Delegado da Polícia Federal derruba caixas de som e causa confusão em ato pró-Lula em Curitiba

estragoO delegado da Polícia Federal (PF) Gastão Schefer Neto empurrou e derrubou equipamentos de som durante um ato da vigília em apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em Curitiba, nesta sexta-feira (4), de acordo com a Polícia Militar (PM).
Conforme a PM, Schefer Neto derrubou as caixas de som, incitando uma confusão. Militantes levaram o delegado até os policiais que fazem a segurança dos arredores da superintendência.
Ninguém ficou ferido. A Polícia Civil informou que tanto o delegado quanto o movimento de apoio ao ex-presidente registraram Boletins de Ocorrência (B.O.) sobre o caso no 4º Distrito Policial.

A confusão
A PM informou que o delegado, que trabalha na Superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba, chegou sozinho ao local por volta das 9h30.
Os participantes da vigília estavam reunidos no local para o ato chamado “bom dia, presidente Lula”, quando se mobilizam para cumprimentar o ex-presidente, que está preso em Curitiba desde o dia 7 de abril.
A Polícia Federal afirmou que a situação vivida pelo delegado não tem relação com a função que ele exerce e que não vai se pronunciar sobre o ocorrido.
A coordenação do movimento afirmou que “independentemente das sanções penais cabíveis pela agressão praticada pelo delegado Gastão Schefer, a Polícia Federal tem a obrigação de tomar as medidas disciplinares em relação ao seu delegado que agrediu manifestantes pacíficos”.
Ainda conforme os militantes, o grupo está “legalmente ocupando as ruas nas imediações do prédio da Polícia Federal e cumprindo todas as cláusulas do acordo firmado com as autoridades”.
O G1 tenta contato com Gastão Schefer Neto sobre o caso.
G1

DELEGADO FOI REPROVADO EM TESTE PSICOTÉCNICO E É CONSIDERADO ´PERTURBADO´ POR SEUS COLEGAS

O delegado Federal Gastão Schefer Neto, que na manhã desta sexta-feira (04/05) atentou violentamente contra a Vigília Cívica que acompanha há 27 dias o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na sede da Superintendência Regional do Departamento de Polícia Federal do Paraná (SR/DPF/PR), foi reprovado em dois concursos psicotécnicos da própria Policia Federal. Ele garantiu vaga na Academia Nacional de Polícia, no ano de 2006, graças a um mandado judicial. Ou seja, está no cargo graças a uma decisão judicial que, ao contrário do ocorrido em 2009, não respeitou o resultado do teste psicotécnico.
Considerado por seus colegas como “um perturbado” e declaradamente antipetista, de direita, está no DPF desde 2003. Primeiro trabalhou como escrivão, aprovado regularmente em concurso. Depois tentou ser Agente de Polícia Federal inscrevendo-se no Edital nº 24/2004-DGP/DPF, mas foi barrado no psicotécnico. Ajuizou, em julho de 2005, com uma ação judicial na 6ª Vara Federal de Curitiba – Nº 2005.70.00.020039-6 – na qual até obteve liminarmente o direito de ingresso, mas a sentença definitiva, em outubro de 2009, não lhe deu razão e suspendeu a decisão anterior.
A esta altura, porém, ele já tinha cursado a Academia Nacional de Polícia Federal no curso preparatório para delegados. Seu ingresso ali também foi mediante ação judicial, uma vez ter sido novamente barrado no psicotécnico. Conseguiu se formar e hoje está lotado na Delegacia Fazendária da Superintendência do DPF no Paraná.
Brasil 247

estragoO delegado da Polícia Federal (PF) Gastão Schefer Neto empurrou e derrubou equipamentos de som durante um ato da vigília em apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em Curitiba, nesta sexta-feira (4), de acordo com a Polícia Militar (PM).
Conforme a PM, Schefer Neto derrubou as caixas de som, incitando uma confusão. Militantes levaram o delegado até os policiais que fazem a segurança dos arredores da superintendência.
Ninguém ficou ferido. A Polícia Civil informou que tanto o delegado quanto o movimento de apoio ao ex-presidente registraram Boletins de Ocorrência (B.O.) sobre o caso no 4º Distrito Policial.

A confusão
A PM informou que o delegado, que trabalha na Superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba, chegou sozinho ao local por volta das 9h30.
Os participantes da vigília estavam reunidos no local para o ato chamado “bom dia, presidente Lula”, quando se mobilizam para cumprimentar o ex-presidente, que está preso em Curitiba desde o dia 7 de abril.
A Polícia Federal afirmou que a situação vivida pelo delegado não tem relação com a função que ele exerce e que não vai se pronunciar sobre o ocorrido.
A coordenação do movimento afirmou que “independentemente das sanções penais cabíveis pela agressão praticada pelo delegado Gastão Schefer, a Polícia Federal tem a obrigação de tomar as medidas disciplinares em relação ao seu delegado que agrediu manifestantes pacíficos”.
Ainda conforme os militantes, o grupo está “legalmente ocupando as ruas nas imediações do prédio da Polícia Federal e cumprindo todas as cláusulas do acordo firmado com as autoridades”.
O G1 tenta contato com Gastão Schefer Neto sobre o caso.
G1

DELEGADO FOI REPROVADO EM TESTE PSICOTÉCNICO E É CONSIDERADO ´PERTURBADO´ POR SEUS COLEGAS

O delegado Federal Gastão Schefer Neto, que na manhã desta sexta-feira (04/05) atentou violentamente contra a Vigília Cívica que acompanha há 27 dias o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na sede da Superintendência Regional do Departamento de Polícia Federal do Paraná (SR/DPF/PR), foi reprovado em dois concursos psicotécnicos da própria Policia Federal. Ele garantiu vaga na Academia Nacional de Polícia, no ano de 2006, graças a um mandado judicial. Ou seja, está no cargo graças a uma decisão judicial que, ao contrário do ocorrido em 2009, não respeitou o resultado do teste psicotécnico.
Considerado por seus colegas como “um perturbado” e declaradamente antipetista, de direita, está no DPF desde 2003. Primeiro trabalhou como escrivão, aprovado regularmente em concurso. Depois tentou ser Agente de Polícia Federal inscrevendo-se no Edital nº 24/2004-DGP/DPF, mas foi barrado no psicotécnico. Ajuizou, em julho de 2005, com uma ação judicial na 6ª Vara Federal de Curitiba – Nº 2005.70.00.020039-6 – na qual até obteve liminarmente o direito de ingresso, mas a sentença definitiva, em outubro de 2009, não lhe deu razão e suspendeu a decisão anterior.
A esta altura, porém, ele já tinha cursado a Academia Nacional de Polícia Federal no curso preparatório para delegados. Seu ingresso ali também foi mediante ação judicial, uma vez ter sido novamente barrado no psicotécnico. Conseguiu se formar e hoje está lotado na Delegacia Fazendária da Superintendência do DPF no Paraná.
Brasil 247