PF faz operação contra empresário suspeito de ameaçar caminhoneiros no RS

A Polícia Federal realizou, na manhã desta quinta-feira (31), uma operação contra um empresário suspeito de ameaçar caminhoneiros em rodovias do Rio Grande do Sul. Uma pessoa foi presa temporariamente em um condomínio de luxo em Xangri-Lá, no Litoral Norte. A identidade não foi divulgada.
“A gente não pode abrir muitas informações para não prejudicar investigações que estão em andamento”, disse o delegado Alexandre Isbarrola, superintendente da PF no Rio Grande do Sul, em coletiva no fim da manhã.
“Ocorrendo novos fatos, vamos identificar e responsabilizar essas pessoas”, acrescentou.
Também foram cumpridos três mandados de busca e apreensão nas cidades de Vale Real e Caxias do Sul, no Vale do Rio Pardo e na Serra.
A investigação foi iniciada na quarta-feira (30) após denúncias de que o administrador de uma grande transportadora estaria ameaçando caminhoneiros para que não realizassem o transporte de cargas.

“Trata-se de uma grande empresa, não divulgamos o nome, mas é uma grande transportadora, que agia com violência e ameaça, atuando com outras pessoas em rodovias estaduais e federais, e vias vicinais na Serra (…) Obrigavam caminhões a parar e impediam que seguissem se movimentando”, destacou Isbarrola.
Ainda de acordo com o delegado, os principais carregamentos impedidos de seguir viagem eram de proteína animal e ração, além de combustíveis. “São elementos contundentes que pegamos da atuação deles. Sócios atuavam na coordenação desse movimento”, afirma.
A polícia informou ainda que motoristas teriam sido obrigados a abandonar os caminhões em postos de combustíveis das rodovias ERS-122, ERS-452 e BR-116.
De acordo com PF, a operação Unlocked (desbloqueado) investiga o crime de atentado contra a liberdade de trabalho e associação criminosa.
“Um dos principais objetivos dessa quadrilha era provocar o desabastecimento na região da Serra e Região Metropolitana”, resume o delegado.

O ministro Carlos Marun, da Secretaria de Governo, afirmou durante um pronunciamento no Palácio do Planalto que Rio Grande do Sul é o estado onde houve mais resistência para o fim das mobilizações.
“Nós sabemos que hoje o Rio Grande do Sul ainda é o estado onde temos as maiores dificuldades. E talvez a atuação deste empresário seja um dos fatores que esteja alimentando essa dificuldade”, afirma o ministro.
Nesta quinta-feira, foram publicados no Diário Oficial da União projetos que vão perder recursos por causa do subsídio do diesel. O RS vai perder 13,4 milhões. Entre os cortes, R$ 2,2 milhões para a área da saúde em Porto Alegre. Outros R$ 6,1 milhões a menos para a duplicação da BR-290 e obras na BR-285, em São José dos Ausentes.
G1

A Polícia Federal realizou, na manhã desta quinta-feira (31), uma operação contra um empresário suspeito de ameaçar caminhoneiros em rodovias do Rio Grande do Sul. Uma pessoa foi presa temporariamente em um condomínio de luxo em Xangri-Lá, no Litoral Norte. A identidade não foi divulgada.
“A gente não pode abrir muitas informações para não prejudicar investigações que estão em andamento”, disse o delegado Alexandre Isbarrola, superintendente da PF no Rio Grande do Sul, em coletiva no fim da manhã.
“Ocorrendo novos fatos, vamos identificar e responsabilizar essas pessoas”, acrescentou.
Também foram cumpridos três mandados de busca e apreensão nas cidades de Vale Real e Caxias do Sul, no Vale do Rio Pardo e na Serra.
A investigação foi iniciada na quarta-feira (30) após denúncias de que o administrador de uma grande transportadora estaria ameaçando caminhoneiros para que não realizassem o transporte de cargas.

“Trata-se de uma grande empresa, não divulgamos o nome, mas é uma grande transportadora, que agia com violência e ameaça, atuando com outras pessoas em rodovias estaduais e federais, e vias vicinais na Serra (…) Obrigavam caminhões a parar e impediam que seguissem se movimentando”, destacou Isbarrola.
Ainda de acordo com o delegado, os principais carregamentos impedidos de seguir viagem eram de proteína animal e ração, além de combustíveis. “São elementos contundentes que pegamos da atuação deles. Sócios atuavam na coordenação desse movimento”, afirma.
A polícia informou ainda que motoristas teriam sido obrigados a abandonar os caminhões em postos de combustíveis das rodovias ERS-122, ERS-452 e BR-116.
De acordo com PF, a operação Unlocked (desbloqueado) investiga o crime de atentado contra a liberdade de trabalho e associação criminosa.
“Um dos principais objetivos dessa quadrilha era provocar o desabastecimento na região da Serra e Região Metropolitana”, resume o delegado.

O ministro Carlos Marun, da Secretaria de Governo, afirmou durante um pronunciamento no Palácio do Planalto que Rio Grande do Sul é o estado onde houve mais resistência para o fim das mobilizações.
“Nós sabemos que hoje o Rio Grande do Sul ainda é o estado onde temos as maiores dificuldades. E talvez a atuação deste empresário seja um dos fatores que esteja alimentando essa dificuldade”, afirma o ministro.
Nesta quinta-feira, foram publicados no Diário Oficial da União projetos que vão perder recursos por causa do subsídio do diesel. O RS vai perder 13,4 milhões. Entre os cortes, R$ 2,2 milhões para a área da saúde em Porto Alegre. Outros R$ 6,1 milhões a menos para a duplicação da BR-290 e obras na BR-285, em São José dos Ausentes.
G1