Lucélio Cartaxo recebe R$ 15 mil mas não comprova expediente em Brasília e pode ser considerado ‘funcionário fantasma’

LuFantasmaO pré-candidato das oposições ao Governo da Paraíba, Lucélio Cartaxo (PV), que já foi presidente municipal do PSD em João Pessoa, ainda figura entre os 25 assessores lotados no gabinete do deputado federal Rômulo Gouveia (PSD), recebendo a bagatela de mais de R$ 15 mil/mês. Os dados estão no Portal da Transparência da Câmara Federal.
A informação não é nova, porém a prática ainda deixa suspeitas que até hoje nem foram explicadas nem comprovadas.
A suspeita é de que o irmão do prefeito Cartaxo seria uma espécie de funcionário fantasma, já que não teria local de trabalho fixo nem em Brasília, onde o deputado Rômulo atua, nem na Capital, já que sequer é mais filiado à legenda do parlamentar.
Ainda conforme dados do Portal da Transparência da Câmara Federal, Lucélio Cartaxo está lotado como assessor de Rômulo Gouveia desde dezembro de 2015, mesmo ano em que ele e o irmão deixaram o PT para se filiar ao PSD.
Assim que entrou no PSD, Lucélio assumiu a função de presidente do Diretório Municipal na Capital e, desde então, não há registros de que tenha assumido outros cargos públicos. Ele já foi superintendente da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) na Paraíba e presidente da Companhia Docas do Governo do Estado.
À época da denúncia dando conta do suposto vínculo fantasma, o prefeito Cartaxo chegou a declarar que seu irmão gêmeo dava sim expediente em Brasília, Capital Federal, mas não disse ondem nem o horário do expediente.
“Ele trabalha lá, dá expediente, está valorizando o trabalho do deputado federal Rômulo Gouveia que está trabalhando muito pelo estado da Paraíba”, disse na ocasião.
Já Lucélio, até agora, não apresentou, oficialmente, provas sobre seu local de trabalho, suas atribuições e nem informou qual é a carga horária de expediente que justificasse uma remuneração tão pomposa, que chega a ser maior de que o subsídio de centenas de prefeitos e vereadores distribuídos pelo Brasil afora e 15 vezes maior que o valor pago a um trabalhador assalariado com carteira assinada.
Em um cálculo rápido, nesses quase três anos de vínculo, entre vencimentos, férias e décimo terceiro, Lucélio jaá embolsou aproximadamente R$ 400 mil reais da Câmara Federal.
Segundo apurou a reportagem do PB Agora, o envolvimento do nome de Lucélio Cartaxo como um suposto funcionário fantasma já começa a mexer com as estratégias da oposição. Uma fonte do grupo informou que a possibilidade de a oposição repensar a estratégia de lançá-lo candidato ao Governo da Paraíba é real.
Em vez de plano L, o grupo pode ressuscitar o plano P, com Pedro Cunha Lima na disputa pelo Governo e Cássio ao Senado, retornando para a chapa familiar.
Já Lucélio retornaria ao plano original de tentar disputar uma das 36 vagas na Assembleia Legislativa da Paraíba.
A reportagem do PB Agora tentou entrar em contato com Lucélio, mas ainda não obteve êxito, para falar sobre o caso.
PB Agora

LuFantasmaO pré-candidato das oposições ao Governo da Paraíba, Lucélio Cartaxo (PV), que já foi presidente municipal do PSD em João Pessoa, ainda figura entre os 25 assessores lotados no gabinete do deputado federal Rômulo Gouveia (PSD), recebendo a bagatela de mais de R$ 15 mil/mês. Os dados estão no Portal da Transparência da Câmara Federal.
A informação não é nova, porém a prática ainda deixa suspeitas que até hoje nem foram explicadas nem comprovadas.
A suspeita é de que o irmão do prefeito Cartaxo seria uma espécie de funcionário fantasma, já que não teria local de trabalho fixo nem em Brasília, onde o deputado Rômulo atua, nem na Capital, já que sequer é mais filiado à legenda do parlamentar.
Ainda conforme dados do Portal da Transparência da Câmara Federal, Lucélio Cartaxo está lotado como assessor de Rômulo Gouveia desde dezembro de 2015, mesmo ano em que ele e o irmão deixaram o PT para se filiar ao PSD.
Assim que entrou no PSD, Lucélio assumiu a função de presidente do Diretório Municipal na Capital e, desde então, não há registros de que tenha assumido outros cargos públicos. Ele já foi superintendente da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) na Paraíba e presidente da Companhia Docas do Governo do Estado.
À época da denúncia dando conta do suposto vínculo fantasma, o prefeito Cartaxo chegou a declarar que seu irmão gêmeo dava sim expediente em Brasília, Capital Federal, mas não disse ondem nem o horário do expediente.
“Ele trabalha lá, dá expediente, está valorizando o trabalho do deputado federal Rômulo Gouveia que está trabalhando muito pelo estado da Paraíba”, disse na ocasião.
Já Lucélio, até agora, não apresentou, oficialmente, provas sobre seu local de trabalho, suas atribuições e nem informou qual é a carga horária de expediente que justificasse uma remuneração tão pomposa, que chega a ser maior de que o subsídio de centenas de prefeitos e vereadores distribuídos pelo Brasil afora e 15 vezes maior que o valor pago a um trabalhador assalariado com carteira assinada.
Em um cálculo rápido, nesses quase três anos de vínculo, entre vencimentos, férias e décimo terceiro, Lucélio jaá embolsou aproximadamente R$ 400 mil reais da Câmara Federal.
Segundo apurou a reportagem do PB Agora, o envolvimento do nome de Lucélio Cartaxo como um suposto funcionário fantasma já começa a mexer com as estratégias da oposição. Uma fonte do grupo informou que a possibilidade de a oposição repensar a estratégia de lançá-lo candidato ao Governo da Paraíba é real.
Em vez de plano L, o grupo pode ressuscitar o plano P, com Pedro Cunha Lima na disputa pelo Governo e Cássio ao Senado, retornando para a chapa familiar.
Já Lucélio retornaria ao plano original de tentar disputar uma das 36 vagas na Assembleia Legislativa da Paraíba.
A reportagem do PB Agora tentou entrar em contato com Lucélio, mas ainda não obteve êxito, para falar sobre o caso.
PB Agora