Bahia e Vasco empatam em jogo com decisões polêmicas do VAR

Num jogo marcado pela interferência do árbitro de vídeo em dois pênaltis, Bahia e Vasco empataram por 1 a 1, nesta quinta-feira, na Arena Fonte Nova, em Salvador, pela 37ª rodada do Campeonato Brasileiro.
No primeiro tempo, o time carioca teve um pênalti marcado pelo árbitro Felipe Fernandes de Lima no campo e anulado após consulta ao VAR. A equipe baiana viveu situação inversa ao ter confirmada uma penalidade com o auxílio do vídeo. A cobrança foi convertida por Gilberto no primeiro tempo. Marrony empatou na etapa final.
Garantido na Copa Sul-Americana de 2020, o Bahia, que ocupa o 11º lugar com 49 pontos, se despediu da sua torcida sob vaias por não vencer há oito jogos em casa. O Vasco, com 48 pontos, é o 13º e também tem vaga assegurada na competição continental.
Sem ter a pressão natural da torcida vista nos últimos jogos, o Bahia iniciou o jogo bem tranquilo, armado no 4-3-3 e tentando bem os avanços pelas laterais, principalmente com Nino Paraíba pelo lado direito. A pressão empurrou o Vasco para seu campo defensivo, sem força para ir à frente.
A primeira chance real de gol saiu aos 23 minutos, após passe diagonal de Artur para Gilberto. O atacante tentou tirar do goleiro Fernando Miguel, mas ele fez o abafa e a bola saiu lentamente perto da trave.
Mesmo tendo Yago Pikachu mais livre, atuando no meio de campo, o Vasco pouco chegou ao ataque. Mas teve um pênalti marcado a seu favor e depois cancelado após verificação no VAR. Raul entrou na área e foi tocado por Moisés. O árbitro Felipe Fernandes de Lima apontou pênalti com muita convicção, mas, ao ser chamado para analisar o lance pelas imagens, voltou atrás. Isso aos 30 minutos.
Quem determinou a abertura do placar também foi o VAR. Aos 40 minutos, Ricardo Graça levantou o pé e atingiu a cabeça de Gilberto com a sola do pé. O lance seguiu, mas o árbitro novamente acabou acionado para ver as imagens. Ele marcou a penalidade e ainda expulsou o zagueiro vascaíno, gerando muitos protestos. O atacante saiu para ser atendido, voltou com uma toca azul e, após quatro minutos de paralisação, furou a rede ao marcar na cobrança.
Na volta do intervalo, Vanderlei Luxemburgo apresentou duas mudanças para reorganizar seu time. Colocou dois meias, Fellipe Bastos e Marcos Júnior, respectivamente para as saídas do lateral Raul Cáceres e do atacante Ribamar. Com isso, Pikachu passou a atuar como lateral, houve uma maior concentração de jogadores no meio de campo e o time carioca passou a atuar apenas com Marrony no ataque.
O time baiano começou, de novo, na pressão. E quase ampliou aos quatro minutos, num chute forte e de fora da área de Flávio. A bola explodiu no travessão. Aos poucos, porém, o Vasco acertou a marcação e equilibrou as ações, porém, sem força ofensiva. A alternativa foi arriscar chutes de longa distância.
O Bahia se acomodou em campo, praticamente desistindo de atacar. Com isso, deixou o Vasco à vontade. Aos 36 minutos, o time da casa ficou sem Arthur Caíke, expulso após receber o segundo amarelo. Três minutos depois, o Vasco empatou.
Na única jogada bem feita no ataque, Gabriel Pec invadiu a área pelo lado esquerdo e tocou para trás para o chute colocado de Marrony, aos 39 minutos. Um castigo merecido para o Bahia que tentou levar administrar o resultado.
Na rodada final, neste domingo, o Vasco recebe a rebaixada Chapecoense em São Januário e o Bahia vai até a Arena Castelão para enfrentar o Fortaleza.

FICHA TÉCNICA
BAHIA 1 X 1 VASCO
BAHIA: Douglas Friedrich; Nino Paraíba, Lucas Fonseca (Wanderson), Juninho e Moisés; Gregore, Flávio e João Pedro; Artur, Gilberto (Fernandão) e Élber (Arthur Caíke). Técnico: Roger Machado.
VASCO: Fernando Miguel; Raul Cáceres (Fellipe Bastos), Werley, Ricardo Graça e Henrique; Richard, Raul (Gabriel Pec) e Andrey; Yago Pikachu, Ribamar (Marcos Júnior) e Marrony. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.
GOLS Gilberto, aos 44 minutos do primeiro tempo; Marrony, aos 39 minutos do segundo tempo.
ÁRBITRO – Felipe Fernandes de Lima (MG)
CARTÕES AMARELOS: Flávio, Douglas Friedrich e Arthur Caíke (Bahia); Richard e Fellipe Bastos (Vasco)
CARTÕES VERMELHOS: Arthur Caíke (Bahia) e Ricardo Graça (Vasco).
PÚBLICO: 25.148 pagantes
RENDA: R$ 419.760,00
LOCAL: Arena Fonte Nova, em Salvador (BA).
Foto: Malcon Robert / AGIF / Estadão
Terra

Banner Add

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial