Venezuela é palco de novos protestos a favor e contra regime de Maduro

Grupos favoráveis e contrários a Nicolás Maduro se manifestam na Venezuela em mais um dia de protestos. As mobilizações acontecem em meio à crise energética que se agrava no país, com frequentes apagões e problemas no abastecimento de água. A crise teve início no dia 7 de março, quando começou a sequência de blecautes que paralisou boa parte da Venezuela durante pelo menos 11 dias.
Na sexta-feira (5), Maduro anunciou que 20 dos 23 estados do país serão alvo de um racionamento de energia durante 30 dias. O fornecimento de eletricidade será interrompido por até 21 horas por semana.
O governo limita os cortes a 3 horas por dia e garante que, em um dia da semana, cada região contará com o fornecimento de energia por 24 horas. A medida exclui o estado de Vargas, próximo a Caracas e onde fica o principal aeroporto da Venezuela; Amazonas e Delta Amacuro, regiões de fronteira e afastadas da capital.

Protestos são convocados no Twitter
Juan Guaidó convocou a manifestação “contra a obscuridade” nas redes sociais . Em sua postagem, Guaidó afirma que serão 358 pontos de protesto contra o regime de Maduro em todo o país.
Em Caracas, os opositores marcharam em direção ao prédio da Corporación Eléctrica (Corpoelec), a estatal de energia elétrica do país, enquanto os apoiadores de Maduro se reuniram em frente ao Palácio de Miraflores, sede da presidência.
“O vital é a água, é a luz, mas não viemos exigir apenas isso, mas a democracia”, disse Guaidó em Caracas.

Falta de luz e de água
O racionamento de energia anunciado por Nicolás Maduro na sexta (5) é resposta à sequência de blecautes que teve início no dia 7 de março, quando começou o apagão que paralisou o país por uma semana e se tornou o mais longo da história da Venezuela.
O apagão afetou 22 dos 23 estados venezuelanos, além da capital, Caracas, provocando a interrupção da água e o colapso do setor eletrônico bancário e dos hospitais. Os cortes de eletricidade são frequentes no país. Embora o governo os atribua a sabotagens da oposição, a oposição fala em abandono da infraestrutura e corrupção.
A série de blecautes provocou também uma crise de abastecimento de água. Grandes cidades venezuelanas dependem de sistemas de bombeamento que exigem muita eletricidade.
Durante pronunciamento em rede nacional no último domingo (31), Maduro afirmou que o regime tentará garantir o acesso à água. Na ocasião, o chavista voltou a atribuir os blecautes a uma suposta “guerra elétrica” provocada por “terroristas” contra o sistema elétrico venezuelano.
“Estamos administrando uma situação muito grave, porque o golpe afetou a capacidade de geração [da hidrelétrica] de Guri ao resto do país”, afirmou Maduro.
Pouco antes, o regime chavista havia anunciado a paralisação nas aulas e a redução da jornada de trabalho devido aos apagões.
Foto: Federico Parra/AFP
G1

Banner Add

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial