Demissão de Sérgio Moro

E o rei tupiniquim Luís XIV, Jair Bolsonaro, aquele que se considera a própria Constituição, agora de fato começou a governar ao seu estilo despótico – que nem nos governos do PT coisa semelhante existia.
Pergunta-se aos bolsonaristas radicais obscurantistas e mais parvajolas que os petralhas: qual a explicação razoável das atitudes quixotescas do capitão Bolsonaro? Citem uma justificativa sequer, senão de caráter pessoal e familiar de Bolsonaro, para ele insistir na mudança do diretor-geral da Polícia Federal?
Ora, Sérgio Moro não foi para o governo para ser fantoche do presidente da República nem atuar de acordo com os interesses não republicanos do governo.
Pois bem, hoje assistimos à máscara cair daquele que tinha como bandeira de campanha combater a corrupção e a imoralidade pública e por isso foi buscar o ex-juiz Sérgio Moro para desempenhar tal função, dando-lhe carta branca para atuar e indicar os seus assessores. Carta esta que agora o presidente rasga melancolicamente diante do país. Ou seja, falta ao presidente da República credibilidade nas palavras empenhadas.
Vale aqui evocar o escrito por um anônimo: “A palavra reflete a atitude de cada pessoa. Se cumprida em sua totalidade há que se creditar na seriedade pessoal. Se descumprida tem nela embutida a mentira e por consequência a falta de credibilidade”.
Mas agora se sabe que Bolsonaro trazia recôndito o seu repertório maquiavélico e pérfido pronto para aplicar quando fosse necessário. E assim não teve escrúpulo de apunhalar a principal pilastra do governo, Sérgio Moro, que representava o símbolo da moralidade. Mas Sérgio Moro não sabia que estava sendo enganado e caiu numa verdadeira cilada.
O país agradece a Sérgio Moro que soube se comportar de forma hercúlea ao não ceder e compactuar com as atitudes não republicanas do presidente da República em interferir de maneira escusa nos trabalhos internos do Ministério da Justiça e da Polícia Federal.
O pedido de demissão de Sérgio Moro faz ruir uma das grandes pilastras de sustentação do governo e desmascara a seriedade do governo federal em combater os ilícitos, por exemplo, de agentes políticos, como no caso da “rachadinha” na Alerj, envolvendo o seu filho Flávio Bolsonaro, até agora em processo recursal.
Cabe enfatizar que o conteúdo da carta de demissão de Sérgio Moro compromete muito a lisura do governo e requer a atenção especial do Legislativo e Judiciário.

Júlio César Cardoso
Servidor federal aposentado
Balneário Camboriú-SC

Banner Add

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial