Livro retrata mulheres que se destacam na construção civil

capa livroA inclusão das mulheres no mercado de trabalho da construção civil não é algo novo. A inserção feminina no setor teve um crescimento significativo a partir dos anos 2000. Desde então, o gênero vem se destacando em diversos cargos, principalmente na engenharia. O livro Flores nos Canteiros, que será lançado no dia 24 de maio de 2018, retrata a história de duas engenheiras civis que se destacaram na construção de uma das obras mais rápidas da Paraíba. Cida Medeiros e Luzia Teles conduziram a construção do Motiva Oriental, localizado no bairro Altiplano, um empreendimento equiparado a 10 prédios de 10 andares, em apenas oito meses.
De acordo com a autora do livro, Flávia Lopes, a obra busca mostrar a representatividade feminina em setores de trabalho conhecidos pela predominância masculina, como setor da construção civil. “O livro Flores nos Canteiros fala de engenharia de forma humanizada. Nesse perfil jornalístico contamos a história de superação de duas mulheres engenheiras que lutaram para chegar onde estão e hoje se destacaram na profissão que escolheram, mostrando que lugar de mulher é em todo canto, menos no lugar comum”, afirma.
Flores nos Canteiros também mostra um pouco do cenário paraibano no setor da construção civil, contanto com entrevistas de mulheres de destaque, como Giucélia Figueiredo, atual presidente do Conselho Regional de Engenharia da Paraíba (CREA-PB) e primeira a assumir o cargo e Auméria Carniato, pioneira a presidir o Sindicato dos Engenheiros da Paraíba.

Um livro para todos os públicos
De acordo com Flávia Lopes, Flores nos Canteiros tem a pretensão de atingir diversos públicos de leitores. “O livro foi escrito para quem busca inspiração, seja na vida ou na carreira profissional. Além disso, traz também um capítulo mais técnico, com uma entrevista com as engenheiras explicando seus métodos de atuação no campo da engenharia, dicas que pode ajudar outros profissionais a também erguerem uma obra de sucesso. Os conselhos de Cida e Luzia são essenciais para quem quer aprender sobre planejamento e controle dentro da construção civil, ou também, aplicar essas dicas em outro setor”.

A autora_foto por Ana Patrícia AlmeidaSobre a autora
Flores nos Canteiros é o primeiro livro de Flávia Lopes, jornalista cearense radicada na Paraíba. A escritora e jornalista por profissão nasceu em Fortaleza, Ceará, mas cedo se mudou para João Pessoa, na Paraíba, local onde se formou em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal da Paraíba. Atualmente é pesquisadora da Pós-graduação em Comunicação da UFPB, na linha de pesquisa Mídia, Cotidiano e Imaginário.
Já trabalhou em diversos setores da área de jornalismo, desde jornais impressos, portais, programas de TV a assessorias de comunicação. Já ganhou o 1º lugar no Concurso Universitário de Reportagem do Jornal da Paraíba (2011) e 2º lugar no Prêmio Sebrae de Jornalismo, na etapa regional (2015).

Mulheres na engenharia
De acordo com dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) do Ministério do Trabalho, o crescimento médio da participação feminina trabalhando em edificações no Brasil chega a marcar 20% ao ano.
No território paraibano, cerca de 15% do total de profissionais engenheiras (somando todas as modalidades) são mulheres. Dos 13.077 engenheiros atuantes, apenas 2.091 são do gênero feminino, enquanto 10.994 são homens, também segundo dados do Confea, colhidos em janeiro de 2017.
Na Paraíba, a quantidade de engenheiras civis registradas no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-PB) totaliza 1070 mulheres, até o início deste ano de 2017, um número considerável frente ao quantitativo de homens que atuam na mesma profissão, que soma 2708.

capa livroA inclusão das mulheres no mercado de trabalho da construção civil não é algo novo. A inserção feminina no setor teve um crescimento significativo a partir dos anos 2000. Desde então, o gênero vem se destacando em diversos cargos, principalmente na engenharia. O livro Flores nos Canteiros, que será lançado no dia 24 de maio de 2018, retrata a história de duas engenheiras civis que se destacaram na construção de uma das obras mais rápidas da Paraíba. Cida Medeiros e Luzia Teles conduziram a construção do Motiva Oriental, localizado no bairro Altiplano, um empreendimento equiparado a 10 prédios de 10 andares, em apenas oito meses.
De acordo com a autora do livro, Flávia Lopes, a obra busca mostrar a representatividade feminina em setores de trabalho conhecidos pela predominância masculina, como setor da construção civil. “O livro Flores nos Canteiros fala de engenharia de forma humanizada. Nesse perfil jornalístico contamos a história de superação de duas mulheres engenheiras que lutaram para chegar onde estão e hoje se destacaram na profissão que escolheram, mostrando que lugar de mulher é em todo canto, menos no lugar comum”, afirma.
Flores nos Canteiros também mostra um pouco do cenário paraibano no setor da construção civil, contanto com entrevistas de mulheres de destaque, como Giucélia Figueiredo, atual presidente do Conselho Regional de Engenharia da Paraíba (CREA-PB) e primeira a assumir o cargo e Auméria Carniato, pioneira a presidir o Sindicato dos Engenheiros da Paraíba.

Um livro para todos os públicos
De acordo com Flávia Lopes, Flores nos Canteiros tem a pretensão de atingir diversos públicos de leitores. “O livro foi escrito para quem busca inspiração, seja na vida ou na carreira profissional. Além disso, traz também um capítulo mais técnico, com uma entrevista com as engenheiras explicando seus métodos de atuação no campo da engenharia, dicas que pode ajudar outros profissionais a também erguerem uma obra de sucesso. Os conselhos de Cida e Luzia são essenciais para quem quer aprender sobre planejamento e controle dentro da construção civil, ou também, aplicar essas dicas em outro setor”.

A autora_foto por Ana Patrícia AlmeidaSobre a autora
Flores nos Canteiros é o primeiro livro de Flávia Lopes, jornalista cearense radicada na Paraíba. A escritora e jornalista por profissão nasceu em Fortaleza, Ceará, mas cedo se mudou para João Pessoa, na Paraíba, local onde se formou em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal da Paraíba. Atualmente é pesquisadora da Pós-graduação em Comunicação da UFPB, na linha de pesquisa Mídia, Cotidiano e Imaginário.
Já trabalhou em diversos setores da área de jornalismo, desde jornais impressos, portais, programas de TV a assessorias de comunicação. Já ganhou o 1º lugar no Concurso Universitário de Reportagem do Jornal da Paraíba (2011) e 2º lugar no Prêmio Sebrae de Jornalismo, na etapa regional (2015).

Mulheres na engenharia
De acordo com dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) do Ministério do Trabalho, o crescimento médio da participação feminina trabalhando em edificações no Brasil chega a marcar 20% ao ano.
No território paraibano, cerca de 15% do total de profissionais engenheiras (somando todas as modalidades) são mulheres. Dos 13.077 engenheiros atuantes, apenas 2.091 são do gênero feminino, enquanto 10.994 são homens, também segundo dados do Confea, colhidos em janeiro de 2017.
Na Paraíba, a quantidade de engenheiras civis registradas no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-PB) totaliza 1070 mulheres, até o início deste ano de 2017, um número considerável frente ao quantitativo de homens que atuam na mesma profissão, que soma 2708.