Polícia Civil prende suspeito que deu seis versões sobre desaparecimento de menina

vitoria2A Polícia Civil confirmou neste sábado (16) que prendeu o suspeito que apresentou seis versões diferentes sobre o desaparecimento da menina Vitória Gabrielly, de 12 anos, em Araçariguama (SP). A Justiça atendeu ao pedido da polícia e decretou a prisão temporária por cinco dias do homem, que não teve a identidade divulgada.
O local para onde o servente de pedreiro foi levado é mantido em sigilo. Para a polícia, ele é a principal testemunha do caso, pois afirma que esteve com a garota na sexta-feira (8), quando ela foi vista pela última vez.
A Justiça também pediu sigilo da investigação. O caso é investigado pela Delegacia de Araçariguama, com apoio da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Sorocaba, e o Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) da capital.
Antes de o caso ficar sob sigilo, o delegado titular da DIG, Acácio Leite, justificou o pedido de prisão. “É melhor para as investigações ter um suspeito preso do que solto, assim eles devem direcionar melhor as buscas”, explica Acácio Leite, delegado titular da Delegacia de Investigações Gerais de Sorocaba, que participa do trabalho.

Investigação
O rapaz preso chegou a apontar locais por onde a menina pode ter passado em Mairinque, cidade a 20 quilômetros de distância. Depois de sete dias de buscas, a polícia já ouviu mais de 50 depoimentos distribuídos em várias linhas de investigação.
De acordo com informações divulgadas pelo delegado seccional Marcelo Carriel, o homem trabalha como servente de pedreiro, disse ser usuário de drogas e revelou que esteve com a garota junto com um casal em um carro.
O delegado não deu detalhes sobre a investigação, sem explicar como a menina foi parar dentro do veículo, mas diz que a menina pode ter sido levada por engano. O homem, que não teve a identidade divulgada, afirmou à polícia que foi deixado em uma rua na volta para Mairinque, cidade onde mora, e que a menina seguiu com o casal no carro.
“É uma das versões. É a versão principal, que não se sustenta muito também”, afirma Carriel.
Além do homem, um casal também prestou esclarecimentos à polícia e teve o carro apreendido. O casal foi liberado na noite desta quinta-feira (14).

Desaparecimento
Segundo o boletim de ocorrência, registrado no dia 9 de junho, a família informou à polícia que Vitória Gabrielly Guimarães Vaz saiu para andar de patins na sexta-feira (8), por volta de 13h30, perto de um ginásio que fica no bairro onde mora, na Vila Nova.
Ao chegar em casa no fim da tarde, a mãe não encontrou a garota. Ao procurar na casa da tia, onde ela tem costume de ir, a mãe soube que não estava lá, segundo o B.O.
Durante sete dias foram feitas buscas em matas e na Represa de Itupararanga, inclusive com a ajuda de cães farejadores, equipes dos bombeiros e do Comando de Operações Especiais (COE).
G1

vitoria2A Polícia Civil confirmou neste sábado (16) que prendeu o suspeito que apresentou seis versões diferentes sobre o desaparecimento da menina Vitória Gabrielly, de 12 anos, em Araçariguama (SP). A Justiça atendeu ao pedido da polícia e decretou a prisão temporária por cinco dias do homem, que não teve a identidade divulgada.
O local para onde o servente de pedreiro foi levado é mantido em sigilo. Para a polícia, ele é a principal testemunha do caso, pois afirma que esteve com a garota na sexta-feira (8), quando ela foi vista pela última vez.
A Justiça também pediu sigilo da investigação. O caso é investigado pela Delegacia de Araçariguama, com apoio da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Sorocaba, e o Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) da capital.
Antes de o caso ficar sob sigilo, o delegado titular da DIG, Acácio Leite, justificou o pedido de prisão. “É melhor para as investigações ter um suspeito preso do que solto, assim eles devem direcionar melhor as buscas”, explica Acácio Leite, delegado titular da Delegacia de Investigações Gerais de Sorocaba, que participa do trabalho.

Investigação
O rapaz preso chegou a apontar locais por onde a menina pode ter passado em Mairinque, cidade a 20 quilômetros de distância. Depois de sete dias de buscas, a polícia já ouviu mais de 50 depoimentos distribuídos em várias linhas de investigação.
De acordo com informações divulgadas pelo delegado seccional Marcelo Carriel, o homem trabalha como servente de pedreiro, disse ser usuário de drogas e revelou que esteve com a garota junto com um casal em um carro.
O delegado não deu detalhes sobre a investigação, sem explicar como a menina foi parar dentro do veículo, mas diz que a menina pode ter sido levada por engano. O homem, que não teve a identidade divulgada, afirmou à polícia que foi deixado em uma rua na volta para Mairinque, cidade onde mora, e que a menina seguiu com o casal no carro.
“É uma das versões. É a versão principal, que não se sustenta muito também”, afirma Carriel.
Além do homem, um casal também prestou esclarecimentos à polícia e teve o carro apreendido. O casal foi liberado na noite desta quinta-feira (14).

Desaparecimento
Segundo o boletim de ocorrência, registrado no dia 9 de junho, a família informou à polícia que Vitória Gabrielly Guimarães Vaz saiu para andar de patins na sexta-feira (8), por volta de 13h30, perto de um ginásio que fica no bairro onde mora, na Vila Nova.
Ao chegar em casa no fim da tarde, a mãe não encontrou a garota. Ao procurar na casa da tia, onde ela tem costume de ir, a mãe soube que não estava lá, segundo o B.O.
Durante sete dias foram feitas buscas em matas e na Represa de Itupararanga, inclusive com a ajuda de cães farejadores, equipes dos bombeiros e do Comando de Operações Especiais (COE).
G1