Prerrogativas da advocacia estão sendo constrangidas por ações de combate à corrupção, afirma presidente do IAB

“A Ordem dos Advogados do Brasil e o Instituto dos Advogados Brasileiros têm que agir, de maneira conjunta, para proteger o amplo direito de defesa, assegurado pela Constituição Federal, e as prerrogativas da advocacia, que estão sendo constrangidos por ações de combate à corrupção.” A afirmação foi feita pela presidente nacional do IAB, Rita Cortez, nesta terça-feira (22/5), em Brasília, na sessão ordinária do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (CFOAB), no qual o Instituto tem assento e voz. Rita Cortez afirmou, ainda, que “O IAB e OAB precisam se unir em defesa do estado democrático de direito, ajudando na construção de uma agenda positiva para o País, que vive um momento muito difícil da sua história, e lutando contra o desrespeito às garantias individuais e a criminalização da advocacia”.

Ao recepcionar a nova presidente do IAB, que assumiu o cargo no dia 9 de maio último para o biênio 2018/2020, o presidente do Conselho Federal da OAB, Claudio Lamachia, disse: “Como afirmei à estimada colega Rita Cortez em sua posse, no Rio de Janeiro, o IAB e a OAB precisam continuar unidos na proteção à democracia e à advocacia”. Na sua primeira manifestação no Conselho Pleno, Rita Cortez também reiterou as críticas feitas por Lamachia à criação desenfreada de cursos jurídicos. “Eles proliferam pelo País, sem qualquer controle em relação à qualidade do ensino prestado aos futuros advogados”, disse. A presidente do IAB compareceu à sessão ordinária acompanhada do 2º vice-presidente, Sydney Sanches; da 3ª vice-presidente, Adriana Brasil Guimarães; do diretor Financeiro, Arnon Velmovitsky, e do diretor adjunto Luiz Felipe Conde.

Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB)
Assessoria de Imprensa
Fernanda Pedrosa

“A Ordem dos Advogados do Brasil e o Instituto dos Advogados Brasileiros têm que agir, de maneira conjunta, para proteger o amplo direito de defesa, assegurado pela Constituição Federal, e as prerrogativas da advocacia, que estão sendo constrangidos por ações de combate à corrupção.” A afirmação foi feita pela presidente nacional do IAB, Rita Cortez, nesta terça-feira (22/5), em Brasília, na sessão ordinária do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (CFOAB), no qual o Instituto tem assento e voz. Rita Cortez afirmou, ainda, que “O IAB e OAB precisam se unir em defesa do estado democrático de direito, ajudando na construção de uma agenda positiva para o País, que vive um momento muito difícil da sua história, e lutando contra o desrespeito às garantias individuais e a criminalização da advocacia”.

Ao recepcionar a nova presidente do IAB, que assumiu o cargo no dia 9 de maio último para o biênio 2018/2020, o presidente do Conselho Federal da OAB, Claudio Lamachia, disse: “Como afirmei à estimada colega Rita Cortez em sua posse, no Rio de Janeiro, o IAB e a OAB precisam continuar unidos na proteção à democracia e à advocacia”. Na sua primeira manifestação no Conselho Pleno, Rita Cortez também reiterou as críticas feitas por Lamachia à criação desenfreada de cursos jurídicos. “Eles proliferam pelo País, sem qualquer controle em relação à qualidade do ensino prestado aos futuros advogados”, disse. A presidente do IAB compareceu à sessão ordinária acompanhada do 2º vice-presidente, Sydney Sanches; da 3ª vice-presidente, Adriana Brasil Guimarães; do diretor Financeiro, Arnon Velmovitsky, e do diretor adjunto Luiz Felipe Conde.

Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB)
Assessoria de Imprensa
Fernanda Pedrosa