Coreia do Norte suspende reunião com Seul

encontroKimA Coreia do Norte, por meio da agência oficial KCNA, disse nesta quarta-feira (16, pela hora local) que irá suspender as conversações de alto nível com a Coreia do Sul que haviam sido programadas para esta quarta, citando como motivos exercícios militares conjuntos de Seul com os EUA.
As duas Coreias haviam marcado uma reunião numa vila de fronteira para discutir o início de conversações entre militares e a Cruz Vermelha, com o objetivo de reduzir a tensão nas fronteiras e reiniciar os encontros entre famílias separadas pela Guerra da Coréia.
Pyongyang afirma que os exercícios são um treino de invasão do Norte e uma provocação em meio à melhora de relações entre as duas Coreias.
A nota também questiona se a cúpula do próximo mês entre o líder norte-coreano Kim Jong-un e o presidente dos EUA, Donald Trump, pode ser realizada como planejado.
“Este exercício dirigido a nós, que está sendo realizado em toda a Coreia do Sul e nos alvejando, é um desafio flagrante à Declaração de Panmunjom e uma provocação militar intencional que vai contra o desenvolvimento político positivo na Península Coreana”, diz o texto da KCNA.
“Os Estados Unidos também terão que empreender deliberações cuidadosas sobre o destino da planejada cúpula da Coréia do Norte-EUA, à luz deste tumulto militar provocativo conduzido em conjunto com as autoridades sul-coreanas”, acrescenta.
G1

encontroKimA Coreia do Norte, por meio da agência oficial KCNA, disse nesta quarta-feira (16, pela hora local) que irá suspender as conversações de alto nível com a Coreia do Sul que haviam sido programadas para esta quarta, citando como motivos exercícios militares conjuntos de Seul com os EUA.
As duas Coreias haviam marcado uma reunião numa vila de fronteira para discutir o início de conversações entre militares e a Cruz Vermelha, com o objetivo de reduzir a tensão nas fronteiras e reiniciar os encontros entre famílias separadas pela Guerra da Coréia.
Pyongyang afirma que os exercícios são um treino de invasão do Norte e uma provocação em meio à melhora de relações entre as duas Coreias.
A nota também questiona se a cúpula do próximo mês entre o líder norte-coreano Kim Jong-un e o presidente dos EUA, Donald Trump, pode ser realizada como planejado.
“Este exercício dirigido a nós, que está sendo realizado em toda a Coreia do Sul e nos alvejando, é um desafio flagrante à Declaração de Panmunjom e uma provocação militar intencional que vai contra o desenvolvimento político positivo na Península Coreana”, diz o texto da KCNA.
“Os Estados Unidos também terão que empreender deliberações cuidadosas sobre o destino da planejada cúpula da Coréia do Norte-EUA, à luz deste tumulto militar provocativo conduzido em conjunto com as autoridades sul-coreanas”, acrescenta.
G1