Delegado é condenado por tráfico de drogas

O delegado da Polícia civil Jefferson Lopes Custódio foi condenado a 5 anos e 6 meses de prisão pela Justiça cearense. O juiz Wildemberg Ferreira de Sousa, da Comarca de Senador Pompeu, ainda determinou a perda do cargo de delegado, pelo cometimento dos crimes de tráfico de drogas e denunciação caluniosa.
O magistrado destacou que “a culpabilidade do réu mostra-se gravíssima, uma vez que, na condição de delegado da Polícia Civil, possuía elevado grau de consciência da ilicitude da conduta praticada, a exigir maior reprovação”.
Além dele, Expedito Raimundo do Rêgo foi sentenciado a 3 anos e 10 meses de reclusão pela participação nos mesmos delitos. De acordo com o Ministério Público do Estado, o delegado, por intermédio de Expedito, teria fornecido cocaína gratuitamente a usuário de drogas com o objetivo de forjar confissão de autoria em relação a homicídio ocorrido naquele município, em 2016.
O cumprimento da sentença de Jefferson Lopes será no regime semiaberto, podendo aguardar o recurso em liberdade. Já para Expedito Raimundo, foi fixado o regime aberto.
Além dos dois, o inspetor Hildon Lopes de Souza é acusado, no mesmo processo, por abuso de autoridade. Por se tratar de delito de menor potencial ofensivo, o juiz Wildemberg Ferreira remeteu a ação para o Juizado Especial Cível e Criminal (JECC).
Uol

O delegado da Polícia civil Jefferson Lopes Custódio foi condenado a 5 anos e 6 meses de prisão pela Justiça cearense. O juiz Wildemberg Ferreira de Sousa, da Comarca de Senador Pompeu, ainda determinou a perda do cargo de delegado, pelo cometimento dos crimes de tráfico de drogas e denunciação caluniosa.
O magistrado destacou que “a culpabilidade do réu mostra-se gravíssima, uma vez que, na condição de delegado da Polícia Civil, possuía elevado grau de consciência da ilicitude da conduta praticada, a exigir maior reprovação”.
Além dele, Expedito Raimundo do Rêgo foi sentenciado a 3 anos e 10 meses de reclusão pela participação nos mesmos delitos. De acordo com o Ministério Público do Estado, o delegado, por intermédio de Expedito, teria fornecido cocaína gratuitamente a usuário de drogas com o objetivo de forjar confissão de autoria em relação a homicídio ocorrido naquele município, em 2016.
O cumprimento da sentença de Jefferson Lopes será no regime semiaberto, podendo aguardar o recurso em liberdade. Já para Expedito Raimundo, foi fixado o regime aberto.
Além dos dois, o inspetor Hildon Lopes de Souza é acusado, no mesmo processo, por abuso de autoridade. Por se tratar de delito de menor potencial ofensivo, o juiz Wildemberg Ferreira remeteu a ação para o Juizado Especial Cível e Criminal (JECC).
Uol