Disque Denúncia já recebeu mais de 100 ligações sobre o caso Marielle Franco

O Disque Denúncia informou, nesta quinta-feira (19), que já recebeu mais de cem ligações sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco. Até 8h25, foram exatamente 104 denúncias.
O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse na segunda-feira (16) que a principal linha investigativa envolve a atuação de milícias. O caso completou 1 mês no último sábado (14), com poucas informações da polícia e nenhum apontado como autor ou mandante do crime.
Jungmann argumenta que, casos como as mortes do servente de pedreiro Amarildo de Souza, em 2013, e da juíza Patrícia Accioli, em 2011, levaram mais de um mês para serem resolvidos.
Questionado sobre uma possível participação de vereadores, Jungmann respondeu: “Não saberia dizer, mas acho que não podemos descartar nada”.
Apesar da dificuldade pela falta de indícios, o ministro se disse otimista pelo desfecho.
“Ainda assim, a investigação avança e há um ânimo – percebi tanto do general (Richard Nunes, secretário de segurança) e ele me repassou que da equipe – que estão em boa pista, estão de fato avançando nesse trabalho de investigação para que em breve possamos ter a elucidação dessa tragédia”.
G1

O Disque Denúncia informou, nesta quinta-feira (19), que já recebeu mais de cem ligações sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco. Até 8h25, foram exatamente 104 denúncias.
O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse na segunda-feira (16) que a principal linha investigativa envolve a atuação de milícias. O caso completou 1 mês no último sábado (14), com poucas informações da polícia e nenhum apontado como autor ou mandante do crime.
Jungmann argumenta que, casos como as mortes do servente de pedreiro Amarildo de Souza, em 2013, e da juíza Patrícia Accioli, em 2011, levaram mais de um mês para serem resolvidos.
Questionado sobre uma possível participação de vereadores, Jungmann respondeu: “Não saberia dizer, mas acho que não podemos descartar nada”.
Apesar da dificuldade pela falta de indícios, o ministro se disse otimista pelo desfecho.
“Ainda assim, a investigação avança e há um ânimo – percebi tanto do general (Richard Nunes, secretário de segurança) e ele me repassou que da equipe – que estão em boa pista, estão de fato avançando nesse trabalho de investigação para que em breve possamos ter a elucidação dessa tragédia”.
G1