Indústria defende maior estímulo ao reuso de água, universalização do saneamento e agenda de negócios para segurança hídrica

estimuloO estímulo ao reuso da água, a universalização do saneamento e a consolidação de uma agenda de negócios voltada para a segurança hídrica estão entre as principais recomendações do setor industrial feitas nesta quinta-feira (22), durante o 8º Fórum Mundial da Água, que ocorre em Brasília. O documento construído com a participação de mais de 250 representantes empresariais foi apresentado no evento internacional pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (Cebds) e pela Rede Brasil do Pacto Global.
Para o avanço tanto da agenda de saneamento quanto de reúso de água, a indústria defende a construção de um marco regulatório adequado, que promova o desenvolvimento de parcerias público-privadas e a inovação. Segundo o setor, é necessário ainda inovar em modelos de financiamento e de negócios de gestão hídrica, por meio da participação de instituições híbridas que façam a ponte entre o setor público e o privado e criem oportunidades para a atração de projetos de saneamento e reuso.
Outra recomendação do setor industrial é fazer com que empresas percebam, cada vez mais, o real valor da água e inserir a questão na estratégia dos negócios. Para isso, é necessário melhorar o acesso e a qualidade de dados e informações para a elaboração de bons projetos e estratégias para segurança hídrica.

INDÚSTRIA É PARTE DA SOLUÇÃO – De acordo com o gerente-executivo de Meio Ambiente e Sustentabilidade da CNI, Davi Bomtempo, a indústria é parte da solução para as questões hídricas e pode incentivar o uso racional de água tanto por inovações em produtos e processos quanto por influenciar a cadeia de fornecedores e consumidores. “Nesse processo, cada pessoa pode contribuir em sua vida diária, economizando e reutilizando água. Afinal, todos somos partes desse processo encontrando soluções para a gestão desse recurso quanto alternativas para um uso mais eficiente”, destacou Bomtempo, durante a reunião em que apresentou as principais mensagens e resultados do setor empresarial no 8º Fórum Mundial da Água.
“Consolidamos uma agenda de negócios na discussão da segurança hídrica e mostramos também que o setor produtivo é parte da solução para a questão da água”, acrescentou o gerente-executivo. Ele observou que o setor industrial representa 21% do PIB brasileiro e consome 10% da água do país. “Partilhar água, conhecimento e experiências é fundamental para reduzir os impactos negativos dos eventos extremos, reduzir nossas vulnerabilidades e gerenciar os riscos”, discursou Bomtempo.
Ele mencionou também que os governos devem incentivar planos de longo prazo tanto para a sociedade quanto para o setor empresarial usarem a água de forma mais eficiente. “A redução do consumo de água nos processos de produção, a avaliação de riscos, as medidas preventivas e a ação coletiva com diferentes stakeholders têm se tornado cada vez mais parte das estratégias de negócios”, enfatizou o gerente da CNI.
Agência de Notícias CNI

estimuloO estímulo ao reuso da água, a universalização do saneamento e a consolidação de uma agenda de negócios voltada para a segurança hídrica estão entre as principais recomendações do setor industrial feitas nesta quinta-feira (22), durante o 8º Fórum Mundial da Água, que ocorre em Brasília. O documento construído com a participação de mais de 250 representantes empresariais foi apresentado no evento internacional pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (Cebds) e pela Rede Brasil do Pacto Global.
Para o avanço tanto da agenda de saneamento quanto de reúso de água, a indústria defende a construção de um marco regulatório adequado, que promova o desenvolvimento de parcerias público-privadas e a inovação. Segundo o setor, é necessário ainda inovar em modelos de financiamento e de negócios de gestão hídrica, por meio da participação de instituições híbridas que façam a ponte entre o setor público e o privado e criem oportunidades para a atração de projetos de saneamento e reuso.
Outra recomendação do setor industrial é fazer com que empresas percebam, cada vez mais, o real valor da água e inserir a questão na estratégia dos negócios. Para isso, é necessário melhorar o acesso e a qualidade de dados e informações para a elaboração de bons projetos e estratégias para segurança hídrica.

INDÚSTRIA É PARTE DA SOLUÇÃO – De acordo com o gerente-executivo de Meio Ambiente e Sustentabilidade da CNI, Davi Bomtempo, a indústria é parte da solução para as questões hídricas e pode incentivar o uso racional de água tanto por inovações em produtos e processos quanto por influenciar a cadeia de fornecedores e consumidores. “Nesse processo, cada pessoa pode contribuir em sua vida diária, economizando e reutilizando água. Afinal, todos somos partes desse processo encontrando soluções para a gestão desse recurso quanto alternativas para um uso mais eficiente”, destacou Bomtempo, durante a reunião em que apresentou as principais mensagens e resultados do setor empresarial no 8º Fórum Mundial da Água.
“Consolidamos uma agenda de negócios na discussão da segurança hídrica e mostramos também que o setor produtivo é parte da solução para a questão da água”, acrescentou o gerente-executivo. Ele observou que o setor industrial representa 21% do PIB brasileiro e consome 10% da água do país. “Partilhar água, conhecimento e experiências é fundamental para reduzir os impactos negativos dos eventos extremos, reduzir nossas vulnerabilidades e gerenciar os riscos”, discursou Bomtempo.
Ele mencionou também que os governos devem incentivar planos de longo prazo tanto para a sociedade quanto para o setor empresarial usarem a água de forma mais eficiente. “A redução do consumo de água nos processos de produção, a avaliação de riscos, as medidas preventivas e a ação coletiva com diferentes stakeholders têm se tornado cada vez mais parte das estratégias de negócios”, enfatizou o gerente da CNI.
Agência de Notícias CNI