Secretários de Igaracy envolvidos na morte de cães são denunciados pelo MPPB

Os secretários de Saúde e Infraestrutura do município de Igaracy, no Sertão da Paraíba, foram denunciados pelo Ministério Público da Paraíba nesta quarta-feira (18) por envolvimento na morte de mais de 30 cães que foram sacrificados no dia 6 de março.
O promotor de Justiça de Piancó, José Leonardo Clementino, denunciou ao juízo da 2ª Vara Mista da Comarca de Piancó denunciou José Carlos Maia, secretário de Saúde, e Francisco Edilson Lacerda, secretário de Infraestrutura por crime ambiental continuado.
Além disso, o MPPB também enviou o processo à Procuradoria-Geral de Justiça para que analise a responsabilidade penal do prefeito da cidade, que tem foro privilegiado. Um marchante que teria participado da matança está sendo procurado pela polícia.
“Além dessa ação penal, o MPPB analisa a propositura de ação civil pública por atos de improbidade administrativa, que pode resultar em perda do cargo, inabilitação para o exercício de cargo público, suspensão dos direitos políticos e multa civil dos envolvidos. Em até 30 dias o MP deve concluir essa análise e abrir esta outra ação, agora no âmbito civil”, explicou o promotor Leonardo Pinto.

Investigados
De acordo com o delegado Glênerson Fernandes, cinco pessoas foram apontadas como envolvidos na morte dos cães. Após a conclusão do inquérito, os suspeitos podem ser indiciados pelos crimes de maus-tratos e descarte irregular de animais.

Entenda o caso
Mais de 30 cães foram mortos após a Secretaria Municipal de Saúde de Igaracy ordenar a morte dos animais, alegando que eles estavam abandonados nas ruas, apresentando perfil violento e com doenças. Os moradores denunciaram o caso, que ganhou grande repercussão.
A Polícia Civil, o Ministério Público da Paraíba e (MPPB) o Conselho Regional de Medicina Veterinária da Paraíba (CRMV-PB) investigam o caso.
Após recomendação do Ministério Público da Paraíba (MPPB), o prefeito da cidade de Igaracy, José Carneiro Almeida da Silva, exonerou José Carlos Maia do cargo de secretário de Saúde do município e o afastou da função de veterinário. A exoneração foi divulgada no dia 9 de março.
O laudo pericial do Instituto de Polícia Civil (IPC) de Patos apontou que a morte dos cerca de 30 cães, em Igaracy, foi ocasionada de forma violenta, por meio de lesões traumáticas. O resultado do laudo foi entregue no dia 26 de março à Polícia Civil e contraria a versão apresentada inicialmente por José Carlos Maia, que na época secretário de saúde do município e ordenou a matança dos animais, de que os cachorros haviam passado pelo procedimento de eutanásia.
Sobre o laudo pericial da morte dos animais, Glêberson Fernandes disse que o resultado comprovou a hipótese levantada pela Polícia Civil, de que a morte dos animais tinha acontecido de forma violenta. “O laudo veio confirmar aquilo que estávamos suspeitando da utilização de meios cruéis para o sacrifício dos cachorros”, comentou.
G1 PB

Os secretários de Saúde e Infraestrutura do município de Igaracy, no Sertão da Paraíba, foram denunciados pelo Ministério Público da Paraíba nesta quarta-feira (18) por envolvimento na morte de mais de 30 cães que foram sacrificados no dia 6 de março.
O promotor de Justiça de Piancó, José Leonardo Clementino, denunciou ao juízo da 2ª Vara Mista da Comarca de Piancó denunciou José Carlos Maia, secretário de Saúde, e Francisco Edilson Lacerda, secretário de Infraestrutura por crime ambiental continuado.
Além disso, o MPPB também enviou o processo à Procuradoria-Geral de Justiça para que analise a responsabilidade penal do prefeito da cidade, que tem foro privilegiado. Um marchante que teria participado da matança está sendo procurado pela polícia.
“Além dessa ação penal, o MPPB analisa a propositura de ação civil pública por atos de improbidade administrativa, que pode resultar em perda do cargo, inabilitação para o exercício de cargo público, suspensão dos direitos políticos e multa civil dos envolvidos. Em até 30 dias o MP deve concluir essa análise e abrir esta outra ação, agora no âmbito civil”, explicou o promotor Leonardo Pinto.

Investigados
De acordo com o delegado Glênerson Fernandes, cinco pessoas foram apontadas como envolvidos na morte dos cães. Após a conclusão do inquérito, os suspeitos podem ser indiciados pelos crimes de maus-tratos e descarte irregular de animais.

Entenda o caso
Mais de 30 cães foram mortos após a Secretaria Municipal de Saúde de Igaracy ordenar a morte dos animais, alegando que eles estavam abandonados nas ruas, apresentando perfil violento e com doenças. Os moradores denunciaram o caso, que ganhou grande repercussão.
A Polícia Civil, o Ministério Público da Paraíba e (MPPB) o Conselho Regional de Medicina Veterinária da Paraíba (CRMV-PB) investigam o caso.
Após recomendação do Ministério Público da Paraíba (MPPB), o prefeito da cidade de Igaracy, José Carneiro Almeida da Silva, exonerou José Carlos Maia do cargo de secretário de Saúde do município e o afastou da função de veterinário. A exoneração foi divulgada no dia 9 de março.
O laudo pericial do Instituto de Polícia Civil (IPC) de Patos apontou que a morte dos cerca de 30 cães, em Igaracy, foi ocasionada de forma violenta, por meio de lesões traumáticas. O resultado do laudo foi entregue no dia 26 de março à Polícia Civil e contraria a versão apresentada inicialmente por José Carlos Maia, que na época secretário de saúde do município e ordenou a matança dos animais, de que os cachorros haviam passado pelo procedimento de eutanásia.
Sobre o laudo pericial da morte dos animais, Glêberson Fernandes disse que o resultado comprovou a hipótese levantada pela Polícia Civil, de que a morte dos animais tinha acontecido de forma violenta. “O laudo veio confirmar aquilo que estávamos suspeitando da utilização de meios cruéis para o sacrifício dos cachorros”, comentou.
G1 PB