Polícia prende genro suspeito de encomendar morte de empresário

A Polícia Civil da Paraíba prendeu, na manhã desta quinta-feira (7), o genro do empresário da construção civil Arnóbio Ferreira Nunes, 77 anos, assassinado em novembro do ano passado.
De acordo com as investigações, Antônio Cícero seria o mandante do crime, que teria custado cerca de R$ 130 mil. Além dele, outras seis pessoas foram presas por suspeita de envolvimento no crime.
Apesar das investigações o apontarem como mentor do assassinato, ele nega participação na morte do idoso e diz que “não faz ideia” dos motivos da acusação. A polícia, no entanto, considera a investigação do crime concluída.
O crime aconteceu no dia 24 de novembro do ano passado durante um suposto assalto em Manaíra quando o construtor chegava ao escritório de sua empresa. Imagens de câmeras de segurança mostram toda a ação do criminoso, que chegou ao local em uma motocicleta.
No dia 18 de abril deste ano, a polícia já havia prendido um homem suspeito de ser o executor do assassinato. As imagens do circuito de segurança ajudaram a policia chegar até ele.
MaisPB

A Polícia Civil da Paraíba prendeu, na manhã desta quinta-feira (7), o genro do empresário da construção civil Arnóbio Ferreira Nunes, 77 anos, assassinado em novembro do ano passado.
De acordo com as investigações, Antônio Cícero seria o mandante do crime, que teria custado cerca de R$ 130 mil. Além dele, outras seis pessoas foram presas por suspeita de envolvimento no crime.
Apesar das investigações o apontarem como mentor do assassinato, ele nega participação na morte do idoso e diz que “não faz ideia” dos motivos da acusação. A polícia, no entanto, considera a investigação do crime concluída.
O crime aconteceu no dia 24 de novembro do ano passado durante um suposto assalto em Manaíra quando o construtor chegava ao escritório de sua empresa. Imagens de câmeras de segurança mostram toda a ação do criminoso, que chegou ao local em uma motocicleta.
No dia 18 de abril deste ano, a polícia já havia prendido um homem suspeito de ser o executor do assassinato. As imagens do circuito de segurança ajudaram a policia chegar até ele.
MaisPB