Ameaça de boicotes à Copa cresce após envenenamento de espião russo; entenda o caso

Pouco tempo antes da Copa do Mundo, a Rússia ordenou neste sábado (17/03) a expulsão de 23 diplomatas britânicos que estão no país, em resposta à idêntica medida tomada pelo Reino Unido.
Isso aumenta ainda mais o clima de tensão entre os países. A primeira-ministra britânica, Theresa May, anunciou esta semana que o Reino Unido não enviaria seus próprios diplomatas ou a família real para o Mundial.
A Inglaterra, único país britânico que estará presente na Rússia, já sente apelos de alguns parlamentares para que a Fifa interceda na realização da maior competição do futebol.
“Eu gostaria de ver um debate parlamentar sobre se a ação concertada do governo com outros países para adiar a Copa do Mundo ou movê-la para outro local seria o caminho certo a seguir”, disse o deputado trabalhista, John Woodcock, de acordo com o jornal Guardian.
Uma das principais preocupações dos organizadores da Copa do Mundo é com relação a um possível boicote. Não será a primeira vez que este tipo de situação ocorreria em grandes eventos esportivos.
Em 1980, 60 países, incluindo os Estados Unidos, deixaram de participar dos Jogos Olímpicos de Moscou pela União Soviética. Quatro anos depois, 14 aliados soviéticos boicotaram os jogos olímpicos em Los Angeles em retaliação.
A União Soviética deixou de participar das Eliminatórias da Copa do Mundo de 1974, que foi realizada na Argentina. Os soviéticos se recusaram a jogar contra o Chile por causa do golpe militar que derrubou o presidente Salvador Allende.

ENTENDA O CASO
A expulsão dos diplomatas foi em represália pelo envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal e de sua filha Yulia em solo inglês.
“Eles foram declarados personas non gratas e serão expulsos no prazo de uma semana da embaixada do Reino Unido em Moscou”, afirma um comunicado do Ministério das Relações Exteriores russo.
Ao mesmo tempo, Moscou retirou a permissão para a abertura do Consulado Geral britânico em São Petersburgo, a segunda maior cidade do país.
“Tendo em vista a disparidade no número de consulados dos dois países, a Rússia retira sua aprovação para a abertura e funcionamento do Consulado Geral do Reino Unido em São Petersburgo”, completa a nota.
A última medida em resposta às tomadas por Londres ordenou a suspensão da atividade em território russo do British Council (Conselho Britânico), o instituto público dedicado à divulgação da língua e cultura inglesa no exterior.
“O lado britânico foi advertido de que, no caso de medidas antipáticas ainda serem tomadas em relação a Rússia, a parte russa se reserva no direito de adotar outras medidas de resposta”, conclui a chancelaria russa.
As medidas tomadas pela Rússia em resposta à expulsão de 23 diplomatas russos do Reino Unido foram informadas nesta manhã ao embaixador britânico em Moscou, Laurie Bristow, convocado pelo Ministério das Relações Exteriores.
Yulia Skripal e seu pai Sergei, ex-agente dos serviços de inteligência militar russa (GRU) que passou informação ao M16 britânico, foram encontrados inconscientes no último dia 4, na cidade de Salisbury, no sul da Inglaterra, e desde então estão hospitalizados em estado crítico.
MSN

Pouco tempo antes da Copa do Mundo, a Rússia ordenou neste sábado (17/03) a expulsão de 23 diplomatas britânicos que estão no país, em resposta à idêntica medida tomada pelo Reino Unido.
Isso aumenta ainda mais o clima de tensão entre os países. A primeira-ministra britânica, Theresa May, anunciou esta semana que o Reino Unido não enviaria seus próprios diplomatas ou a família real para o Mundial.
A Inglaterra, único país britânico que estará presente na Rússia, já sente apelos de alguns parlamentares para que a Fifa interceda na realização da maior competição do futebol.
“Eu gostaria de ver um debate parlamentar sobre se a ação concertada do governo com outros países para adiar a Copa do Mundo ou movê-la para outro local seria o caminho certo a seguir”, disse o deputado trabalhista, John Woodcock, de acordo com o jornal Guardian.
Uma das principais preocupações dos organizadores da Copa do Mundo é com relação a um possível boicote. Não será a primeira vez que este tipo de situação ocorreria em grandes eventos esportivos.
Em 1980, 60 países, incluindo os Estados Unidos, deixaram de participar dos Jogos Olímpicos de Moscou pela União Soviética. Quatro anos depois, 14 aliados soviéticos boicotaram os jogos olímpicos em Los Angeles em retaliação.
A União Soviética deixou de participar das Eliminatórias da Copa do Mundo de 1974, que foi realizada na Argentina. Os soviéticos se recusaram a jogar contra o Chile por causa do golpe militar que derrubou o presidente Salvador Allende.

ENTENDA O CASO
A expulsão dos diplomatas foi em represália pelo envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal e de sua filha Yulia em solo inglês.
“Eles foram declarados personas non gratas e serão expulsos no prazo de uma semana da embaixada do Reino Unido em Moscou”, afirma um comunicado do Ministério das Relações Exteriores russo.
Ao mesmo tempo, Moscou retirou a permissão para a abertura do Consulado Geral britânico em São Petersburgo, a segunda maior cidade do país.
“Tendo em vista a disparidade no número de consulados dos dois países, a Rússia retira sua aprovação para a abertura e funcionamento do Consulado Geral do Reino Unido em São Petersburgo”, completa a nota.
A última medida em resposta às tomadas por Londres ordenou a suspensão da atividade em território russo do British Council (Conselho Britânico), o instituto público dedicado à divulgação da língua e cultura inglesa no exterior.
“O lado britânico foi advertido de que, no caso de medidas antipáticas ainda serem tomadas em relação a Rússia, a parte russa se reserva no direito de adotar outras medidas de resposta”, conclui a chancelaria russa.
As medidas tomadas pela Rússia em resposta à expulsão de 23 diplomatas russos do Reino Unido foram informadas nesta manhã ao embaixador britânico em Moscou, Laurie Bristow, convocado pelo Ministério das Relações Exteriores.
Yulia Skripal e seu pai Sergei, ex-agente dos serviços de inteligência militar russa (GRU) que passou informação ao M16 britânico, foram encontrados inconscientes no último dia 4, na cidade de Salisbury, no sul da Inglaterra, e desde então estão hospitalizados em estado crítico.
MSN