Bares, restaurantes, academias e parques reabrem em Campina Grande

O prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSD), por meio de transmissão ao vivo pelas redes sociais ocorrida na manhã desta sexta-feira (10), divulgou detalhes de relatório de inspeção técnica sobre o avanço da pandemia da Covid-19 na cidade e anunciou medidas que serão tomadas na próxima etapa de flexibilização das atividades econômicas, que deve começar na próxima segunda-feira (13).
Obedecendo protocolos sanitários definidos para cada setor da economia, Romero anunciou o retorno das atividades presenciais em bares, restaurantes, academias e parques na cidade.
De acordo com explicação do prefeito, os bares e restaurantes poderão funcionar com, no máximo, 50% da capacidade de ocupação, em duas faixas de horário, das 10h às 15h, e das 18h às 22h, havendo fiscalização por parte do Procon Municipal.
Conforme detalhou, o intervalo de fechamento entre as 15h e as 18h deverá ser utilizado para as medidas de combate ao novo coronavírus nos estabelecimentos. “Fecha, higieniza. Se não disciplinar, a gente vai ter que voltar para a etapa anterior”, disse Romero.
Com relação às academias, o prefeito explicou que a liberação das atividades ocorrerá com obediência ao distanciamento e redução do número de acessos. O comparecimento a parques, onde podem ser feitas atividades ao ar livre, também fica liberado.
Romero afirmou que os protocolos específicos serão publicados e divulgados à população, mas não definiu quando isso deve ocorrer.
Nas atividades flexibilizadas, o gestor lembrou que na convivência com o vírus a população deve seguir usando máscaras e adotando as práticas de higiene recomendadas. Ele também ressaltou que idosos e pessoas com comorbidades devem procurar manter o isolamento social.
Romero concluiu pedindo desculpas aos setores que ainda não foram liberados para flexibilização e evidenciou que as decisões tomadas pela gestão municipal estão embasadas em questões científicas.

Educação
Também na próxima segunda-feira serão liberadas apenas atividades internas do setor educacional. Na prática, voltarão a funcionar a sede da Secretaria Municipal de Educação (Seduc), além da escolas e creches municipais.
As atividades administrativas vão ocorrer em horário reduzido, das 9h às 12h, de segunda à sexta-feira, tanto para a Seduc quanto para as unidades de educação. Para o retorno ao trabalho, a Seduc está adotando uma série de medidas sanitárias e distanciamento, com redução no número de servidores e restrição no número de atendimento.
No caso das escolas e creches, irão retornar ao trabalho presencial apenas os servidores que desempenham funções administrativas e não será permitida a entrada de funcionários nem público em geral sem o uso da máscara. Já os professores continuam com as atividades online, como vêm sendo realizadas desde o início da pandemia.
Conforme o planejamento, permanecem em regime de teletrabalho os servidores integrados ao grupo de risco, que são gestantes, lactantes, pessoas com mais de 60 anos, pessoas com doenças crônicas ou respiratórias, obesidade mórbida, imunossuprimidas ou com outras comorbidades preexistentes, que possam conduzir agravamento do estado geral de saúde a partir do contágio.
A retomada das aulas presenciais será discutida em fases futuras de flexibilização.

Relatório epidemiológico
Romero Rodrigues esteve acompanhado na live pelo secretário municipal de Saúde, Filipe Reul, e pelo diretor do Hospital Municipal Pedro I, Tito Lívio, que divulgaram dados sobre o relatório epidemiológico promovido pela Prefeitura em Campina Grande.
“Estamos entrando na sexta semana de estabilização da doença na cidade. Percebemos que atingimos o platô da doença em Campina Grande e esperamos uma queda na curva de crescimento de casos nos próximos dias”, disse Filipe Reul.
O secretário afirmou que a quantidade de pessoas circulando na cidade não influenciou os atendimentos na UPA Alto Branco (porta de entrada dos pacientes do SUS em Campina Grande), mesmo após a primeira fase de flexibilização. Ele acrescentou que outras unidades registraram poucas admissões de pacientes, que têm procurado os sistemas de Saúde com sintomas mais leves, devido ao tratamento precoce, logo nos primeiros sintomas.
Reul também informou que o tempo de internação dos pacientes está menor, o que aumenta a rotatividade de leitos, cuja taxa de ocupação atual está abaixo de 50%.
Já Tito Lívio trouxe números do Hospital Municipal Pedro I e relatou que a unidade apresenta cerca de 45% de ocupação de leitos, com menor ocorrência de pacientes graves e que, em contato com outras gestões hospitalares, constata que a queda das internações é geral.
Os dados do relatório epidemiológico foram, segundo Romero Rodrigues, encaminhados ao Ministério público nessa quinta-feira (9).

MPT faz recomendações
O Ministério Público do Trabalho na Paraíba (MPT-PB) encaminhou recomendações à Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Campina Grande (PB) e à Associação Comercial e Empresarial (ACCG) para adoção de procedimentos na retomada das atividades comerciais. Também foram enviadas recomendações para três shoppings da cidade: Partage Shopping Campina Grande, Shopping Cirne Center e Shopping Luiza Motta. O objetivo é evitar a disseminação da Covid-19 no ambiente de trabalho.
Considerando que estados e municípios têm flexibilizado as medidas de isolamento e distanciamento social com a retomada das atividades consideradas não essenciais, o MPT recomendou à CDL e à ACCG a adoção de algumas providências. Dentre elas, a orientação aos lojistas filiados para que elaborem um plano de contingência, que deve ter ampla divulgação entre os trabalhadores e também incluir a proteção dos empregados terceirizados.
Aos shopping centers e às empresas que funcionam dentro desses empreendimentos, O MPT recomendou a adoção de oito providências. Dentre elas, o cuidado com a limpeza e a desinfecção do ambiente e com a ventilação dos espaços. Consta, ainda, no documento recomendatório, a atenção especial aos trabalhadores integrantes do grupo de risco.
As recomendações tratam, ainda, sobre a realização de ações de monitoramento e vigilância epidemiológica pelos shopping centers, pela CDL e pela ACCG. Segundo a procuradora do Trabalho Marcela Asfóra, o monitoramento dos trabalhadores que apresentam sintomas suspeitos ou confirmação de contaminação pela Covid-19 é extremamente importante para atestar a eficácia das medidas de prevenção adotadas pelos estabelecimentos ou a necessidade de ampliação das medidas de proteção.
As providências adotadas deverão ser informadas ao Ministério Público do Trabalho em Campina Grande num prazo de cinco dias a contar do dia 6 de julho, data em que as recomendações foram expedidas.
Portalcorreio

Banner Add

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial