Romance- histórico sobre a conquista dos sertões paraibanos será lançado no próximo dia 03 de setembro em Campina Grande

Nesta terça-feira, 03 de setembro, às 19 horas, no Museu de Arte Popular da Paraíba (MAPP), em Campina Grande acontecerá o lançamento do livro A PASSAGEM DAS ESPINHARAS de autoria dos historiadores Vanderley e Erik Brito. Durante a solenidade, o livro será lançado pelo sócio – fundador do Instituto Histórico de Campina Grande – IHCG, o jurista, Félix Araújo Filho.
A obra foi lançada inicialmente no ginásio de Esportes da cidade de Passagem no sertão do Estado, no dia 21 de junho, e em João Pessoa o lançamento aconteceu na Fundação Casa de José Américo, no dia 09 de agosto.
Com 261 páginas, o livro é um romance-histórico, ou seja, uma obra sobre a história da Paraíba romanceada, misturando personagens reais e fictícios, e fatos históricos ilustrados com descrições paisagísticas, odoríficas, fenótipas, sensoriais, além de enriquecida com acréscimos “fatuais” imaginativos para a composição de uma trama fictícia que venha a seduzir o leitor. Enfim, é um livro lúdico sobre a história da conquista dos sertões paraibanos e de geografia física desses mesmos sertões.
O prefácio é da presidente de honra do Instituto Histórico de Campina Grande (IHCG), Maria Ida Steinmuller. “Para mim foi uma honra ser convidada para prefaciar a obra. Leitora de alguns títulos da renomada historiadora Mary Del Priore e dos best-sellers de Laurentino Gomes, cujas obras são escritas no estilo Nova História Cultural, facilitou-me a compreensão dos nossos fatos históricos, sem a aridez da descrição acadêmica. Vanderley e Erik, em simbiose, atuam nesse estilo de escrita e se revelam exímios contadores de histórias, com a responsabilidade de impetrar na sociedade paraibano-sertaneja a consciência de seu próprio passado, de seu presente e de si mesma”, afirmou Ida.
O livro é dividido em dois atos, o primeiro, escrito por Vanderley de Brito, remonta o período colonial e narra a saga dos Oliveira Ledo no processo de conquista dos sertões, tendo como principais personagens Antônio de Oliveira Ledo, Gaspar Pereira de Oliveira, Theodósio de Oliveira Ledo e Antônio Martins Pereira, figuras reais de nossa história. Além desses há personagens indígenas que são fictícios. No primeiro ato, enquanto se narra a conquista do sertão das Espinharas, desenvolve-se uma trama fictícia de muita aventura e misticismo.
O segundo ato, escrito por Erik Brito, se passa nos dias atuais (2017) e narra a história do livro em si, da pesquisa para escrevê-lo e tem por personagens os próprios escritores e o prefeito da cidade de Passagem. Paralelo a esta história segue a continuidade da trama do primeiro ato, envolvendo genealogia e uma missão carmática.
“A ideia de escrever esse livro veio casualmente, a priori, a intenção era escrever a história do município de Passagem, nos moldes técnicos e convencionais de historicizar, mas, diante da enorme falta de documentos respectivos ao município em pauta (que é muito jovem enquanto município), a distância entre Campina Grande e o objeto de estudo (bem como as cidades que detém documentação sobre a região, como Patos e Pombal), e a exiguidade de tempo que nos foi oferecido para desenvolver a pesquisa (seis meses), foi que nos iluminou a ideia de romancear para estender a narrativa”, explicou Vanderley de Brito.
Toda a trama gira em torno de um misterioso feiticeiro indígena e uma profecia anunciada que trata de um cometa de maus presságios que cruzou os céus em 1682, deflagrando guerras e genocídio. Cabe aos personagens de 2017, descendentes diretos dos personagens coloniais, uma missão genética de consertar os erros do passado.
Todo o processo de pesquisa e impressão do livro foi financiado pela Prefeitura de Passagem, aliás, até o evento de lançamento da obra na cidade, ocorrido em 21 de junho deste ano, foi organizado pela Secretaria de Educação Municipal.

Produção do Livro
Os autores fizeram dezenas de viagens ao município, esquadrinharam todos os recantos da cidade e zona rural, subiram serras, percorreram riachos, visitaram sítios e entrevistaram os habitantes. O prefeito da cidade (Magno Martins) acompanhou pessoalmente inúmeras dessas expedições. Ao final do trabalho os autores e o projeto do livro era de conhecimento de toda a cidade. Os autores, que ficaram conhecidos como “os professores barbudões”, conquistaram a simpatia por todo local onde passaram a ponto da Câmara Municipal dos Vereadores aprovar a concessão do título de cidadãos passagenses aos mesmos, foi a primeira vez na História que o município de Passagem concedeu tal título.
Na composição do livro estão referências bibliográficas, notas explicativas e ilustrações da lavra do escritor Vanderley de Brito.

Sobre os autores
Vanderley de Brito (53 anos) é Historiador e Arqueólogo e Erik Brito (25 anos) é Historiador e Cineasta. Ambos, nascidos em Campina Grande e membros do Instituto Histórico de Campina Grande e da Sociedade Paraibana de Arqueologia. Eles são pai e filho e já têm outros livros publicados.
Informações sobre o lançamento do livro podem ser obtidas através dos telefones: 9 8730.6049/ 9 8834.6996 ou pelos e-mails: vanderleydebrito@gmail.com / netodebrito@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial