Perdoe-se

perdoeAlgumas vezes, escolhemos ter misericórdia com aqueles que nos cercam.

Compreendemos os erros das pessoas, perdoamos, aceitamos, acolhemos e continuamos.

Mantemos a amizade, o convívio.

E acredito sinceramente que isso é o certo a fazer.

Exercer misericórdia com aqueles que nos cercam é algo extremamente razoável e de bom tom.

Melhora o convívio, traz harmonia, paz.

Parabéns a você que consegue assim fazê-lo.

Algumas vezes, tratamos quem nos olha no espelho todas as manhãs com tanta crueldade.

Não temos carinho nem delicadeza ao nos depararmos com os nossos próprios erros.

Chegamos de sola falando mal, flagelando, fazendo sofrer.

Não temos qualquer misericórdia quando nós mesmos cometemos os mesmos erros que perdoamos nos outros.

E passamos a conviver com a amargura do “desamor” ´próprio.

O perdão que não liberamos a nós mesmos e a crueldade com que nos tratamos fazem que sejamos espantalhos humanos andando desamparados.

Sim, desamparados, sem perdão.

Pois o mais precioso amparo que podemos ter na vida é aquele que encontramos dentro do nosso próprio coração e tratarmos a nós mesmos com carinho, amor e atenção.

Aproveite o hoje e perdoe-se, ame-se e volte a viver.

Vivi Antunes é ajuntadora de letrinhas e assim o faz às segundas, quartas e sextas no www.viviantunes.com.br

perdoeAlgumas vezes, escolhemos ter misericórdia com aqueles que nos cercam.

Compreendemos os erros das pessoas, perdoamos, aceitamos, acolhemos e continuamos.

Mantemos a amizade, o convívio.

E acredito sinceramente que isso é o certo a fazer.

Exercer misericórdia com aqueles que nos cercam é algo extremamente razoável e de bom tom.

Melhora o convívio, traz harmonia, paz.

Parabéns a você que consegue assim fazê-lo.

Algumas vezes, tratamos quem nos olha no espelho todas as manhãs com tanta crueldade.

Não temos carinho nem delicadeza ao nos depararmos com os nossos próprios erros.

Chegamos de sola falando mal, flagelando, fazendo sofrer.

Não temos qualquer misericórdia quando nós mesmos cometemos os mesmos erros que perdoamos nos outros.

E passamos a conviver com a amargura do “desamor” ´próprio.

O perdão que não liberamos a nós mesmos e a crueldade com que nos tratamos fazem que sejamos espantalhos humanos andando desamparados.

Sim, desamparados, sem perdão.

Pois o mais precioso amparo que podemos ter na vida é aquele que encontramos dentro do nosso próprio coração e tratarmos a nós mesmos com carinho, amor e atenção.

Aproveite o hoje e perdoe-se, ame-se e volte a viver.

Vivi Antunes é ajuntadora de letrinhas e assim o faz às segundas, quartas e sextas no www.viviantunes.com.br