Ex-presidente é condenada a 24 anos de prisão

parkA ex-presidente sul-coreana Park Geun-hye foi condenada a 24 anos de prisão por crimes de corrupção nesta sexta-feira, 5. A sentença foi determinada um ano depois que Park perdeu o cargo e foi detida devido ao escândalo político que levou milhares de cidadãos às ruas, pedindo sua prisão. Ela ainda pode recorrer da condenação.
Park foi a primeira mulher a ser presidente da Coreia do Sul. Ela é filha de Park Chung-hee, ex-ditador do país, e cresceu no palácio presidencial. Além disso, atuou como primeira-dama do país quando sua mãe foi assassinada. A condenação severa de Park contribui para o aumento das divisões no país que ainda luta contra os efeitos de sua crise política mais grave em anos.
Park já foi vista como a queridinha dos conservadores sul-coreanos e ganhou apelido “Rainha das Eleições” por ter levado seu partido à vitória em disputas apertadas, que culminaram em sua eleição à presidência em 2012. No entanto, essa imagem foi desfeita após o escândalo que envolveu, dentre outras alegações, suborno e extorsão.
Ela tem de 66 anos e mantém o discurso de que é vítima de “vingança política”. A ex-presidente também tem se recusado a comparecer às sessões do tribunal desde outubro – ela não compareceu à audiência desta sexta-feira e justificou a ausência dizendo que está doente, mas não forneceu detalhes.
No veredito televisionado nacionalmente, o Tribunal do Distrito Central de Seul condenou Park por suborno, extorsão, abuso de poder e outros crimes. “É inevitável que a ré seja a única responsável por seus crimes, mesmo se para apenas evitarmos que novamente aconteçam os casos de um presidente abusar do poder concedido pelo povo ou que transforme em caos os assuntos de Estado”, afirmou o principal juíz do caso, Kim Se-yun.
Kim disse que Park não demonstrou remorso pelos crimes e que continua a jogar a responsabilidade dos atos em outras pessoas, sem apresentar “justificativas convincentes”. Além da sentença prisional, Kim afirmou que Park foi multada em 18 bilhões de wones (16,8 milhões de dólares). Tanto a ré quanto os procuradores, que haviam pedido uma sentença de 30 anos, têm uma semana para recorrer. O advogado da ex-presidente, Kang Cheoul-gu, avaliou a sentença de 24 anos como “muito ruim” e afirmou que seu time vai decidir sobre o recurso após falar com a cliente.
Estadão

parkA ex-presidente sul-coreana Park Geun-hye foi condenada a 24 anos de prisão por crimes de corrupção nesta sexta-feira, 5. A sentença foi determinada um ano depois que Park perdeu o cargo e foi detida devido ao escândalo político que levou milhares de cidadãos às ruas, pedindo sua prisão. Ela ainda pode recorrer da condenação.
Park foi a primeira mulher a ser presidente da Coreia do Sul. Ela é filha de Park Chung-hee, ex-ditador do país, e cresceu no palácio presidencial. Além disso, atuou como primeira-dama do país quando sua mãe foi assassinada. A condenação severa de Park contribui para o aumento das divisões no país que ainda luta contra os efeitos de sua crise política mais grave em anos.
Park já foi vista como a queridinha dos conservadores sul-coreanos e ganhou apelido “Rainha das Eleições” por ter levado seu partido à vitória em disputas apertadas, que culminaram em sua eleição à presidência em 2012. No entanto, essa imagem foi desfeita após o escândalo que envolveu, dentre outras alegações, suborno e extorsão.
Ela tem de 66 anos e mantém o discurso de que é vítima de “vingança política”. A ex-presidente também tem se recusado a comparecer às sessões do tribunal desde outubro – ela não compareceu à audiência desta sexta-feira e justificou a ausência dizendo que está doente, mas não forneceu detalhes.
No veredito televisionado nacionalmente, o Tribunal do Distrito Central de Seul condenou Park por suborno, extorsão, abuso de poder e outros crimes. “É inevitável que a ré seja a única responsável por seus crimes, mesmo se para apenas evitarmos que novamente aconteçam os casos de um presidente abusar do poder concedido pelo povo ou que transforme em caos os assuntos de Estado”, afirmou o principal juíz do caso, Kim Se-yun.
Kim disse que Park não demonstrou remorso pelos crimes e que continua a jogar a responsabilidade dos atos em outras pessoas, sem apresentar “justificativas convincentes”. Além da sentença prisional, Kim afirmou que Park foi multada em 18 bilhões de wones (16,8 milhões de dólares). Tanto a ré quanto os procuradores, que haviam pedido uma sentença de 30 anos, têm uma semana para recorrer. O advogado da ex-presidente, Kang Cheoul-gu, avaliou a sentença de 24 anos como “muito ruim” e afirmou que seu time vai decidir sobre o recurso após falar com a cliente.
Estadão