Planalto pede silêncio a ministros citados por Moro

Ministros citados por Sérgio Moro, ex-titular do Ministério da Justiça, como testemunhas das acusações sobre interferência do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal foram orientados pela área jurídica do governo a não dar declarações sobre as reuniões que participaram.
Segundo Moro disse em depoimento, Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), Augusto Heleno Ribeiro (Gabinete de Segurança Institucional) e Walter Souza Braga Netto (Casa Civil) estavam presentes quando o presidente ameaçou o demitir por resistir a uma troca no comando da PF. Nesta segunda-feira, 4, o procurador-geral da República, Augusto Aras, solicitou ao ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), a oitiva dos três.
O trio de ministros militares, segundo depoimento de Moro, presenciaram o encontro realizado no dia 23 de abril. A conversa em que Bolsonaro teria pressionado o então ministro da Justiça para demitir o ex-diretor-geral da PF Maurício Valeixo foi gravada.
Em conversas reservadas, os auxiliares do presidente repetem a narrativa de que todos foram “enganados” pelo ex-ministro da Justiça e relatam estarem desapontados. Eles têm relatado que não esperavam que Moro saísse do governo atirando.
Como informou o Estadão, um dia antes da reunião com os três ministros militares, no dia 22 de abril, o presidente já havia abordado Moro sobre a saída de Valeixo em reunião com todo o primeiro escalão do governo. O ex-juiz da Lava Jato, que tinha status de estrela no governo, se demitiu dois dias depois, acusando o presidente de tentar interferir politicamente na PF para ter acesso a dados de inteligência.
As informações foram repassadas à Polícia Federal no longo depoimento que Moro prestou na sede da superintendência da corporação no último sábado, 2, em Curitiba. O motivo da ameaça foi a resistência do ex-juiz em manter Valeixo na chefia da Polícia Federal.
Após o depoimento de Moro, o procurador-geral da República solicitou uma série de diligências no âmbito do inquérito sobre as acusações feitas por Moro a Bolsonaro.
Além de pedir que os ministros Ramos, Augusto Heleno e Braga Netto prestem depoimento, Aras também solicitou que a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) seja ouvida. Zambelli enviou mensagens a Moro pedindo para que aceitasse a substituição no comando da PF se propondo a trabalhar que ele ficasse com a vaga do STF, que abrirá em novembro.
O PGR também quer ouvir os delegados da Polícia Federal Maurício Valeixo, Ricardo Saadi, Carlos Henrique de Oliveira Sousa, Alexandre Saraiva, Rodrigo Teixeira e Alexandre Ramagem Rodrigues, para que prestem informações acerca de “eventual patrocínio, direto ou indireto, de interesses privados do Presidente da República perante o Departamento de Polícia Federal, visando ao provimento de cargos em comissão e a exoneração de seus ocupantes”.
No documento, o PGR requer que as diligências e o agendamento das audiências se dê em até cinco dias após a intimação dos citados.
Além das oitivas, Aras pediu ao Supremo que determine à Secretaria-Geral da Presidência cópia do vídeo da reunião realizada entre o presidente, o vice-presidente, ministros de Estado e presidentes de bancos públicos no último dia 22 no Palácio do Planalto, ‘ no intuito de confirmar a afirmação de que o primeiro teria cobrado, de acordo com o ex-titular da Pasta da Justiça, “a substituição do SR/RJ, do Diretor Geral e relatórios de inteligência e informação da Polícia Federal”‘.
Foto: Adriano Machado / Reuters
Terra

Banner Add

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial