Búfalos encerraram a partida exaustos diante da sua torcida, que, apesar do revés, aplaudiu a equipe após o cronômetro zerar. Mesmo diante do placar elástico, o novo reforço da equipe, Danilo Monteiro, apontou que há motivo para otimismo. ”O time está ganhando entrosamento com o tempo. Nós temos muito o que crescer, e um jogo ruim não vai mudar”. Danilo ainda não pôde atuar com sua nova equipe devido à problemas de regularização no campeonato. Além dele, outros dois jogadores ficaram de fora da partida: o ala Branquinho, que cumpre suspensão, e o pivô Marcelão, machucado.

Do outro lado, a avaliação do técnico paraibano Eduardo Schafer, é bastante positiva: “Nosso time tem grandes arremessadores. Nós temos cinco ou seis jogadores estrangeiros que têm um grande aproveitamento nas bolas de três pontos. A proposta do Brasília foi marcar por zona e nós conseguimos encaixar nossas bolas”.

O time comandado por Schafer permanece na capital federal para o próximo confronto, na sexta-feira (9) contra o Cerrado Basquete, pela quarta rodada da Liga Ouro, no Ginásio da IESPLAN, às 20h. O próximo confronto do BRBCARD/Brasília Búfalos é no próximo dia 15, às 20h, contra a equipe fluminense do Macaé, novamente no Ginásio da ASCEB (904 sul)

Por Ricardo Ribeiro
Sob supervisão de Luiz Claudio Ferreira e Katrine Boaventura

bufaloPela primeira vez na temporada no Ginásio da Associação dos Empregados da CEB (ASCEB), em Brasília, os Búfalos lutaram para superar o adversário paraibano, mas foram derrotados pelo placar de 82 a 56.

Certamente a expectativa dos cerca de 400 torcedores brasilienses que foram ao ginásio na noite de quarta não foi correspondida à altura. Isso porque o ataque da equipe candanga não foi eficiente e a defesa sofreu com a mão calibrada nos arremessos de três pontos da equipe adversária. O armador americano Farad Coob, do Unifacisa, foi o destaque da equipe. Autor de 29 pontos e aproveitamento de 73% em seus arremessos, o atleta também quebrou recordes da Liga Ouro: converteu sete bolas de três pontos e teve eficiência geral de 41%.

No primeiro quarto, a defesa dos Búfalos se mostrou desorganizada: arremessos de média e longa distância do time campinense sem marcação eram recorrentes. A 5 minutos do final do primeiro quarto, a torcida se empolgou com um belo toco do pivô Leo Bispo, que iniciou uma eminente recuperação defensiva e durou até a metade do segundo quarto. “Viemos com um plano de jogo que era dar mais volume a alguns jogadores deles, que são os que mais pontuam. Esse plano não deu certo, infelizmente. Também tivemos muitos chutes errados para três pontos. Isso acabou complicando um pouco o jogo”, lamentou Leo.

Com poucos jogadores disponíveis para o técnico do Brasília, Brenno Blassioli, a equipe utilizou o intervalo sobretudo para descansar, mas ainda sim, o terceiro quarto do jogo foi marcado pela maior diferença de pontos (em um único quarto) a favor do Unifacisa: quinze. Segundo Blassioli, as oscilações de qualidade dentro dos períodos são explicadas pelo cansaço. “A gente teve pouco preparo, nossa pré-temporada foi curta. Nós estamos ganhando condicionamento físico durante os jogos. Com certeza o cansaço nos faz precipitar uma bola, o chute sai curto, ou oferecemos contra-ataque para eles”.

CLIC AQUI E confira as entrevistas dos técnicos:

bufalo2Apesar da melhora, os Búfalos encerraram a partida exaustos diante da sua torcida, que, apesar do revés, aplaudiu a equipe após o cronômetro zerar. Mesmo diante do placar elástico, o novo reforço da equipe, Danilo Monteiro, apontou que há motivo para otimismo. ”O time está ganhando entrosamento com o tempo. Nós temos muito o que crescer, e um jogo ruim não vai mudar”. Danilo ainda não pôde atuar com sua nova equipe devido à problemas de regularização no campeonato. Além dele, outros dois jogadores ficaram de fora da partida: o ala Branquinho, que cumpre suspensão, e o pivô Marcelão, machucado.

Do outro lado, a avaliação do técnico paraibano Eduardo Schafer, é bastante positiva: “Nosso time tem grandes arremessadores. Nós temos cinco ou seis jogadores estrangeiros que têm um grande aproveitamento nas bolas de três pontos. A proposta do Brasília foi marcar por zona e nós conseguimos encaixar nossas bolas”.

O time comandado por Schafer permanece na capital federal para o próximo confronto, na sexta-feira (9) contra o Cerrado Basquete, pela quarta rodada da Liga Ouro, no Ginásio da IESPLAN, às 20h. O próximo confronto do BRBCARD/Brasília Búfalos é no próximo dia 15, às 20h, contra a equipe fluminense do Macaé, novamente no Ginásio da ASCEB (904 sul)

Por Ricardo Ribeiro
Sob supervisão de Luiz Claudio Ferreira e Katrine Boaventura