Medo

hiding-1209131_1920(1)“Tenho medo.”
– Segue em frete, faz o que eu te ensinei que você vai conseguir.
“Mas estou com muito medo.”
– Parado aqui seu medo vai passar?
“Acho que não, mas ao menos eu não vou me machucar.”
– Quem garante se você for vai se machucar?
“Quem garante que não vou?”
– Vai com medo.
“É pesado.”
– O quê?
“Ir com medo. O medo pesa. É mais difícil caminhar.”
– Difícil é ficar parado.
“Ficar parado eu não estou fazendo nada, sei como é, acaba sendo tranquilo.”
– Vai com medo mesmo. Mais tarde vai se arrepender de não ter ido. Usa o que te ensinei. É garantido você conseguir.
“Como posso começar?”
– Fica de pé.
“Estou de pé.”
– Agora começa a andar.
“Tenho medo.”
– Não fale mais que tem medo. Faça de conta que ele não existe. Simplesmente vá.
“Não é assim tão difícil.”
-Eu não disse? Espere! Pare em frente a esse espelho e diga a você mesmo o quanto é capaz e que tudo vai dar certo.
“Você é capaz e tudo vai dar certo. Confio em você.”
– Agora vá e não olhe para trás. Esquece essa história de medo, e se ele insistir em andar com você faça de conta que é seu companheiro e continue.
E assim lá foi o medroso…
Até que uma hora:
“Eu andei, continuei e de uma hora para outra estava correndo. Hoje descobri que posso voar!”
– E o medo?
“Que medo?”
Vivi Antunes é ajuntadora de letrinhas e assim o faz às segundas, quartas e sextas no www.viviantunes.com.br

hiding-1209131_1920(1)“Tenho medo.”
– Segue em frete, faz o que eu te ensinei que você vai conseguir.
“Mas estou com muito medo.”
– Parado aqui seu medo vai passar?
“Acho que não, mas ao menos eu não vou me machucar.”
– Quem garante se você for vai se machucar?
“Quem garante que não vou?”
– Vai com medo.
“É pesado.”
– O quê?
“Ir com medo. O medo pesa. É mais difícil caminhar.”
– Difícil é ficar parado.
“Ficar parado eu não estou fazendo nada, sei como é, acaba sendo tranquilo.”
– Vai com medo mesmo. Mais tarde vai se arrepender de não ter ido. Usa o que te ensinei. É garantido você conseguir.
“Como posso começar?”
– Fica de pé.
“Estou de pé.”
– Agora começa a andar.
“Tenho medo.”
– Não fale mais que tem medo. Faça de conta que ele não existe. Simplesmente vá.
“Não é assim tão difícil.”
-Eu não disse? Espere! Pare em frente a esse espelho e diga a você mesmo o quanto é capaz e que tudo vai dar certo.
“Você é capaz e tudo vai dar certo. Confio em você.”
– Agora vá e não olhe para trás. Esquece essa história de medo, e se ele insistir em andar com você faça de conta que é seu companheiro e continue.
E assim lá foi o medroso…
Até que uma hora:
“Eu andei, continuei e de uma hora para outra estava correndo. Hoje descobri que posso voar!”
– E o medo?
“Que medo?”
Vivi Antunes é ajuntadora de letrinhas e assim o faz às segundas, quartas e sextas no www.viviantunes.com.br